28 Fev 2018 | domtotal.com

A gente toma lá, a gente dá cá

Se a taxa básica foi reduzida em 0,24% em 7 de fevereiro, a do cheque especial subiu 1,7% em janeiro.

A que situação chegamos.
A que situação chegamos. (Reprodução)

Por Carlos Brickmann

Bolso cheio, eleitor feliz. Michel Temer reduziu a inflação e baixou a taxa de juros ao menor nível da História recente. Por que o eleitor o rejeita, mantendo sua candidatura no chão, apesar das boas notícias da Economia?

Porque as notícias da Economia só são boas quando lidas. Aplicadas, a coisa muda. É verdade que a taxa básica de juros é de 6,75% ao ano, mas nos juros do cheque especial a taxa é de 324,7% ao ano (números oficiais, do Banco Central). O cidadão não compra nada com a taxa básica; usa a do cheque especial e é esfolado todos os dias. E, se a taxa básica foi reduzida em 0,24% em 7 de fevereiro, a do cheque especial subiu 1,7% em janeiro.

O eleitor usa também o cartão de crédito. Os juros são de 241% ao ano. E, se o caro leitor estiver escandalizado com o aumento de juros do cheque especial em janeiro, há coisa pior: a taxa do cartão de crédito subiu 7,1% no mesmo período. Para ver se baixava esses números imorais, o Banco Central determinou que os juros do cartão de crédito fossem cobrados só no primeiro mês. O valor da dívida será então pago em crédito parcelado. Mas quanto custa essa nova modalidade? Outro escândalo: 171,5% ao ano.

Na década de 1970, o general Emílio Médici, que presidiu o período de maior crescimento econômico do país, disse uma frase que continua válida: “A economia vai bem, mas o povo vai mal”. A que situação chegamos, em que é preciso lembrar uma frase do mais feroz ditador do regime militar?

A Copa dos vizinhos

O presidente uruguaio, Tabaré Vásquez, tenta formar um bloco com Argentina e Paraguai para realizar a Copa do Mundo de 2030 e festejar o centenário da primeira Copa do Mundo, ocorrida em 1930 no Uruguai (que foi o primeiro campeão mundial). Como na Copa do Japão e Coreia em 2002, a primeira a se realizar em mais de um país, o evento seria compartilhado entre as nações do Rio da Prata. Palavras do presidente uruguaio que talvez nos soem familiares: “Seria a realização de um sonho coletivo do país que queremos ser em 2030, assim como um legado para futuras gerações, com infraestruturas que contribuam para melhorar a qualidade de vida de todos os uruguaios”. Pois é. Se é assim, então tá

A luz no túnel

O Brasil poderia cooperar amplamente com a Copa platina. Há empresas brasileiras que já fizeram trabalhos semelhantes na Copa de 2014, também a título de legado para futuras gerações. Futuras gerações, claro, dos donos das empresas, cuja capacidade de montar legados ficou aqui comprovada. Levando em conta que o volume de trabalho que executavam se reduziu, a cooperação com os vizinhos seria muito bem-vinda para essas empresas.

Caminho de ida

O ministro da Segurança, Raul Jungmann, disse na hora da posse que sua carreira política está encerrada. Jungmann aproveitou a oportunidade e resolveu dois problemas ao mesmo tempo: trocou o Ministério da Defesa, onde muita gente das Forças Armadas não apreciava sua gestão, por uma nova pasta, com mais poder de decisão e, espera, verbas mais alentadas; e livra-se de uma dura campanha eleitoral, ele que nunca foi um campeão de votos e que, nas últimas eleições, ficou na suplência. Mais, apresenta-se como patriota: “Ao aceitar este cargo, abro mão da minha carreira política. Encerro minha carreira política para me integrar integralmente a esta luta”. Jogada de mestre. E quais seus planos para enfrentar a insegurança pública? Ora, caro leitor! Ele não pode pensar em tudo ao mesmo tempo.

A boa saída

O ex-prefeito carioca César Maia, pai do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, e bom analista político, acha que apesar de tudo a intervenção no Rio fortalece o presidente Temer. “O policiamento ostensivo deve inibir a bandidagem. Quem se opôs à intervenção não apresentou nenhuma ideia, nada, para substituí-la. E a população já não aguentava mais tanto crime”.

Implicância

Quando autoridades e seus parentes vão a bons hospitais particulares, os adversários reclamam que não foram se tratar no SUS. Quando, como agora, a mãe do prefeito carioca Marcelo Crivella vai a hospital público, os adversários reclamam que está ocupando a vaga de quem precisa mais. As críticas surgem por um motivo ou outro. Eris Bezerra Crivella, no dia 17, fez uma cirurgia no punho, no Hospital Salgado Filho; no dia 26, foi levada à emergência do Hospital Miguel Couto, com fortes dores na mão. Nesta internação, diz O Globo, “segundo testemunhas, ela recebeu tratamento diferenciado e foi prontamente encaminhada para radiografia”. E que diz a testemunha? “Uma funcionária, que pediu para não ser identificada, apesar de não ter visto a mãe do prefeito chegar à unidade, soube por outros profissionais que ela foi atendida antes de outros pacientes que já estavam no local”. Ela não se identifica, nem viu, mas acusa e a imprensa a ouve.

Carlos Brickmann
é jornalista e diretor do escritório Brickmann&Associados Comunicação, especializado em gerenciamento de crises. Desde 1963, quando se iniciou na profissão, passou por todos os grandes veículos de comunicação do país. Participou das reportagens que deram quatro Prêmios Esso de Equipe ao Jornal da Tarde, de São Paulo. Tem reportagens assinadas nas edições especiais de primeiras páginas da Folha de S.Paulo e do Jornal da Tarde.
Comentários
+ Artigos
Instituições Conveniadas