Blog DIREITO

Lula e o rizoma da maldade

24/04/2018 14:08:29

Brazil's former president Luiz Inacio Lula da Silva gestures during his appointment as chief of staff, at Planalto palace in Brasilia, Brazil, March 17, 2016. REUTERS/Adriano Machado

Por Robson Sávio

Vamos direto ao ponto: o judiciário não condenou Lula; resolveu impor ao ex-presidente a pena de degredo. O processo judicial e a situação prisional de Lula comprovam que não vivemos num estado democrático e de direito.

Mais que isso: o insucesso nas tentativas de extirpá-lo do processo e da disputa eleitoral, primeiro tentando desmoralizá-lo – via perseguição midiática -, depois, aprisionando-o; a impossibilidade de eliminá-lo, dado sua liderança política nacional e seu prestígio e reconhecimento internacional, levou alguns de seus algozes a lançarem mão da mais perversa das ações: isolá-lo numa solitária (maquiada de “cela individual”), impondo-lhe, na sequência, inúmeras restrições de visita.

Para um homem forjado e acostumado com intenso e ininterrupto contato com as pessoas, nada mais cruel e perverso que o isolamento, à força, do convívio social e, mais que isso, do mínimo convívio com seus amigos e correligionários.

Querem, à fórceps – como se fosse um animal capturado, domado e isolado -, transformá-lo num louco. Depois, desmoralizá-lo publicamente; inabilitá-lo politicamente; torná-lo um lixo humano.

O sucesso de Lula junto ao povo mais simples que não o abandona faz com que sua pena seja a mais perversa e cruel. Portanto, não basta prendê-lo; é preciso desumanizá-lo.
Para Lula, resta apenas o convívio com seus algozes. Algo demasiadamente desumano e desproporcional. Isso não é justiça; é pura perversidade.

É preciso que o mundo inteiro saiba: além de preso político, Lula está sendo vítima de cruel e nefasta tortura psicológica e, nessa condição, sofre de atroz e repugnante violação de diretos humanos, própria de estados de exceção dirigidos por autoridades e poderes corrompidos.

Todos os humanistas, independentemente de filiação partidária e ideológica, mas que defendem os princípios elementares da dignidade humana precisam se levantar e se rebelar contra o totalitarismo togado que está a perpetrar as mais graves violações aos direitos de Lula. Até mesmo contra o mais bárbaro criminoso seria inaceitável essas condições.

Alguma dosimetria no acesso à prisão seria razoável. Porém, qualquer cidadão mais atento já percebeu (apesar das mentiras midiáticas a esconderem os fatos): o que se faz deliberadamente é isolar e impossibilitar o acesso até mesmo da assistência religiosa a Lula, numa avassaladora violência e arbítrio ao direito humano e constitucional. Aliás, há muito, alguns segmentos da justiça mandaram às favas a Constituição. Operam como um estado paralelo: uma corporação de vaidades que se postam acima do bem e do mal.
Pior que um estado sem rumo (dado a flagrante decadência e corrupção dos três poderes, reféns do rentismo e capturados pelo colonialismo entreguista), é um estado subjugado por personagens eivadas de ódio de classe e repletas dos mais primitivos instintos humanos, a operarem na máquina estatal; portanto, exercendo o poder.

Nesse sentido, Lula é a vítima mais evidente desse estado degenerado e degenerador; mas todos nós, mais cedo ou mais tarde, podemos experimentar as garras de uma justiça de exceção e de seus capatazes.

O rizoma da maldade que sustenta e mantém estruturada uma sociedade marcada pela abissal desigualdade, pela justiça seletiva e pelo cinismo de parte das elites (política, econômica, religiosa, acadêmica, social) de mentalidade escravocrata abateu-se, com descomunal força, sobre Lula com o intento de apagar tudo o que ele representa.

Se a violência estrutural que sempre atingiu o andar de baixo ainda não nos sensibilizou, que a situação absurda imposta a Lula, tratado como um degredado, acenda as luzes das consciências adormecidas e acomodadas: o ovo da serpente do fascismo continua a eclodir; a esparramar inúmeros filhotes.

Comentários