Blog CULTURA

Carlos Ávila

É poeta e jornalista. Publicou, entre outros, Bissexto Sentido e Área de Risco (poesia); Poesia Pensada (crítica) e Bri Bri no canto do parque (infantil). Foi, por quatro anos (1995/98), editor do “Suplemento Literário de Minas Gerais”. Trabalhou também na Rede Minas de Televisão e foi editor do caderno de cultura do jornal “Hoje em Dia”. Participou de mais de vinte antologias no país e no exterior.

últimos Posts

30/11 2016

Por Carlos Ávila Uma exposição de livros e poemas-cartazes que fica até o dia 12/12 no Conservatório Mineiro, no centro de BH, comemora os 30 anos de lançamento da antologia “Taquicardias” (Ed. Dubolso) que reuniu 23 poetas nos anos 1980. A mostra integra o evento “O que é um livro? Resistências” da Faculdade de Letras/UFMG. […]

Leia Mais...
23/11 2016

Por Carlos Ávila “Você será um tolo se procurar o tipo de arte de que não gosta” – observou Ezra Pound, acrescentando: “Será um tolo se ler os clássicos porque lhe disseram que o fizesse e não porque os aprecie”. Ora, os clássicos – como um Shakespeare ou um Cervantes, por ex., que completam 400 […]

Leia Mais...
16/11 2016

Por Carlos Ávila Há exatos 80 anos as terras espanholas se tornaram um cenário de sangue e morte. 1936: tinha início a Guerra Civil Espanhola, que duraria três anos e dividiria o país entre direita e esquerda – nacionalistas e republicanos. Os primeiros de tendência fascista (apoiados por alemães e italianos); os segundos, uma frente […]

Leia Mais...
09/11 2016

Por Carlos Ávila O historiador Francisco Iglésias (1923/1999) – um dos mais importantes do país, particularmente nos estudos relacionados à história econômica, política e social (com uns dez livros publicados) – foi também um arguto analista da literatura brasileira do séc. 20. Escreveu inúmeros artigos sobre temas literários, com observações precisas; poderia, caso desejasse e […]

Leia Mais...
02/11 2016

Por Carlos Ávila Em 2016 comemoram-se 70 anos de publicação de “Sagarana”, lançado em 1946, e 60 anos de “Grande Sertão: Veredas” e “Corpo de Baile” – ambos publicados em 1956 (aliás, no mesmo ano em que era lançado o concretismo no Brasil: revoluções na prosa e na poesia). Os três importantes livros de Guimarães […]

Leia Mais...