JESUÍTAS: 500 ANOS DE TRADIÇÃO E EXCELÊNCIA ASSINE NOSSA NEWSLETTER CONTATO
Cível - Contestação à Impugnação do Pedido de Assistência Judiciária Gratuita

Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da 20ª Vara Cível desta Capital.

 

 

 

PROCESSO Nº: 1157236-06.2011.8.13.0024

 

JOSÉ DA SILVA, já devidamente qualificado nos autos deste processo, vem respeitosamente perante V. Exa., por seu advogado abaixo assinado, CONTESTAR a impugnação do pedido de assistência judiciária gratuita efetivado, nos termos da Lei 1.060/50, pelos fatos e fundamentos a seguir expostos:

 

 

I - DOS FATOS E DO DIREITO

 

O parágrafo único do artigo 2º da Lei 1.060/50 prescreve que “Considera-se necessitado, para os fins legais, todo aquele cuja situação econômica não lhe permita pagar as custas do processo e os honorários de advogado, sem prejuízo do sustento próprio ou da família.”, conforme é o caso do Impugnado, pois, bem demonstrou ser aposentado, fls. 13, além de ser muito doente, fls. 17, não tendo renda suficiente para custear as despesas do processo.

 

Também o art. 4º desta mesma Lei prescreve que “a parte gozará dos benefícios da assistência judiciária, mediante simples afirmação, na própria petição inicial, de que não está em condições de pagar as custas do processo e os honorários de advogado, sem prejuízo próprio ou de sua família.”, conforme foi feito.

O simples fato do Impugnado ter em seu nome um único imóvel (apartamento) não gera óbice à concessão da assistência judiciária, bem como a constituição do advogado particular não tem o condão de afastar a concessão da justiça gratuita.

 

Os Tribunais assim têm entendido, vejamos:

  

134075617 – APELAÇÃO – IMPUGNAÇÃO À ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA – ÔNUS DA PROVA – IMPUGNANTE – EXISTÊNCIA DE PATRIMÔNIO – ÓBICE À CONCESSÃO DO BENEFÍCIO DA LEI Nº 1.060/50 – INOCORRÊNCIA – O fato de perceber o requerente soma superior a 12 salários mínimos e possuir um patrimônio considerável, não são razões suficientes para que ocorra, pura e simplesmente, a revogação do benefício que lhe foi concedido, devendo a parte contrária, em Impugnação à concessão da justiça gratuita, fazer prova em contrário. (TAMG – AP 0411356-2 – (83469) – Uberlândia – 4ª C.Cív. – Rel. Juiz Antônio Sérvulo – J. 17.12.2003)

 

134076673 – IMPUGNAÇÃO À ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA – RENDIMENTOS – ADVOGADO CONSTITUÍDO – CONCESSÃO DO BENEFÍCIO – Os rendimentos do apelante não são capazes de desfazer a presunção de veracidade da declaração de pobreza contida nos autos. A contratação de advogado particular pela parte não tem o condão de afastar a concessão da gratuidade, mormente não havendo qualquer prova no sentido de que a aludida contratação tenha se dado a título oneroso. (TAMG – AP 0413126-2 – (84527) – Montes Claros – 7ª C.Cív. – Rel. Juiz D. Viçoso Rodrigues – J. 18.12.2003)

 

50015695 – AÇÃO DE INDENIZAÇÃO POR ATO ILÍCITO – ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA – IMPUGNAÇÃO FUNDADA NA EXISTÊNCIA DE BENS – RENDA INSUFICIENTE – GRATUIDADE MANTIDA - ADMISSIBILIDADE – APELO IMPROVIDO – DECISÃO UNÂNIME – A mera existência de bens não impede a concessão do benefício da justiça gratuita, mormente quando a parte não tem renda suficiente para arcar com as despesas processuais. (TJMT – AC 44176/2002 – 3ª C.Cív. – Rel. Des. José Jurandir de Lima – J. 04.06.2003)

 

1500027653 – PROCESSUAL CIVIL – AGRAVO DE INSTRUMENTO – JUSTIÇA GRATUITA – 1- Para a concessão da justiça gratuita é suficiente a simples alegação do estado de pobreza na inicial (art. 4º da Lei 1060/50, com redação alterada pela Lei 7.510/86). 2- A existência de bens ou a constituição de advogado, por si só, não ilidem a alegação de pobreza do autor, sendo necessária a aferição de outros dados, mediante procedimento especificado na Lei 1050/60, para a caracterização da situação econômica do agravante. 3- Agravo de instrumento a que se dá provimento. (TRF 3ª R. – Ag 98.03.032463-2 – (64254) – 10ª T. – Rel. Juiz Fed. Conv. Marcus Orione – DJU 13.12.2004 – p. 267) JLAJ.4

