Brasil Cidades

20/10/2017 | domtotal.com

NÃO!

Difícil mesmo é manter uma visão otimista em meio ao destroçado paraíso edênico.

Não ao trabalho escravo! Não à censura! Não à subtração do alimento de direito de todos!
Não ao trabalho escravo! Não à censura! Não à subtração do alimento de direito de todos! (Arquivo / Eleonora Santa Rosa)

Por Eleonora Santa Rosa*

Trabalho escravo, ração para pobres e para alunos da rede pública de ensino, censura crescente e indiscriminada às artes, discursos moralistas a mancheias, bandinhas retrógradas tocando hinos de gosto duvidoso, retorno dos “mortos vivos”, profusão de figuras ambulantes saídas de museus de cera, personagens pavorosos extraídos dos filmes tenebrosos à lá sexta-feira 13 e espetáculos estrelados por grandes mentecaptos que vocalizam a ignorância, a inveja e o oportunismo coletivos, gente de pensamento curto e de esperteza grande, que milita em causa própria e a favor de terceiros poderosos; o poço aqui é sem fundo, com direito à queda livre em slow motion. Circo macabro de personagens bizarros praticantes convictos de truques e trambiques, de discursos polidos dos pseudos finos de punhos cerrados e pesados. Nesse diapasão, chocados e chacoalhados despertamos, a cada manhã, pelas más novas do dia.  

Difícil mesmo é manter uma visão otimista em meio ao destroçado paraíso edênico, ex-país da cordialidade, hoje tomado pela discórdia. Muitas “verdades" mentirosas e poucas "mentiras" sinceras, que já não interessam.

A esperança que brota neste cenário desolador, sinalizando que nem tudo está à deriva, emerge da reação da sociedade civil, abrindo trincheiras de resistência, de combate, de embate, de posicionamento. Em momentos assim, como não posicionar-se?

Em meio a amadores profissionais, a argentários pluripartidários, a justiceiros vários, só nos resta o futuro cujo presente urge transformar.

Não ao trabalho escravo! Não à censura! Não à subtração do alimento de direito de todos! Não, não e não à devastação da Amazônia! Não à dizimação das reservas indígenas! Não ao crescimento à custa do trabalho informal sem direitos e garantias básicas! Não à brutalidade da violência desmedida que mata a possibilidade de vida! Não à infância abandonada e exposta à infâmia das sarjetas de norte a sul! Não à mendicância e à rua como solução de moradia! Não à indignidade da ração! Não ao Brasil “inação”!


* Jornalista

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas