13 Dez 2016 | domtotal.com

Tempo de esperança

Como semear um futuro melhor se trago o coração pesado de ódio, mágoas e ressentimentos?

Deixar-se guiar pela esperança, e não pelo medo, é ousar ser livre.
Deixar-se guiar pela esperança, e não pelo medo, é ousar ser livre.

Por Frei Betto

Para os cristãos, o ano se divide em tempos litúrgicos. Este que antecede o Natal é o período do Advento, de expectativa do que virá. E esperar é acreditar que o futuro será melhor. Como sublinhava Spinoza, deixar-se guiar pela esperança, e não pelo medo, é ousar ser livre.

A fé é a virtude de acolher o Transcendente. O amor, de acolher o próximo. Já a esperança é a tensão que conecta o presente ao futuro. Nada sabemos do que será. Nem "o que será que será", como interpela a canção de Chico Buarque na voz de Milton Nascimento.

O presente, no entanto, se escancara aos nossos olhos. Chega-nos aos borbotões pelas janelas da TV e da internet: guerra na Síria; refugiados no Mediterrâneo; insegurança quanto aos rumos do governo Trump; ascensão da direita na Europa; o papa Francisco denunciando a "globalização da indiferença".

No Brasil, a caça aos corruptos; o ajuste fiscal que penaliza o trabalhador e protege o capital; a falência dos estados; a violência nas grandes cidades; a disseminação das drogas, qual peste medieval que afeta sobretudo os mais jovens; o aumento do desemprego e o desencanto com a política.

O que esperar? Há quem se deixa imobilizar, banca o avestruz e enfia a cabeça na areia, fica à espera do milagre de um futuro melhor. Há quem acredite que Deus ouvirá as nossas preces e haverá de intervir na história humana.

Deus é Pai, não paternalista. Entregou-nos a Criação. Cabe a nós administrá-la. "Se Deus é bom, por que há tanta desgraça?", indaga o cético. A pergunta correta é outra: "Por que nós, seres humanos, causamos tanto sofrimento ao promover injustiças e exclusões?"

Não coloquemos na conta de Deus a fatura de nossos débitos. Frisa o livro do Gênesis que, ao terminar a Criação, Javé viu que tudo "era muito bom". O qualificativo é notório. Se hoje o "muito bom" parece distante, há que indagar o que fizemos com a natureza e a sociedade para causar tanta devastação e dor.

Colhe-se no futuro o que se plantou no presente. Portanto, aguardar um futuro melhor é empenhar-se em corrigir os rumos do presente. O GPS existe, basta nos deixar guiar pelo exemplo de Jesus e de tantos mestres espirituais. Ou esta simples e sábia lição: não fazer ao próximo o que não gostaria que fizessem a mim.

No teatro grego, havia um coro que recitava o contrário da cena que se desenrolava no palco. Seus integrantes eram chamados 'hipócritas'. Na Palestina do século I, os fariseus, como advertiu Jesus, denunciavam o mosquito no olho alheio sem admitir a trave que traziam no próprio.

Como semear um futuro melhor se trago o coração pesado de ódio, mágoas e ressentimentos? Como colher flores se a boca profere palavras ácidas contra quem não pensa como eu? Como haverá paz se aplaudo a vingança? Como esperar harmonia se reforço o preconceito e a discriminação? Como sonhar com a justiça se jamais partilho bens materiais e espirituais?

Viver o Advento é abandonar o compasso de espera. Livrar-se da expectativa de que outros farão o que não faço. É, sobretudo, voltar-se sobre si mesmo e perguntar: o que Deus e o próximo esperam de mim? Como posso renascer neste Natal? Como despojar coração e mente de tantos entulhos que me induzem à ilusão de que sou melhor do que os outros e, portanto, me sinto no direito de me arvorar em juiz da vida alheia?

Há que prestar atenção nos versos de Vicente de Carvalho: "Essa felicidade que supomos / árvore milagrosa que sonhamos / toda arriada de dourados pomos / existe sim; mas não a alcançamos, / porque está sempre apenas onde a pomos / e nunca a pomos onde nós estamos."

Como alerta a canção de Vandré, "quem sabe faz a hora, não espera acontecer."

Frei Betto
é escritor e religioso dominicano. Recebeu vários prêmios por sua atuação em prol dos direitos humanos e a favor dos movimentos populares. Foi assessor especial da Presidência da República entre 2003 e 2004. É autor de "A Obra do Artista – uma visão holística do Universo", "Um homem chamado Jesus", "Batismo de Sangue", "A Mosca Azul", entre outros.
Comentários
+ Artigos
Mais Lidas
Indicadores Econômicos
Instituições Conveniadas