15 Mai 2018 | domtotal.com

Padre Fábio de Melo e a macumba

Visão preconceituosa da maioria dos católicos frente às tradições religiosas de matriz africana foi expressa por Fábio de Melo que, com humildade, pediu perdão.

Fábio de Melo reconhece que cometeu uma falha de intolerância religiosa ao ridicularizar a macumba.
Fábio de Melo reconhece que cometeu uma falha de intolerância religiosa ao ridicularizar a macumba. (Reprodução/ Canção Nova)

Por Frei Betto

Quando um sacerdote se torna excessivamente midiático, como ocorre com os padres cantores, sua espontaneidade fica ameaçada. Torna-se um personagem de si mesmo. A fama o sufoca. Entre os sacerdotes que priorizam essa forma de evangelização nutro especial apreço pelos padres Zezinho e Fábio de Melo. Este é um homem aberto, culto, e se esforça para não enxergar no espelho a sua imagem contida nos olhos de seus fãs.

Fábio de Melo reconhece que cometeu uma falha de intolerância religiosa ao ridicularizar a macumba. Com humildade, pediu perdão. De fato, ele expressou a visão preconceituosa da maioria dos católicos frente às tradições religiosas de matriz africana, consideradas por eles meras superstições.

A macumba promove oferendas de alimentos e bebidas, conhecidas como despachos, aos espíritos ou entidades. A pergunta que cabe fazer a nós, católicos, é qual a diferença dos despachos de macumba com as salas de ex-votos nas igrejas? Não seria também mera superstição ofertar a Nossa Senhora ou ao santo protetor réplicas em cera de órgãos e membros cujas curas são atribuídas a milagres ou intervenção divina?

Lembro que na minha paróquia, quando eu era criança, havia cofres para recolher ofertas em dinheiro. Um deles continha a placa “Para as almas”. Ainda hoje me pergunto como as almas embolsavam as ofertas...

Deus não tem religião. Tanto a galinha da macumba quanto o pão da eucaristia são objetos de fé de quem acredita no caráter sagrado da oferenda. O vinho da missa e a cachaça do despacho dependem da crença dos fiéis.

Não é fácil ser tolerante quando se está imbuído de que a religião abraçada é a única admitida por Deus. Ora, a árvore se conhece por seus frutos, frisou Jesus. A boa religião é aquela que suscita tolerância, compaixão, partilha, serviço aos necessitados.

Ainda que eu tenha “uma fé capaz de remover montanhas”, como assinalou o apóstolo Paulo, “e não tivesse amor”, isso não teria o menor valor. 

Frei Betto
é escritor e religioso dominicano. Recebeu vários prêmios por sua atuação em prol dos direitos humanos e a favor dos movimentos populares. Foi assessor especial da Presidência da República entre 2003 e 2004. É autor de "A Obra do Artista – uma visão holística do Universo", "Um homem chamado Jesus", "Batismo de Sangue", "A Mosca Azul", entre outros.
Comentários
+ Artigos
Instituições Conveniadas