05 Abr 2018 | domtotal.com

Desafio do Cruzeiro é manter supersalários em dia 


Atacante Fred, que se recupera de cirurgia, custa R$ 2 milhões por mês ao clube
Atacante Fred, que se recupera de cirurgia, custa R$ 2 milhões por mês ao clube (Bruno Haddad/Cruzeiro)

Por Rômulo Ávila

Bastaram dois resultados ruins para o Cruzeiro deixar de ser um dos melhores times do Brasil e ser contestado por parte da imprensa e da torcida, que chegou a vaiar os jogadores após o empate com o Vasco, pela Copa Libertadores. Mas o que mudou? Na minha modesta opinião, tecnicamente, nada. 

O time do Cruzeiro não deixou de ser um dos mais qualificados do Brasil por ter perdido para o Atlético e empatado com o Vasco. São resultados normais. No entanto, um problema fora de campo pode refletir no desempenho dentro das quatro linhas: atraso de salários. E, conforme matéria da Gazeta Esportiva, o clube celeste está com vencimentos pendentes.

Não estou dizendo que os jogadores fizeram corpo mole ou que a falta de salários em dia tenha refletido de maneira direta no desempenho nas últimas duas partidas. No entanto, mesmo inconscientemente, atraso cria um clima ruim, atrapalha a harmonia do elenco. É uma sangria que precisa ser estancada com urgência.

A diretoria celeste se esforça para bancar salários astronômicos. O lateral-direito Edilson, por exemplo, recebe R$ 450 mil por mês. Rafael Sóbis e Thiago Neves ganham cerca de R$ 500 mil. Fred custaria ao clube, entre luvas, premiações e salários, R$ 2,3 milhões mensais. A conta é alta e mantê-la em dia é desafio.  

Talvez, o atraso de salário, seja o principal problema neste momento. Time por time, elenco por elenco, o Cruzeiro continua entre os principais do Brasil. É só recuperar a confiança, conferir o saldo e voltar a vencer. 

E o Galo?

Ao contrário do Cruzeiro, o Atlético começou a temporada de maneira temerosa e, aos poucos, apresenta evolução. É inegável que o time melhorou, ainda mais depois da entrada de Luan. Porém, não há motivo para euforia. A defesa ainda precisa ser reforçada.

O time também necessita de um armador. Mesmo tendo se destacado nas últimas partidas, Cazares é "bipolar" e daqui a pouco pode voltar a ser aquele jogador desligado, que não participa dos jogos. 

O certo é que quem ganhar o título mineiro neste domingo sairá muito fortalecido psicologicamente. Já o vice terá o desafio de se reerguer para o restante da temporada.

Rômulo Ávila
É jornalista formado pela Newton Paiva. Foi repórter esportivo durante dois anos do extinto Diário da Tarde (tradicional periódico de BH fechado pelos Associados Minas em julho de 2007). Atualmente é repórter do Portal DomTotal. Antes de cursar comunicação, foi jogador de futebol profissional. Começou no Villa Nova-MG e passou pelo futebol paulista e nordestino.
Comentários
+ Artigos
Instituições Conveniadas