15 Mar 2017 | domtotal.com

Um Limite Entre Nós

As cercas delimitam e dividem a sociedade.

As cercas delimitam e dividem a sociedade.
As cercas delimitam e dividem a sociedade. (Divulgação)

Por Charles Mascarenhas

O Oscar 2017 já passou, no entanto, ainda é possível encontrar nas principais salas de cinema, alguns filmes que tiveram importantes indicações e premiações. 

Vale lembrar que esta edição (2017) foi um marco na Academia de Artes e Ciências Cinematográficas. Pela primeira vez na história, o Oscar contou com pessoas negras concorrendo nas mais diversas categorias.

O filme Um Limite Entre Nós, por exemplo, concorreu nas categorias de melhor filme, melhor roteiro adaptado, melhor ator e melhor atriz coadjuvante (Viola Davis venceu essa última categoria).

O filme, dirigido e protagonizado por Denzel Washington, é baseado na peça Fences, escrita por August Wilson na década de 80, mas a sua discussão sobre o racismo enraizado na sociedade americana continua atual.

Um Limite Entre Nós se passa na década de 50, em Pittsburgh, Pensilvânia, aonde conhecemos Troy (Denzel Washington), um homem na faixa dos 50 anos, que trabalha pendurado no caminhão de lixo fazendo a limpeza da cidade, ao lado do seu amigo, Bono (Stephen Henderson).

A discussão sobre o racismo institucional é um dos pontos de partida do filme. Primeiro Troy ressalta as dificuldades de ser negro desde que nasceu até aquela época, e levanta questões, que mesmo com tanto tempo que o roteiro foi escrito, continuam frequentes.

Em seu contexto social e profissional, ele quer saber, por que não há pessoas negras em cargos mais elevados? Por exemplo, na empresa que administra a coleta de lixo de Pittsburgh, aonde Troy trabalha, não há negros dirigindo o caminhão de lixo. Claro que essa é uma questão retórica, ele sabe muito bem os motivos pelos quais os negros não ocupam todos os espaços.

Casado com Rose (Viola Davis) e pai de dois filhos, Lyons (Russell Hornsby), com 34 anos, quer ser músico de jaz; e Cory (Jovan Adepo), 17 anos, sonha em ser jogador de baseball, Troy se revolta contra eles, pois acredita que por serem negros e pobres, precisam, assim como ele, arrumar um “emprego descente”.

Sua implicância maior é com Cory. Troy já teve o mesmo sonho que o filho, de ser um jogador de baseball, no entanto, nunca conseguiu espaço em times profissionais, por ser negro. Seu medo é que o caçula sofra o tanto que ele sofreu quando jovem.

Grande parte do filme se passa dentro de casa, ou no quintal, onde está sendo erguida uma cerca de madeira (a propósito, o título original do filme é Fences, que quer dizer “cercas” em português).

O lar carrega muito simbolismo. Troy teve a vida marcada por abandono e sofrimento, por isso, tenta fazer com que sua família seja totalmente diferente do que já viveu. Ele ama a esposa, Rose, e reforça a todo momento o enorme carinho que sente por ela. O levantamento de uma cerca deixa claro, a sua necessidade de manter todos perto e seguro.

A ideia de cerca também pode estar relacionada com o conceito de limites que um negro tem dentro da sociedade.

 Um Limite Entre Nós da um show de interpretação, principalmente por Viola e Denzel, que nos envolve naquele romance, porém acaba por falhar, no que se refere à direção. O filme conta com longos diálogos, às vezes quase um monólogo e a falta de trilha sonora deixam algumas cenas sem emoção. A escassez de locações passa a sensação de que tudo acontece ao mesmo tempo.

Charles Mascarenhas
Charles Mascarenhas é estudante de Comunicação Social em Cinema pela Puc-Minas, onde tem se dedicado à pesquisa sobre cinema.
Comentários
+ Artigos
Instituições Conveniadas