14 Out 2017 | domtotal.com

No caminho do Che

50 anos do martírio do comandante Ernesto Che Guevara.

Ao se declarar não crente, o Che se revelou mais espiritual do que se tivesse sido adepto de alguma religião.
Ao se declarar não crente, o Che se revelou mais espiritual do que se tivesse sido adepto de alguma religião. (Divulgação)

Por Marcelo Barros

No contexto social e político que, atualmente, vivemos no Brasil e em toda a América Latina, é importante lembrarmos que nesse 07 de outubro se completaram 50 anos do martírio do comandante Ernesto Che Guevara.  Vale a pena refletir que importância essa memória tem para nós e para a luta pacífica por um mundo de mais justiça e igualdade eco-social.

No tempo da ditadura militar brasileira e especialmente ao acompanhar as primeiras etapas do MST nos acampamentos de Ronda Alta, RS e no Bico do Papagaio, eu e outros companheiros tivemos de, não poucas vezes, arriscar a segurança pessoal e a própria vida. Eu e muitos de nós fomos detidos e sofremos pressões e ameaças. Em alguns casos, perseguições. Mas, isso não nos dá o direito de julgar eticamente a luta do Che Guevara, Camilo Torres e de outros companheiros que deram a vida no enfrentamento armado às ditaduras do nosso continente. Já em 1967, mesmo ano em que o Che Guevara era assassinado, o papa Paulo VI, ao deixar claro que a insurreição revolucionária, armada e violenta não deve ser o caminho dos cristãos, fez uma ressalva importante. Escreveu: "a não ser em caso de ditadura evidente e prolongada" Cf. Encíclica O desenvolvimento dos povos, n. 31). Qualquer pessoa que analise a realidade latino-americana sabe que é exatamente esse o caso de nossos países, nos quais se prolonga indefinidamente uma mais do que cruel ditadura econômica e social, exercida pela elite que, desde o tempo da colônia se apodera da terra e dos bens que, na mesma encíclica, o papa declara serem bens comuns, de direito de todas as pessoas (P. P. 30). 

Naqueles anos da segunda metade dos anos 60, a Bolívia vivia uma ditadura militar cruel e sanguinária, como tantas outras patrocinadas pelo império norte-americano. Até hoje, Vallegrande é uma cidade perdida, no vale dos Andes que lhe dá o nome. Açoitada pelos ventos frios que vem da cordilheira, até hoje, a pequena cidade se mantém isolada entre caminhos de terra que desanimam qualquer viajante menos afoito. La Higuera, povoado de cem habitantes, 60 km adiante e em uma montanha mais alta, foi o local do martírio do Che. Ali se encontra o Grupo Escolar onde o Che foi preso e sumariamente executado.  Hoje, essa casa é um museu comunal.

Basta percorrer a região para perceber que a miséria e o abandono do povo continua igual ou pior. Em meio às imensas montanhas de pedra e areia, se erguem uma ou outra casinha de lavrador. Mais adiante, mesmo se não se vê capim naquele areal, algumas poucas vacas pastam. Ainda hoje, é difícil imaginar que alguém possa viver ali.

A população de traços indígenas traz na memória os tempos nos quais militares os torturavam para que revelassem onde estavam os subversivos perigosos. Para não arriscar a vida desse povo simples, o Che evitou contatos, a não ser cuidar dos doentes quando recorriam a ele como médico. Mesmo arriscando sua segurança, ele nunca deixava de exercer o seu compromisso de médico dos pobres que ele amava.

Até hoje, é difícil compreender como o Comandante poderia imaginar que sua presença nestas paragens isoladas e cumes quase intransponíveis iria suscitar grupos de resistência à ditadura boliviana e assim incendiar o mundo com a revolução da justiça. Só mesmo uma fé imensa na dignidade humana pode explicar sua fé na vitória de uma campanha como aquela, com tão pouca gente e tão poucos recursos. Como ele escreveu: "Luto porque creio na vocação dos povos oprimidos para a liberdade". Ele acreditava que a causa da justiça jamais seria apagada e acabaria vencendo. Por isso, ele e seus poucos companheiros  arriscaram e deram a vida nessa luta. Foram abandonados na montanha e entregues aos militares bolivianos. Esses, assessorados por norte-americanos da CIA, prenderam todos e os mataram, alguns em combate e outros, como o próprio Che, em um assassinato frio e banal.

Há 10 anos, na comemoração dos 40 anos do martírio do Che, Dom Tomás Balduíno, eu e um pequeno grupo internacional ligado ao MST, fomos a Valle Grande. Ali nos reunimos na velha lavanderia coletiva, onde há o tanque sobre o qual colocaram o corpo do Che, nu, sujo e ferido de balas. Deixaram-no ali exposto para humilhar os revolucionários e amedrontar o povo. Mulheres  pobres cobriram o corpo com um lençol e o cercaram de velas. Como as discípulas de Jesus ao descer da cruz o corpo do Senhor. Até hoje, o tanque de pedra está  coberto de inscrições e recados com nomes de pessoas que saúdam o Che ou pedem a graça de reviver seu espírito.

Parece o túmulo de um  dos antigos mártires cristãos, no qual as pessoas vinham orar para serem fieis no testemunho. Ali, celebramos um culto macro-ecumênico que nos abasteceu da paixão pelos pobres, pelos quais o Che deu a vida. Como a cruz de Jesus, a morte do mártir tem um apelo de vida e de vitória.

Ao se declarar não crente, o Che se revelou mais espiritual do que se tivesse sido adepto de alguma religião. Sua dimensão evangélica se manifesta na universalidade de sua doação pela humanidade. Um poema de sua autoria mostra isso. O título é: “Poema para Cristo”. Diz assim: “Cristo, te amo. Não porque desceste de uma estrela, mas porque me revelaste que o homem tem lágrimas e angústias e chaves para abrir as portas fechadas da luz. Sim, tu me ensinaste que o homem é Deus, um pobre Deus crucificado como tu. E aquele que está à tua esquerda no Gólgota, o mau ladrão, também é um deus. Cristo, te amo”. (Che Guevara, Nandahuauzu, Bolívia, outubro de 1967).

Marcelo Barros
Marcelo Barros é monge beneditino e teólogo especializado em Bíblia. Atualmente, é coordenador latino-americano da Associação Ecumênica de Teólogos/as do Terceiro Mundo (ASETT). Assessora as comunidades eclesiais de base e movimentos sociais como o Movimento de Trabalhadores sem Terra (MST). Tem 45 livros publicados dos quais está no prelo: "O Evangelho e a Instituição", Ed. Paulus, 2014. Colabora com várias revistas teológicas do Brasil, como REB, Diálogo, Convergência e outras. Colabora com revistas internacionais de teologia, como Concilium e Voices e com revistas italianas como En diálogo e Missione Oggi. Escreve mensalmente para um jornal de Madrid (Alandar) e semanalmente para jornais brasileiros (O Popular de Goiânia e Jornal do Commercio de Recife, além de um jornal de Caracas (Correo del Orinoco) e de San Juan de Puerto Rico (Claridad).
Comentários
+ Artigos
Instituições Conveniadas