;
Religião

17/06/2018 | domtotal.com

Papa Francisco pede perdão por feridas e ofensas aos chilenos

'Francisco me encarregou de pedir perdão a cada um dos fiéis da diocese de Osorno e a todos os habitantes deste território', disse dom Charles Scicluna.

Papa Francisco se dirige à multidão na Praça de São Pedro, no Vaticano, em 17 de junho de 2018
Papa Francisco se dirige à multidão na Praça de São Pedro, no Vaticano, em 17 de junho de 2018 (AFP)

O papa Francisco pediu perdão aos fiéis da cidade chilena de Osorno, em uma tentativa de reconciliar a comunidade profundamente dividida pela designação do bispo Juan Barros - acusado de encobrir atos de pedofilia -, em mensagem lida por seus enviados neste domingo (17).

O arcebispo de Malta, dom Charles Scicluna, e o monsenhor Jordi Bertomeu foram pela segunda vez a esta cidade este ano, a mais afetada pelo escândalo protagonizado por seu ex-bispo Barros, acusado de acobertar os abusos sexuais cometidos pelo influente sacerdote chileno Fernando Karadima. O caso provocou uma grave crise na Igreja chilena, à qual o pontífice tenta pôr fim.

"O papa Francisco me encarregou de pedir perdão a cada um dos fiéis da diocese de Osorno e a todos os habitantes deste território por terem sido profundamente feridos e ofendidos", disse Scicluna, de joelhos junto a Bertomeu, durante uma missa neste domingo na Catedral San Mateo de Osorno, 930 km ao sul de Santiago.

A chegada de Barros a Osorno em março de 2015 gerou uma profunda divisão entre fiéis e membros do clero que o apoiavam e outros que rejeitavam sua designação, após as acusações de que acobertou os abusos cometidos por Karadima em 1980 e 1990. O sacerdote havia sido suspenso para o resto da vida pelo Vaticano em 2011, devido às denúncias.

A catedral foi abarrotada por dezenas de fiéis que aplaudiram as palavras de Scicluna e viveram momentos de emoção durante esta missa, o ponto alto da visita a esta cidade, mas que para os laicos de Osorno não é suficiente para fechar as feridas que dividiram sua comunidade.

"Hoje decidimos dar um passo, entrar no nosso templo e participar da santa missa no dia do Senhor, deixando a clareza absoluta de que esta não é uma missa de reparação, nem de reconciliação", indicou um comunicado dos laicos, lido por Mario Vargas, um de seus representantes, minutos antes do início da cerimônia.

Após a missa, os laicos levantaram cartazes com frases como "A paz é fruto da verdade e da justiça" e "Sacerdote, rompa seu silêncio".

Todos os bispos chilenos, incluindo Barros, renunciaram durante reunião no Vaticano com o papa em maio, em meio a duras críticas do pontífice pelo tratamento que o clero do país deu às dezenas de denúncias sobre pedofilia que afetaram a Igreja chilena.

Francisco, que defendeu Barros em sua primeira visita ao Chile em janeiro, decidiu aceitar sua renúncia na segunda-feira passada, assim como a de outros dois bispos chilenos.

"Hoje vemos com muita clareza que há tantas formas de abuso que não podem voltar a acontecer, que há procedimentos que não se podem repetir, que há formas de fazer igreja que devem mudar", disse durante a missa o monsenhor Jorge Concha, que substitui Barros interinamente.

- Processo de cura -

Os enviados do papa viajaram para o Chile pela primeira vez em fevereiro para investigar as denúncias sobre abusos.

Esta segunda visita de Scicluna e Bertomeu a Osorno começou na quinta-feira com reuniões com o clero da cidade e com fiéis de diferentes paróquias, mas também receberam novas denúncias de abusos.

Scicluna agradeceu a "tantas pessoas que tiveram a generosidade de compartilhar suas feridas conosco, experiências dolorosas, assim como também suas esperanças e amor pela Igreja em Osorno", em um comunicado que lido para a imprensa após a missa.

Os laicos agradeceram a missão de Scicluna e Bertomeu e manifestaram sua esperança de que seja o início de um "longo processo de cura que durará provavelmente muito tempo".

Os enviados do papa chegaram na terça-feira a Santiago, onde anunciaram que forneceriam ajuda técnica e jurídica às dioceses chilenas para enfrentar novas denúncias de pedofilia, e disseram que será instaurada uma nova instância que receberá as acusações de abusos.

Em meio à visita, a Promotoria chilena fez buscas nos escritórios da Igreja Católica em Santiago e na cidade de Rancagua, 90 km ao sul da capital, onde foram apreendidos arquivos eclesiásticos no âmbito da investigação sobre os abusos cometidos por padres.

A missão dos enviados do papa acaba na segunda-feira, quando se espera que entreguem algumas conclusões de sua segunda visita.


Refugiados

O Papa Francisco também recordou no Angelus deste domingo o Dia Mundial do Refugiado a ser celebrado esta semana:

Na próxima quarta-feira recorre o Dia Mundial do Refugiado, promovido pelas Nações Unidas, para chamar a atenção para o que eles vivem, muitas vezes com grande ansiedade e sofrimento, os nossos irmãos forçados a fugir de suas terras devido a conflitos e perseguições. Um dia que, este ano, é o centro das consultas entre os governos para a adoção de um Pacto Mundial sobre Refugiados, que deve ser adotado em até um ano, como aquele para uma migração segura, ordeira e regular”.

O Pontífice fez votos de que “os Estados envolvidos nesse processo cheguem a um acordo para assegurar, com responsabilidade e humanidade, assistência e proteção a quem é obrigado a deixar o próprio país”.

Mas o apelo à solidariedade é dirigido também a cada um de nós:

Mas também cada um de nós é chamado a estar perto dos refugiados, a encontrar momentos de encontro com eles, a acolher e a valorizar sua contribuição, para que também eles possam se integrar melhor nas comunidades que os recebem. Neste encontro e neste recíproco apoio e respeito, está a solução de muitos problemas”.

Também por meio de um tweet o Papa Francisco recordou o drama das migrações, relançando a campanha da Caritas "Share the Journey", em favor dos migrantes: “Compartilhemos com gestos concretos de solidariedade o caminho dos migrantes e dos refugiados. #sharejourney http://journey.caritas.org/gwa18/

Especiais gestos concretos de solidariedade em favor dos migrantes e refugiados em todo o mundo serão concretizadas a partir de hoje até 24 de junho.


AFP

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas