Blog TEOLOGIA

Johan Maria Herman Josef Konings SJ

Johan Konings é padre jesuíta. Nasceu na Bélgica em 1941, onde se tornou Doutor em Teologia pela Universidade Católica de Lovaina. Veio ao Brasil em 1972. Foi professor de exegese bíblica na PUC-RS (1972-82) e na PUC-Rio (1984). Em 1985, ingressou na Companhia de Jesus e, desde 1986, atua como professor de Teologia na FAJE, em Belo Horizonte. Participou da fundação da Escola Superior Dom Helder Câmara.

últimos Posts

30/10 2014

Roteiro Homilético – 02/11/14 – Celebração pelos Falecidos 1ª leitura: (Sb 3,1-9) As almas dos justos estão nas mãos de Deus – Aos olhos do mundo, quem passa seu tempo fazendo a justiça, parece perder seu tempo, pois “não rende”. Aos olhos dos que não refletem, os justos parecem mortos, pois não aproveitam a vida… […]

Leia Mais...
23/10 2014

Roteiro Homilético / 30º domingo do tempo comum/A   1ª leitura: (Ex 22,20-26) Regras concretas para praticar o amor ao próximo – Ex 20,22–23,33 é uma antiga coleção de normas sob o signo da Aliança (“Código da Aliança”). 22,20–23,9 trata da proteção dos pobres, inclusive dos operários não-israelitas (“estrangeiros”, 20,20). Estas leis mostram como, numa […]

Leia Mais...
16/10 2014

 Roteiro Homilético   1ª leitura: (Is 45,1.4-6) O rei pagão, Ciro, instrumento de salvação nas mãos de Javé, o rei verdadeiro – Is 44,24–45,13 trata do rei Ciro, o pagão que fez os judeus voltar do Exílio. Embora ele conheça Deus só por ouvir dizer (45,4.5), Deus o conhece, o toma pela mão; é até […]

Leia Mais...
10/10 2014

Roteiro Homilético 1ª leitura: (Est 5,1b-2; 7,2b-3) O pedido de Ester: “Salva meu povo” – Se é verdade que Deus encarna seu amor, deve encarná-lo também na realidade que é uma nação. No Antigo Testamento, a consciência desta encarnação praticamente não ultrapassa as fronteiras de Israel. Um dos momentos em que se notificou esse amor […]

Leia Mais...
02/10 2014

Roteiro Homilético 1ª leitura: (Is 5,1-7) O Cântico da Vinha – Uma poesia dentre as mais belas da Bíblia, uma canção de amor, mas em vez de descrever uma pessoa querida, descreve uma vinha, querida, porém ingrata. A descrição torna-se ameaça (5,5-6) e só no fim revela-se a identidade da simbólica vinha: é Israel (cf. […]

Leia Mais...