16 Dez 2016 | domtotal.com

Crise na representação

A maior parte das energias é investida nas situações e interesses pessoais e partidários, deixando de lado o que deveria ser prioridade: o bem do povo.

A DSI afirma que a corrupção política distorce na raiz a função das instituições.
A DSI afirma que a corrupção política distorce na raiz a função das instituições.

Por Dom Walmor Oliveira de Azevedo

A sociedade brasileira carrega nos ombros o peso de muitos problemas, um deles especialmente grave: a crise envolvendo os representantes do povo. O que tem sido protagonizado na Praça dos Três Poderes, em Brasília, causa perplexidade. São fatos com desdobramentos que atingem fortemente a democracia, colocam em risco seus funcionamentos e propósitos. Por isso mesmo, há uma demanda imediata para que se estabeleça amplo processo de revisão das práticas e posturas nesses âmbitos, para que elas sejam balizadas por parâmetros éticos. Assim, os representantes do povo, em suas responsabilidades políticas, poderão valorizar e garantir a dimensão moral necessária à atividade para a qual foram eleitos.

É inquestionável que hoje a maior parte das energias é investida nas situações e interesses pessoais e partidários, deixando de lado o que deveria ser prioridade: o supremo bem do povo. Não se reconhece que a representação política significa a capacidade e a disposição de partilhar os sofrimentos e as angústias do povo, buscando soluções para problemas sociais. Além disso, falta aos representantes a luminosa razão que permite enxergar problemas e intervir. Isso se revela na ausência de coragem para acabar com privilégios e regalias que estão muito acima das necessidades reais para o exercício da representação, mas que continuam a emoldurar o cotidiano de tantos representantes do povo. Na verdade, essas “vantagens pessoais” agem como um veneno contaminador. Induzem à equivocada crença de que toda representação, longe de ser compreendida como serviço, é simplesmente a conquista de benesses, de lugares que facilitam o enriquecimento a partir da corrupção.

Quem exerce a representação deveria estar sempre a serviço da coletividade. No entanto, há um daninho vício de se valer do lugar que se ocupa para adquirir mais prestígio e outras vantagens pessoais. Isso compromete o bem comum e explica o constante “bate-boca”, os sucessivos e recíprocos ataques, que objetivam a conquista de privilégios.  Fica evidente que a corrupção política é a mais grave deformação do sistema democrático, por ser uma traição vergonhosa aos princípios da moral e da justiça social. O sério comprometimento no funcionamento do Estado nasce da corrupção, que influencia as relações entre governantes e governados e tira a credibilidade da representação política. Um déficit que leva ao enfraquecimento das instituições representativas.

A Doutrina Social da Igreja Católica afirma que a corrupção política distorce na raiz a função dessas instituições, “porque as usa como terreno de barganha política entre solicitações clientelares e favores dos governantes.” Lamentavelmente, esse mal se tornou um vício na sociedade brasileira. Até quem pode agir de modo diferente, por não ter afundado, ainda, nas dinâmicas da corrupção, corre o risco de ser envolvido nos processos que comprometem o exercício da representação política.  Consequentemente, prevalecem os interesses que são restritos a pequenos grupos.

Se a dinâmica que prioriza interesses particulares não for vencida, a representação política na sociedade brasileira só servirá para aumentar a exclusão social e fomentar um gosto vicioso: o de ocupar cargos para apenas se apropriar do poder, desconsiderando o bem do povo. Tudo mudaria se a cultura dos que estão na administração pública, em qualquer nível, fosse marcada pelo objetivo de servir aos cidadãos.  Porém, na contramão desse ideal, o Estado permanece apropriado pelos interesses que contrariam o bem comum, guiado por encaminhamentos que não são suficientemente lúcidos. Prevalecem as escolhas que sacrificam o povo, principalmente o mais pobre. 

Urgente é investir na representação política para inverter os descompassos em curso, promover novas posturas, sem os vícios que fazem os governantes gastarem a maior parte do tempo com infrutíferas discussões e acusações. Só uma nova cultura nas dinâmicas da representação política poderá reverter esses quadros desoladores. O investimento pode ser alto, o percurso a trilhar certamente é longo, mas uma profunda mudança na representação política é fundamental. Sem a necessária moralidade e a consequente qualidade no exercício da representação política, continuará aberta a ferida na democracia brasileira.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
O arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, é doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma (Itália) e mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico, em Roma (Itália). Membro da Congregação do Vaticano para a Doutrina da Fé. Dom Walmor presidiu a Comissão para Doutrina da Fé da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), durante os exercícios de 2003 a 2007 e de 2007 a 2011. Também exerceu a presidência do Regional Leste II da CNBB - Minas Gerais e Espírito Santo. É o Ordinário para fiéis do Rito Oriental residentes no Brasil e desprovidos de Ordinário do próprio rito. Autor de numerosos livros e artigos. Membro da Academia Mineira de Letras. Grão-chanceler da PUC-Minas.
Comentários
+ Artigos
Mais Lidas
Instituições Conveniadas