 

185005113 – PROCESSO CIVIL – AGRAVO DE INSTRUMENTO – AÇÃO DE COBRANÇA COM PEDIDO DE ANTECIPAÇÃO DE TUTELA – ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA – DECISÃO QUE DENEGOU A CONCESSÃO DE ASSISTÊNCIA GRATUITA AO AGRAVANTE – INTELIGÊNCIA DA LEI 10.060/50 – PRESUNÇÃO JURIS TANTUM – POSSIBILIDADE DE CONCESSÃO DO BENEFÍCIO – RECURSO CONHECIDO E PROVIDO – I - Nos termos do art. 4º, § 1º, da Lei 10.060/50, feito o pedido de Assistência Judiciária Gratuita, basta a alegação de pobreza, passando a existir in casu presunção juris tantum; II - a jurisprudência pátria acolhe o entendimento de que a simples existência de patrimônio do requerente do benefício da Assistência Judiciária Gratuita não gera óbice para a sua concessão, posto que basta ao autor, na peça inicial, alegar a impossibilidade de arcar com as despesas processuais e os honorários advocatícios, sem prejuízo do sustento próprio ou da sua família, para que seja concedido o benefício, presumindo-se, na hipótese, a pobreza até que se prove o contrário; III - agravo de instrumento provido. (TJMA – AI 015078/2004 – (52.007/2004) – Poção de Pedras – 3ª C.Cív. – Rel. Des. Cleones Carvalho Cunha – J. 04.11.2004)

 

132052279 – CIVIL E PROCESSO CIVIL – IMPUGNAÇÃO À DECLARAÇÃO DE POBREZA – Suficiência da simples declaração de pobreza para a concessão da assistência judiciária. Revogação do benefício. Necessidade de prova da ausência de miserabilidade. Compatibilidade da gratuidade de justiça com a constituição de advogado particular. 1 - Para a concessão dos benefícios da assistência judiciária basta a declaração da parte de que não está em condições de suportar as custas do processo, conforme determina o artigo 4º da Lei 1060/50. 2 - A revogação do benefício somente se dará com a prova da inexistência ou do desaparecimento do estado de miserabilidade, nos termos do artigo 7º do referido diploma legal. 3 - A constituição de advogado particular não é incompatível com o reconhecimento da hipossuficiência do beneficiado para efeito de concessão da justiça gratuita. 4 - Recurso conhecido e improvido. 5 - Sentença mantida. (TJDF – APC 20030110742728 – 4ª T.Cív. – Rel. Des. Cruz Macedo – DJU 02.12.2004 – p. 60) JLAJ.4

  

Assim, a Impugnante, que tem o ônus de provar que o Impugnado tem condições financeiras para arcar com as custas processuais, não observou o comando do art. 333, II do C.P.C c/c art. 7º da Lei 1.060/50.

 

II - DOS PEDIDOS

 

 Diante do exposto, requer sejam desprezadas as alegações da Impugnante que, apesar de ter o ônus probante, não demonstrou documentalmente ter o Impugnado condições de arcar com as custas do processo, mantendo-lhe o benefício da justiça gratuita sem o qual não teria acesso ao judiciário.

 

 

Nestes termos, pede deferimento.

 

Belo Horizonte, 26 de maio de 2011.

 

 

                             Advogado                                

OAB/MG - xxxxxxx

Vídeos

Raúl Castro destaca fim de obstáculo nas relações com EUA
Acervo de Entrevistas

Agenda Cultural

Cinema  |  Teatro  |  Shows
Filmes Sétimo
"Séptimo"
Suspense
1h28min.

Enquete

Onde você fará as compras de Natal?

Nas lojas físicas
Na internet
Tanto nas lojas físicas como na internet
Ainda não decidi

Participe e concorra a prêmios.

TV DomTotal

Prof. Paulo Jackson Sousa: Evangelho de Marcos
Mais

Revista

Vol. 10 / Nº 19

CAPES: Qualis B1
Entre as melhores do Brasil