;
Meio Ambiente

13/01/2018 | domtotal.com

Nosso planeta está pronto para 2 bilhões de carros?

Até 2030, espera-se que o número de mortes aumente para 1,8 milhão de pessoas por ano.

Trânsito na marginal do Rio Pinheiros, altura da ponte da Cidade Universitária na zona oeste da capital paulista, sentido Interlagos.
Trânsito na marginal do Rio Pinheiros, altura da ponte da Cidade Universitária na zona oeste da capital paulista, sentido Interlagos. (Aloisio Mauricio/ Estadão Conteúdo)

Em 2010, a Terra atingiu um marco notável: um bilhão de carros – ou, precisamente, um bilhão de veículos motorizados, incluindo carros, caminhões, ônibus e motocicletas, exceto veículos fora de estrada, como tratores e bulldozers.

E se essa figura não for suficiente, até 2030 é projetado que teremos o dobro desse número: 2 bilhões de carros.

O que isso significa para o nosso planeta, nossa saúde, nossos estilos de vida e nosso meio ambiente?

Engarrafamento

O aumento exponencial dos veículos coincide com o crescimento das megacidades em todo o mundo, especialmente nos países em desenvolvimento. Em 2030, mais de metade dos 9 bilhões de pessoas projetadas na Terra viverão nas cidades.

Se você acha que os engarrafamentos são ruins agora, imagine o que será com mais 2 bilhões de pessoas do que hoje temos – cada vez mais amontoados nas cidades e dirigindo mais 1 bilhão de veículos.

Se você já visitou uma mega cidade como Pequim ou São Paulo ou Jacarta, você perceberá que o caos do tráfego é a norma, e não a exceção. E isso é mesmo fora do horário de pico.

E com mais veículos, os acidentes de trânsito aumentarão. A Organização Mundial da Saúde estima que 1,25 milhões de pessoas morrem atualmente em acidentes de veículos a cada ano. Para pessoas que variam de 15 a 29 anos de idade, é a principal causa de morte.

Até 2030, espera-se que o número de mortes aumente para 1,8 milhão de pessoas por ano. Se a mortalidade relacionada ao veículo fosse considerada uma epidemia global, seria um assassino mais importante do que o HIV-AIDS.

Gases de efeito estufa

Na conferência climática de Paris, os líderes globais comprometeram-se a limitar o aquecimento global a 2 graus C, com uma aspiração declarada de limitar o aumento para 1,5 graus C. Mas é um pouco difícil ver como vamos chegar lá em um mundo com 2 bilhões de veículos que atraem fumaça.

Nos Estados Unidos, o setor de transporte (que também inclui aviões, trens e navios) responde por 28% de todas as emissões de gases de efeito estufa, segundo em importância apenas para a geração de energia (34%). À medida que os países em desenvolvimento expandem rapidamente seu uso de veículos motorizados, seus perfis de gases de efeito estufa se assemelham cada vez mais aos dos EUA.

Até recentemente, os motores diesel, que queimam combustível de forma mais eficiente do que os motores a gasolina, foram empurrados com força em muitas nações. Contudo, entende-se agora que os diesels, a menos que operem em condições ideais, produzam grandes quantidades de fuligem absorvente de calor e óxidos tóxicos de nitrogênio.

Tente não respirar

Se você mora em uma cidade grande, uma boa estratégia de sobrevivência é manter sua respiração. Isso pode não ser viável por longos períodos de tempo, mas como uma abordagem de curto prazo, ele claramente tem seus benefícios.

Isso ocorre porque os veículos motorizados são uma fonte maciça de poluição atmosférica urbana e, especialmente, de nanopartículas que foram associadas a doenças que vão do aumento das doenças auto-imunesàs doenças cardiovasculares.

Na verdade, um estudo realizado em 2014 pelo Massachusetts Institute of Technology concluiu que, nos EUA, você é consideravelmente mais propensos a morrer de poluentes relacionados a veículos do que de acidentes de carro.

Nas nações em desenvolvimento, onde os dispositivos de redução da poluição, como os conversores catalíticosbem mantidos e a gasolina livre de chumbo, ficam para trás nos países industrializados, o número de pessoas humanas provavelmente será ainda pior.

Estradas em todo o lado?

Possivelmente, o pior impacto de todos esses veículos adicionais serão as novas estradas que eles exigem. Atualmente, está projetado que, até 2050, o mundo terá mais 25 milhões de quilômetros de estradas pavimentadas – o suficiente para cercar o planeta mais de 600 vezes.

Hoje, novas estradas estão indo praticamente em todos os lugares, incluindo muitos dos últimos lugares selvagens sobreviventes do mundo. Construímos estradas para registrar florestas, extrair petróleo, gás e minerais, defender nossas fronteiras, aumentar o crescimento econômico e o comércio e integrar nossas economias.

Seria uma coisa se tivéssemos apenas construído as estradas, mas também abriram áreas selvagens para a caixa de Pandora de doenças ambientais – que vão desde a caça furtiva da vida selvagem até a destruição da floresta elevada, incêndios florestais, mineração ilegal e especulação de terras.

Globalmente, a expansão frenética das estradas é provavelmente a maior ameaça à natureza. A mudança climática está corroendo os ecossistemas como um ácido, mas a expansão da estrada está sendo atacada por eles como uma marreta.

O que devemos fazer?

Como podemos adicionar mais um bilhão de carros e não custar a Terra? Aqui estão três sugestões.

Em primeiro lugar, precisamos conduzir veículos menores, mais eficientes em termos de combustível. Na Europa, por exemplo, carros pequenos e até pequenos são, cada vez mais, a norma. Existe enorme margem para os EUA, o Canadá, a Austrália e muitos outros países industriais e em vias de desenvolvimento se moverem nessa direção.

Em segundo lugar, precisamos ficar muito mais inteligentes sobre onde colocamos estradas. As estradas devem ser evitadas na região selvagem restante, locais com alta biodiversidade e áreas protegidas. Os pesquisadores do ALERT lideraram os esforços mundiais para traçar onde as estradas terrestres devem e não devem ir (veja aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui), para maximizar seus benefícios sociais, limitando seus custos ambientais.

Finalmente, precisamos aumentar os impostos sobre o petróleo e adicionar sobretaxas para os veículos que gastam gasolina. Podemos usar esses produtos para melhorar o transporte público e amenidades, como pistas de bicicleta. Simplesmente, não há razão racional que um humano precise de um pickup Chevy que exceda 2.000 quilogramas para se deslocar.

A linha inferior: a menos que comecemos a pensar muito, em breve viveremos em um mundo cada vez mais barulhento, poluído e privado de natureza, onde o barulho de 2 bilhões de carros parece muito mais uma maldição do que uma bênção.


ALERT, 05-01-2018.

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas