Religião

10/01/2017 | domtotal.com

Conflitos inter-religiosos podem levar Nigéria à guerra civil

Ataques de extremistas já causaram milhares de mortes e obrigou mais de 1 milhão a emigrar para poder sobreviver.

Mulher teve filho assassinado e engravidou de estupro pelo Boko Haram.
Mulher teve filho assassinado e engravidou de estupro pelo Boko Haram. (Ajuda à Igreja que Sofre)

Abuja – As fortes tensões inter-religiosas na Nigéria mantém as Igrejas em alerta, que temem um agravamento da situação no país. O alarme é provocado pelas contínuas violências perpetradas contra os cristãos por extremistas islâmicos no norte do país, em particular o Boko Haram e os pastores Fulani.

O Arcebispo anglicano de Jos, Dom Benjamin Kwashi, chegou a alertar o governo para uma possível guerra civil: “os fieis cristãos poderiam querer se vingar pelos abusos sofridos”, afirmou. Mesmo que os ataques contra as pessoas e suas propriedades não justifiquem a vingança – observou o prelado – é necessário estar prontos para uma reação.

Os passos dados pelo governo nigeriano na luta contra o Boko Haram, mesmo que importantes, ainda não foram suficientes para proteger os cristãos dos contínuos ataques dos pastores Fulani. “Não se fez o bastante para proteger os cristãos no norte do país”, afirma com veemência Dom Kwashi.

“Somente Deus freou a raiva dos fieis até agora – observou– mas o dia em que ela explodir, ninguém conseguirá controlá-la”.

Por fim, o Arcebispo de Jos apela à comunidade internacional para que intervenha para colocar fim às injustiças e danos contra os cristãos. De fato, milhares foram mortos e mais de 1 milhão obrigados a emigrar para poder sobreviver.

O prelado ressaltou que não se pode pedir aos cristãos para permanecer no norte da Nigéria, visto a grave situação de perigo. Quem decide ficar – afirmou – “deverá ter uma forte fé em Deus, mais do que tenha tido anteriormente”.


Rádio Vaticano

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários