17 Dez 2016 | domtotal.com

O coração da Terra, útero da vida

Para os cristãos, a festa de Natal celebra que, através de Jesus Cristo, Deus realiza um casamento com a humanidade e com o planeta Terra.

Com todas as suas riquezas escondidas, o subsolo deve ser cuidado e respeitado.
Com todas as suas riquezas escondidas, o subsolo deve ser cuidado e respeitado.

Por Marcelo Barros

Atualmente, procuramos ampliar a noção de direitos humanos incorporando a eles "os direitos da Terra". Por isso, nesses dias em que celebramos a memória da Declaração Universal dos Direitos Humanos, a ONU propõe que seja comemorado um Dia Mundial do Subsolo. O objetivo é tomarmos consciência de que nós e todos os seres vivos dependemos do cuidado com o subsolo. Com todas as suas riquezas escondidas, o subsolo deve ser cuidado e respeitado. Ele contém em si grande parte da biodiversidade mundial e, portanto, requer a mesma atenção que a superfície da Terra. Desempenha papel fundamental no fornecimento de água potável e na possibilidade de resistir a secas e inundações. Do subsolo depende a qualidade da nossa comida, a pureza da água, o equilíbrio do clima, a biodiversidade e a vida. O maior depósito de carbono terrestre está no subsolo. Portanto, a sua preservação pode contribuir para o equilíbrio climático.

Nas cidades, é comum dizer-se que saneamento e o que está debaixo da terra não dão votos. No entanto, cada vez mais, as empresas multinacionais se voltam para as riquezas escondias dentro da terra. Em todos os países da América Latina, uma das mais graves causas da destruição ecológica e da pobreza das populações locais é a exploração dos minérios e das jazidas minerais que estão no subsolo. Desde os tempos da colonização, seja na Cordilheira dos Andes, seja em Minas Gerais e mais recentemente na Amazônia, as grandes empresas mineradoras têm provocado destruição da natureza, agravamento das mudanças climáticas e muito sofrimento para os pobres. A mineração representa o rosto perverso do modelo de desenvolvimento que ainda vigora em grande parte do mundo.

Ban Ki-moon, secretário-geral da Organização das Nações Unidas explica. "Temos de garantir a gestão sustentável do subsolo, com base em uma administração sustentável. Juntos, podemos cuidar que o subsolo continue a ser uma base sólida e real para a vida".

Para a maior parte das grandes tradições espirituais, o subsolo representa a interioridade da Mãe Terra. Por isso, deve ser venerado como uma espécie de útero de vida. Nas antigas culturas orientais, acreditava-se que, nos primeiros meses de gravidez, o feto passava do ventre da mãe para o seio da Terra. Ali era cuidado e fortalecido até que, pouco tempo antes do nascimento, retornava misteriosamente ao útero materno. A própria Bíblia parece expressar essa crença no salmo: "Tu, ó Deus, me acompanhavas, quando, misteriosamente, eu era gerado no útero da terra". (Sl 139, 15). Pode ser por isso que, na Bíblia, é a partir do coração da Terra que a Deus se eleva o grito das pessoas que sofrem. Hoje, percebemos que a justiça social está intimamente ligada ao cuidado com o subsolo. Assim como a Terra, o subsolo também não pode ser visto apenas como mercadoria a ser vendida e produto comercial a ser explorado. Além disso, é preciso sempre lembrarmos que as culturas tradicionais como as comunidades indígenas e afro-brasileiras têm uma profunda relação de vida e de comunhão com a Terra e todas as vezes que a relação com o subsolo é de exploração, essas comunidades são oprimidas e prejudicadas.

Para os cristãos, a festa de Natal celebra que, através da pessoa de Jesus Cristo, Deus realiza um verdadeiro casamento com a humanidade e com o planeta Terra com todas as suas riquezas naturais.

Celebrar o Natal deve nos levar a um mais profundo reconhecimento de que a Terra e o seu subsolo fornecem o material para o presépio de Deus e a sua presença no mundo atual.
 

Marcelo Barros
Marcelo Barros é monge beneditino e teólogo especializado em Bíblia. Atualmente, é coordenador latino-americano da Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo (ASETT). Assessora as comunidades eclesiais de base e movimentos sociais como o Movimento de Trabalhadores sem Terra (MST). Tem 45 livros publicados dos quais está no prelo: "O Evangelho e a Instituição", Ed. Paulus, 2014. Colabora com várias revistas teológicas do Brasil, como REB, Diálogo, Convergência e outras. Colabora com revistas internacionais de teologia, como Concilium e Voices e com revistas italianas como En diálogo e Missione Oggi. Escreve mensalmente para um jornal de Madrid (Alandar) e semanalmente para jornais brasileiros (O Popular de Goiânia e Jornal do Commercio de Recife, além de um jornal de Caracas (Correo del Orinoco) e de San Juan de Puerto Rico (Claridad).
Comentários
+ Artigos
Mais Lidas
Indicadores Econômicos
Instituições Conveniadas