20 Mar 2019 | domtotal.com

A economia, só a economia vale

Bolsonaro se entusiasmou ao ver de perto seu ídolo Trump. Tietagem desnecessária.

Se a viagem der bom resultado econômico, Bolsonaro pode até botar orelhas de Mickey. Ridículo? Nada é ridículo quando tem êxito.
Se a viagem der bom resultado econômico, Bolsonaro pode até botar orelhas de Mickey. Ridículo? Nada é ridículo quando tem êxito. (RON SACHS / Consolidated News Photos / dpa Picture-Alliance / AFP)

Por Carlos Brickmann

Bolsonaro não fala inglês, oh céus! Guilherme de Orange não era inglês nem falava inglês, mas liderou a Revolução Gloriosa e foi um dos grandes reis da Inglaterra. Stalin não falava inglês, se aliou a Roosevelt e Churchill e ninguém se queixou – até porque ninguém era besta. Pedir outra Águia de Haia – para quê? Na visita de Bolsonaro aos EUA, só a economia importa. O resto é besteira, inclusive as tosquices e a tietagem do presidente.

Em economia, que veio para nós? Dois velhos pedidos foram atendidos: os EUA recomendaram o ingresso do Brasil na OCDE, Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico, onde os países mais ricos do mundo decidem as normas da economia internacional; e passaram a considerar o Brasil aliado preferencial fora da OTAN – do ponto de vista militar, garante mais equipamento para as Forças Armadas; do econômico, exportação de armas made in Brasil. E na Base Aeroespacial de Alcântara haverá cooperação, ótima para o desenvolvimento de tecnologia nacional. Em troca, o Brasil dispensou os americanos (e japoneses, canadenses, australianos) de visto de entrada, sem que estes países deem a mesma regalia a brasileiros. É chato? É. Mas abre o Brasil a muito mais turistas.

Bolsonaro se entusiasmou ao ver de perto seu ídolo Trump. Tietagem desnecessária. Mas se a viagem der bom resultado econômico, ele pode até botar orelhas de Mickey. Ridículo? Nada é ridículo quando tem êxito.

Moro na CIA

Oh, céus, Moro visitou a nefanda CIA. Mas com quem conversaria sobre cooperação na luta contra o crime organizado? Bolsonaro foi com ele. Dos presidentes brasileiros em visita aos EUA, é o primeiro a visitar o QG da CIA, em Langley. Mas Juscelino teve longas reuniões nos EUA com Allen Dulles, o chefão da CIA – em sigilo, fora da agenda.

Guedes é o nome

O ministro da Economia, num discurso fluente, em inglês, usou palavras pouco polidas, ao se referir à ousadia de Bolsonaro no corte de privilégios. Oh, céus!!! Falar em “balls”! Lá ninguém achou ruim – só aqui, em que um presidente jamais disse que tinha “aquilo roxo”. Guedes deixou excelente impressão – talvez por ter o que mostrar, num Governo em que só ele tem grande importância: a Bolsa passou a barreira dos cem mil pontos, o leilão dos aeroportos foi um sucesso (o preço obtido superou de longe o previsto), há algum superávit nas contas públicas, a inflação se mantém baixa, há fortes indícios de que a privatização está sendo bem planejada. Para os investidores, isso conta mais do que um eventual mau uso de palavras.

A fala dos números

O XP Investimentos elaborou pesquisa sobre a popularidade do Governo Bolsonaro. O presidente teve uma pequena queda, mas continua sendo muito bem visto. Há esperança de que leve adiante seus projetos. Duas coisas importantes: as redes sociais – menina dos olhos de Bolsonaro e seus filhos – são vistas como pouco confiáveis. E a grande imprensa continua sendo vista como o meio mais confiável de informação. Importante: o XP encomenda a pesquisa para ajudá-lo na busca de bons investimentos. Não é questão ideológica: a precisão na pesquisa e análise dos fatos vale dinheiro.

Brigas e briguinhas

Há parlamentares ameaçando derrubar o decreto pelo qual só quem tem ficha limpa poderá ser nomeado para cargos em comissão (aqueles que não exigem concurso). Querem que o decreto valha a partir de 1º de janeiro, dia da posse de Bolsonaro. Quem foi nomeado a partir daquela data só fica no cargo se tiver ficha limpa. O decreto fixa a data de 15 de março. Acham os parlamentares que Bolsonaro quer restringir as indicações que fizerem. Não gostam também do decreto que eliminou 21 mil cargos federais. A ameaça é dificultar a reforma da Previdência. Mas se a economia estiver dando certo, quem terá coragem de fazer isso? A economia é a chave do Governo.

Briga de...

O Ministério Público ofereceu denúncia, já aceita pela 6ª Vara Criminal, contra três dos quatro proprietários do grupo Marabraz, gigante do varejo. A denúncia enviada à 6ª Vara Criminal é de prática de crime tributário.

...gente grande

A Junta Comercial do Estado de São Paulo enviou ao Ministério Público informações de que a alteração societária da empresa LP Administradora de Bens, parte do grupo Marabraz, tem texto diferente do que consta em escritura pública do 26º Tabelião – segundo a informação, falta a parte em que consta um irmão e sócio. O Ministério Público investiga o caso.

Novidades na Folha

Sem discutir o afastamento de Cristina Frias da direção da Folha de S.Paulo, decidido por seu irmão, Luís Frias: o substituto de Cristina, Sérgio Dávila, é um jornalista extremamente competente e respeitadíssimo.

Carlos Brickmann
é jornalista e diretor do escritório Brickmann&Associados Comunicação, especializado em gerenciamento de crises. Desde 1963, quando se iniciou na profissão, passou por todos os grandes veículos de comunicação do país. Participou das reportagens que deram quatro Prêmios Esso de Equipe ao Jornal da Tarde, de São Paulo. Tem reportagens assinadas nas edições especiais de primeiras páginas da Folha de S.Paulo e do Jornal da Tarde.
Comentários
+ Artigos
Instituições Conveniadas