Blog DIREITO

Bancada evangélica substituirá presidencialismo de coalizão

26/11/2018 10:20:04

images_cms-image-000612793

Num país profundamente marcado pela mistura entre religião, cultura e poder, um fenômeno que precisa ser melhor estudado no Brasil é a ascensão política dos evangélicos. O crescimento e o fortalecimento do neopentecostalismo, o grupo mais aguerrido do universo evangélico, se expressam não somente no aumento quantitativo, na expansão geográfica e no decréscimo do catolicismo, mas, fundamentalmente, na ocupação do poder do estado por esse segmento religioso.

Inicialmente, o pentecostalismo no Brasil se caracterizava pela ostensiva ocupação dos meios de comunicação de massa. A partir da atual década, seus líderes foram avançando nos espaços públicos de poder: primeiramente no Legislativo, através das chamadas “bancadas evangélicas” (nas câmaras municipais, assembleias e, principalmente, na Câmara Federal), assim como no Executivo. A eleição de Marcelo Crivella, prefeito do Rio, em 2016, é sintomática. Ademais a chefia de ministérios por pastores, nos governos petistas, apontava esse alargamento da ocupação do poder.

Observa-se também que, quando começaram a disputar os espaços de poder, as bancadas evangélicas estavam mais preocupadas na obtenção de benefícios tributários e benesses do Estado. Porém, numa guinada, políticos evangélicos passaram a defender uma agenda moralista e conservadora, de cunho fundamentalista. Essa agenda foi se reverberando num contexto sociopolítico marcado por disputas reais e simbólicas: de um lado, narrativas e modos de governança que propunham a superação de um passado autoritário, patriarcal, excludente e racista. Doutro, narrativas que defendem os valores familiares e cristãos conservadores.

Há que se considerar, ainda, a gradual perda de poder da Igreja Católica. Como se não bastasse a “emigração” de católicos para os segmentos evangélicos, o afastamento da hierarquia católica das questões sociopolíticas foi marcante durante os papados de João Paulo II (1978 – 2005) e Bento XVI (2005 – 2013), com profunda repercussão nos movimentos de base e nas pastorais da igreja católica brasileira.

Os planos de ocupação político-institucional do poder pelos evangélicos não é novo. Resumindo um movimento mais recente: primeiro, aproximaram-se dos governos petistas, alargando seus espaços de poder. Simultaneamente, passaram a disputar eleições em vários partidos: hoje, há evangélicos em mais de 20 agremiações. Surfaram na onda da criminalização da política e dos partidos pela mídia. Articularam-se com think tanks norte-americanos na difusão e defesa intransigente de ideologias ultraliberais, utilizando-se da teologia da prosperidade. E, com Bolsonaro, chegaram à “crista da onda” com a distorção e a corrupção do debate político nas eleições, que deixou de lado os problemas reais do país para focar na pauta moralista e de costumes, tendo nas redes sociais o principal meio para entreter incautos e arregimentar um exército de combatentes raivosos e fundamentalistas. Afinal, combater fantasmas é mais fácil que enfrentar e resolver os problemas reais. Ademais, serve para distrair a população dos debates relevantes nas redes sociais e atiçar a ira “santa” de fundamentalistas religiosos e analfabetos políticos.

É nesse contexto que a coalizão encabeçada pela bancada evangélica (em associação com as bancadas ruralista e da bala), ao que tudo indica, será a base de sustentação do futuro governo de Jair Bolsonaro, a substituir o modelo de governança conhecido como presidencialismo de coalizão, que se organizava a partir dos partidos políticos.

A implosão do sistema partidário, a ostensiva criminalização da política e a desarticulação do campo de centro-esquerda corroboram o protagonismo dessa nova forma de sustentação do futuro chefe do executivo.

Certamente, as pautas morais (ou de costumes) cimentarão a agenda política dessa nova coalizão que está cada vez mais vitaminada, a surfar na onda ultraconservadora que espraia por amplos segmentos sociais.

Os movimentos do presidente eleito nas indicações do seu chanceler e do futuro ministro da educação, abençoados por Olavo de Carvalho (católico) e Silas Malafaia (neopentecostal), indicam que o debate de ordem moral será o núcleo do programa político do futuro governo, amparado pela bancada evangélica.

Com expoentes também no Judiciário e no Ministério Público, os evangélicos poderão auxiliar na sustentação de Bolsonaro para além do Congresso, cuja bancada evangélica na próxima legislatura será composta por 199 deputados e 4 senadores. Dois nomes desses segmentos já fazem história: o juiz Marcelo Bretas e o promotor Deltan Dallagnol. Um documento assinado por quase duzentos promotores favoráveis ao esdrúxulo projeto “escola sem partido” corroboram essa hipótese.

Registre-se a união da bancada evangélica com parlamentares católicos conservadores e outros grupos neopentecostais do catolicismo nessa coalizão. Além da pauta de costumes, essa ampla coalizão religiosa comunga de dois outros ideais: (a) o combate ao fantasmagórico “marxismo cultural” e a eliminação do Partido dos Trabalhadores.

Em relação ao PT, como o partido não foi destruído via eleitoral (dado que elegeu a maior bancada na Câmara Federal e 4 governadores), a estratégia será o uso de lawfare para a sua criminalização e de suas lideranças. Nesse sentido, há uma fusão dos três poderes da república em torno de objetivos comuns, a indicar que movimentos persecutórios e antidemocráticos se avizinham. Ademais, pela ação persecutória contra as esquerdas, os movimentos sociais e os campos progressistas, o governo Bolsonaro gozará de toda a paciência e conivência das elites e da mídia, mesmo se cometer grandes deslizes éticos, morais e de gestão (como, aliás, já se pode perceber).

Os neopentecostais têm uma imensa capilaridade no país. Como uma espécie de MDB religioso, estão em todos os rincões, com ações diretas de evangelismo marcado por pregações ultraliberais e conservadoras e pautas moralistas. Certamente, agregarão ao governo eleito o necessário apoio popular, dado que serão capazes de articular as bases sociais em torno de pautas periféricas, enquanto o núcleo duro do governo Bolsonaro atenderá seus verdadeiros credores: os militares, os pastores, as castas judiciárias, os Estados Unidos e, principalmente, os rentistas nacionais e internacionais.

Por tudo isso, a “profecia” de Silas Malafaia segundo o qual “a guinada à direita vai ser longa” não deve ser desprezada. E as análises que apontam para a formação de teocracia fundamentalista nessas bandas dos trópicos não são fake news.

Comentários