30 Nov 2018 | domtotal.com

O partido da escola é por um mundo melhor

O papel da escola, portanto, deve ser de espaço da reflexão sobre a realidade, reflexão coletiva, da qual todos integrantes da comunidade escolar participem.

Não é só com os professores e professoras que está o conhecimento, eles e elas apenas orientam o processo educacional.
Não é só com os professores e professoras que está o conhecimento, eles e elas apenas orientam o processo educacional. (Pixabay)

Por Marcel Farah

O objetivo mais essencial pelo qual foi criada a escola foi preparar as pessoas para a vida em sociedade. Considerando que a sociedade possui defeitos e tem que ser melhorada constantemente, em direção a um horizonte que já foi chamado de um mundo melhor, e possível.

Neste sentido, já foi dito que a escola transforma as pessoas e estas transformam o mundo.

O objetivo mais essencial pelo qual foi criada a escola foi preparar as pessoas para a vida em sociedade. Considerando que a sociedade possui defeitos e tem que ser melhorada constantemente, em direção a um horizonte que já foi chamado de um mundo melhor, e possível.

Neste sentido, já foi dito que a escola transforma as pessoas e estas transformam o mundo.

Para atingir aquele objetivo a escola deve ser um espaço de aprendizagem sobre a vida como um todo, nos seus aspectos sociais, emocionais e profissionais. Um espaço em que as pessoas entendam que são protagonistas da construção de uma sociedade melhor, e para serem protagonistas não apenas apreendem, mas também criam.

O papel da escola, portanto, deve ser de espaço da reflexão sobre a realidade, reflexão coletiva, da qual todos integrantes da comunidade escolar participem. Afinal, não é só com os professores e professoras que está o conhecimento, eles e elas apenas orientam o processo educacional.

Nossa escola não consegue atingir este objetivo desde que foi criada, pois professores e professoras são mal remunerados, a escola se comunica pouco com a realidade que a circunda, há um abismo entre a qualidade do ensino público e privado, as grandes empresas da educação tratam o ensino como mercadoria, os resultados de nossos esforços educacionais não eliminaram o analfabetismo, não supriram a carência de mão de obra qualificada e, principalmente, não inverteram a ordem segundo a qual as melhores universidades formam as elites e as piores destinam-se a formar a classe trabalhadora como força de trabalho, em regra.

Assim, a realidade que nossa escola constrói é uma reprodução da sociedade desigual em que vivemos. Essa é a grande frustração do projeto educacional brasileiro, que não foi revertido pelos governos de esquerda, mesmo com diversos avanços nesta área.

Recolocar estas questões, em conclusão, é essencial para debater os rumos de nossa educação e seus problemas reais. Problemas que atingem a vida da maioria da população, como a falta de instrução básica sobre saúde, sobre higiene, o analfabetismo funcional, a falta de qualificação para o trabalho e para o fortalecimento da democracia. Em suma, o que nossa escola precisa é assumir sua vocação.

Marcel Farah
Educador Popular
Comentários
+ Artigos
Instituições Conveniadas