;
Religião

17/11/2017 | domtotal.com

O julgamento de ex-coronel poderia trazer detalhes do massacre dos jesuítas em 89


A impunidade neste caso prevaleceu por quase 30 anos.
A impunidade neste caso prevaleceu por quase 30 anos. (CNS photo/Edgardo Ayala)

Em 16 de novembro, 28 anos atrás, seis jesuítas espanhóis, sua cozinheira e sua filha foram assassinados na Universidade da América Central (U.C.A.) por militares salvadorenhos treinados e equipados pelos EUA. Após quase três décadas de impunidade, a próxima extradição e julgamento de um ex-coronel salvadorenho e vice-ministro da segurança pública, acusado como um dos autores do massacre, poderia trazer à luz os principais detalhes do caso e ajudar a trazer justiça às vítimas.

"Para mim, pessoalmente, é interessante ver como as estrelas estão se alinhando para melhorar a justiça em El Salvador", diz Almudena Bernabeu. A Sra. Bernabeu é a principal advogada internacional do caso de massacre jesuíta, co-fundadora e diretora da Guernica37 International Justice Chambers e ex-diretora do Programa de Justiça Transitório no Centro de Justiça e Responsabilidade.

"Nosso objetivo é defender as famílias das vítimas, mas também criar pressão sobre o sistema judicial de El Salvador", explica.

Em 2011, Madrid emitiu um pedido de extradição de 17 membros do Alto Comando das Forças Armadas de El Salvador, suspeito de ter desempenhado um papel no massacre. Pois vários dos jesuítas assassinados eram espanhóis. El Salvador recusou-se a cumprir, mas os Estados Unidos concordaram em extraditar um dos altos comandantes que esteve morando estes últimos anos em solo dos EUA: o coronel Inocente Montano, atualmente detido em uma prisão federal na Carolina do Norte.

O Sr. Montano veio aos Estados Unidos no início dos anos 2000 e trabalhou em uma fábrica de doces. Dez anos depois, ele foi detido e preso por fraude e perjúrio de imigração. Isso significa que se ele não for extraditado para a Espanha, ele pode ser deportado para El Salvador.

A Sra. Bernabeu vem fazendo esforços solicitando a extradição de Montano para a Espanha desde 2008. Ela tentou vencer o relógio e evitar que Montano seja enviado de volta para El Salvador. "Se ele for para El Salvador, não haverá justiça", diz ela, por corrupção e impunidade no sistema judicial de El Salvador.

A impunidade neste caso prevaleceu por quase 30 anos, já que muitos indivíduos de alto perfil e incriminados ainda estão ligados ao poder. O padre jesuíta José Maria Tojeira, testemunha do massacre, provincial e amigo dos últimos jesuítas, pressionou pela investigação sobre os assassinatos no início da década de 1990.

Dos nove membros do exército salvadorenho envolvidos no massacre, apenas dois foram condenados, cada um foi condenado a 30 anos de prisão. Eles foram liberados após cumprir apenas um ano, após a adoção do esforço de amnistia de El Salvador. "Aqui, em El Salvador, a justiça depende do poder executivo", diz o padre Tojeira à América.

A corrupção desse poder já existia em 1989 em El Salvador, quando a guerra civil ainda estava no seu ápice no país. Naquela época, os jesuítas "estavam trabalhando para negociar acordos de paz e também defendiam os direitos humanos dos mais pobres", diz o padre Tojeira.

O Padre Ellacuría, diretor da U.C.A. e uma das vítimas do massacre, desempenhou um papel crucial no processo de paz do país. "O Estado, e especialmente os militares, não gostaram do seu trabalho em negociações de paz, nem as denúncias de violações dos direitos humanos", explica o padre Tojeira. O exército salvadorenho alegou que as universidades U.C.A. estavam apoiando os rebeldes das F.M.L.N. e a agenda das guerrilhas.

Poucos dias antes do assassinato, as tensões cresceram em San Salvador depois que rebeldes lançaram um ataque à capital e as advertências de bombas se multiplicaram em todo o país. "A estação de rádio nacional, que pedia sistematicamente que o arcebispo e o bispo auxiliar, agora cardeal Rosa, fossem mortos, então pediram o assassinato dos jesuítas também", diz o padre Tojeira.

Na noite do dia 16 de novembro, um batalhão de elite do Exército salvadorenho entrou na U.C.A. e disparou contra sacerdotes e testemunhas civis. O massacre desmoralizou a maioria dos salvadorenhos - os jesuítas representavam a esperança de melhorar os direitos humanos e uma saída pacífica para a guerra.

Os assassinatos provocaram indignação internacional. Após o assassinato, os Estados Unidos reduziram seu apoio financeiro e treinamento militar das forças armadas de El Salvador. Isso, por sua vez, incentivou o governo a aceitar as negociações de paz.

A Sra. Bernabeu confia em que o Sr. Montano será julgado na Espanha nos próximos meses. Ao longo dos anos, os tribunais dos Estados Unidos rejeitaram os apelos de Montano e o Departamento de Estado assinou sua extradição.

"O último cartão da defesa de Montano foi apresentar um recurso extraordinário perante o Supremo Tribunal, mas todos sabem que isso tem poucas chances de passar", diz ela. Funcionários do Departamento de Justiça dos EUA dizem que esses tipos de recursos são rapidamente resolvidos. "Eu gosto de acreditar que ele estará na Espanha antes do final do ano", diz ela. Bernabeu acredita que não haverá mais obstáculos legais para sua extradição e julgamento.

Uma vez que a audiência começar, o tribunal superior da Espanha considerará os documentos desclassificados e o relatório da Comissão da Verdade das Nações Unidas para El Salvador. O caso também reunirá muitos testemunhos, incluindo o do padre Tojeira.

A Sra. Bernabeu espera que este caso leve a justiça a um crime contra a humanidade não resolvido, mas também ajude a lutar contra a impunidade em El Salvador. "Para um país, é difícil aceitar quando seus criminosos estão sendo julgados em outros tribunais...". Ninguém quer que seus criminosos sejam julgados em outro lugar", diz ela. "A pressão internacional para investigações, processos e extradições, neste caso, provenientes da Espanha e dos Estados Unidos, sacode as instituições de um país, inclusive quando a impunidade é desenfreada", explica. "Esperamos que as coisas melhorem em El Salvador".


America The Jesuit Review. Tradução: Rámon Lara

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas