;
Meio Ambiente

14/04/2018 | domtotal.com

Tarântulas, vítimas dos desmatamento e da gastronomia no Camboja

A tarântula costuma ser temperada com alho e sal e depois frita em óleo.

As tarântulas assadas são um prato típico do Camboja e do sudeste asiático. Foto tirada em 14 de março de 2018 no mercado de Skun, no Camboja
As tarântulas assadas são um prato típico do Camboja e do sudeste asiático. Foto tirada em 14 de março de 2018 no mercado de Skun, no Camboja (AFP)

As tarântulas assadas encantam os turistas no Camboja, ávidos por experimentar esta curiosidade culinária local, mas este tipo de aranha é cada vez mais escasso no país, vítima do desmatamento e da gastronomia.

"As 'a-pings' são famosas no Camboja, mas cada vez são mais escassas", lamenta Shea Voeun, que vende tarântulas frescas ou cozidas há 20 anos no mercado de Skun, uma pequena cidade situada a 75 quilômetros da capital, Phnom Penh.

Skun se especializou na tarântula zebra, chamada "a-ping" em khmer, o que lhe rendeu o apelido de "cidade das aranhas". Alguns turistas vêm especialmente de Phnom Penh para visitar seu mercado e outros fazem uma parada gastronômica no caminho para Siem Reap e os templos de Angkor.

A turista australiana Elisabeth Dark descreve o quão "crocante" é a carne da tarântula (Cyriopagopus albostriatus), animal que também está presente nos vizinhos Tailândia e Mianmar.

"Só como as patas da aranha, é a primeira vez que provo isto, então tinha um pouco de medo", explica a turista, que também degustou rãs e gafanhotos, à venda no mercado de Skun.

"Não é algo que comeria em minha casa, mas estou aqui e é uma boa oportunidade para provar", diz.

A tarântula costuma ser temperada com alho e sal e depois frita em óleo, e é vendida por quase um euro a unidade no mercado de Skun - dez vezes mais cara que há alguns anos.

O aumento do preço se deve à crescente escassez do animal, segundo os vendedores, que asseguram que é cada vez mais difícil encontrá-lo nas florestas das províncias de Kampong Thom e Preah Vihear.

A tarântula não faz parte das espécies em perigo do Camboja, como é o caso do leopardo, tigre e elefante asiático. Mas como acontece com o conjunto da fauna deste país do sudeste asiático, padece as consequências de um desmatamento maciço que destrói seu habitat natural.

"Camboja é um dos países do sudeste asiático com maior biodiversidade" mas "a floresta retrocedeu 20% desde 1990", alerta a ONG Fauna & Flora International (FFI). O fenômeno é causado pelo desenvolvimento das plantações, em particular de seringueiras, o corte ilegal de árvores e a construção de estradas, além da ausência de cotas para a caça.

Caça não regulada

"No sudeste asiático, a caça não regulada nas florestas tem mais impacto na biodiversidade que a destruição do habitat", ressaltou Tom Gray, biólogo da ONG Wildlife Alliance, entrevistado pela AFP.

Mas, por enquanto, os vendedores de Skun continuam se reunindo para oferecer diariamente centenas de tarântulas frescas, amontoadas em enormes sacos de juta, aos que desejam cozinhá-las ou usá-las no preparo de poções de medicina tradicional.

Alguns comerciantes, como Shea Voeun, propõem ensinar os turistas a cozinhá-las e iniciá-los na técnica da captura de tarântulas nos prados dos arredores. É preciso escavar poços na vertical, onde ficam seus esconderijos subterrâneos, reconhecíveis pela teia de aranha que obstrui a entrada.

"A tarântula tem fama no mundo todo por seu sabor requintado e suas qualidades medicinais", assegura Shea Voeun. No mercado, pode-se comprar decocção de tarântulas, maceradas em álcool de arroz que, segundo a crença popular, seriam boas para combater a tosse e dores na coluna.

Tanto no Camboja como na Tailândia pode-se encontrar aranhas assadas, gafanhotos e escorpiões, alimentos tradicionais do sudeste asiático.

No Camboja, as tarântulas eram uma fonte de proteínas muito cobiçada na época dos Khmers Vermelhos, que pôs fim à vida de quase dois milhões de cambojanos, em muitos casos por desnutrição nos campos de trabalho.


AFP

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas