;
Direito Direito Internacional

13/02/2018 | domtotal.com

Ex-presidente guatemalteco Colom detido por escândalo de corrupção

Ele é acusado de fraude e peculato na compra milionária de centenas de ônibus para prestar serviço em várias áreas da capital em 2009.

O ex-presidente guatemalteco Álvaro Colom (E) junto ao chefe da missão da OEA, Jorge Tuto Quiroga (D), em Tegucigalpa, em 17 de dezembro de 2017.
O ex-presidente guatemalteco Álvaro Colom (E) junto ao chefe da missão da OEA, Jorge Tuto Quiroga (D), em Tegucigalpa, em 17 de dezembro de 2017. (AFP/Arquivos)

O ex-presidente da Guatemala, Álvaro Colom (2008-2012), foi detido nesta terça-feira na capital guatemalteca junto com nove membros de seu gabinete por um caso de corrupção em um sistema de transporte público de passageiros, informou a Procuradoria.

O chefe da Procuradoria Especial contra a Impunidade (FECI), Juan Francisco Sandoval, confirmou por telefone à AFP a detenção do ex-presidente em sua casa, localizada em um setor exclusivo a leste da capital.

Colom é acusado de fraude e peculato na compra milionária de centenas de ônibus para prestar serviço em várias áreas da capital em 2009, detalhou.

Naquele ano, o partido governante União Nacional da Esperança (UNE) apresentou uma iniciativa de lei no Congresso para exonerar de impostos a compra de novos ônibus.

De acordo com a acusação, a compra dos ônibus foi superfaturada e quatro empresas foram escolhidas antes da licitação para prestar serviço em 109 rotas de transporte público na capital por 25 anos.

Junto com o ex-governante, nove dos 13 ex-ministros de Colom foram presos, que assinaram o acordo para dar vida ao chamado TransUrbano.

Entre eles estão os ex-ministros Juan Alberto Fuentes Knight (Finanças), Salvador Gándara (Governação), Ana Ordóñez (Educação), Abraham Valenzuela (Defesa), Edgar Rodríguez (Trabalho), Celso Cerezo (Saúde) e Luis Alberto Ferraté (Meio Ambiente).


AFP

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas