;
Esporte Futebol Mineiro

17/07/2018 | domtotal.com

Cruzeiro empata, avança na Copa do Brasil, mas Mano crítica 'silêncio' da torcida

A Raposa está nas quartas de final depois do 1 a 1 com o Atlético-PR, porém, treinador não gostou do comportamento da torcida que ficou calada nos momentos difíceis.

Arrascaeta garantiu o alívio do torcedor que foi criticado por Mano Menezes por ficar em silêncio no Mineirão.
Arrascaeta garantiu o alívio do torcedor que foi criticado por Mano Menezes por ficar em silêncio no Mineirão. (Pedro Vale / Gazeta Press)

Em jogo morno, no qual os ataques só resolveram funcionar nos instantes finais, Cruzeiro e Atlético Paranaense empataram por 1 a 1 na noite desta segunda-feira, no Mineirão, pelo jogo da volta das oitavas de final da Copa do Brasil. O resultado garantiu os mineiros na próxima fase da competição.

O Cruzeiro já entrara em campo com vantagem, por ter vencido o jogo de ida por 2 a 1, em Curitiba. A primeira partida do confronto foi disputada na Arena da Baixada, no dia 16 de maio. E o time mineiro aumentou a vantagem ao abrir o placar aos 40 minutos do segundo tempo, nesta segunda.

Nos acréscimos, o Atlético empatou, mas não teve mais tempo para buscar a virada. Nesta segunda, o time paranaense foi comandado pelo interino Tiago Nunes, que substituiu Fernando Diniz, demitido durante a parada da competição em razão da Copa do Mundo da Rússia.

Nas quartas de final, a equipe mineira vai enfrentar o Santos. O time paulista vai ser o mandante na partida de ida, em 1º de agosto, e visitante na volta, no dia 15 do mesmo mês. Pelo cruzamento da chave, o adversário na semifinal ficará entre Vasco ou Bahia, que também se enfrentam pelas oitavas de final nesta segunda, e Palmeiras.

Torcida azul calada

O público no Mineirão foi muito bom. Quase 40 mil pagaram ingresso para rever o time depois da Copa do Mundo. Por outro lado, Mano não gostou do comportamento da torcida, calada nos momentos críticos do jogo. “Precisamos de ajuda das arquibancadas. Em determinados momentos, estava silenciosa”, disse se referindo à torcida do Cruzeiro.  

Mano falou ainda do papel do torcedor no decorrer dos jogos. “Torcer com 2 ou 3 a 0, aí eu também torço. Nós precisamos da ajuda, do empurrão. A torcida sabe da importância que tem para a nossa equipe. Com a nossa classificação, a torcida vai empurrando, vai acreditando mais”, ressaltou.  

O jogo

No retorno da Copa do Brasil após a paralisação do futebol nacional, em razão da Copa do Mundo da Rússia, o torcedor que compareceu ao Mineirão deve ter ficado insatisfeito com o que viu no primeiro tempo entre Cruzeiro e Atlético.

A primeira etapa foi totalmente concentrada no meio-campo, tornando o duelo truncado, com muitos passes e poucas investidas no ataque. Tanto que o primeiro chute a gol do jogo só saiu aos 36 minutos. Pablo finalizou da direita e o goleiro Fábio, do Cruzeiro, defendeu com tranquilidade.

Em desvantagem no confronto, por ter perdido na ida, o Atlético abusou da cautela. Esperou o time mineiro em seu campo e praticamente não arriscou no contra-ataque. Com espaço para jogar, o Cruzeiro tampouco levou perigo. Insistia pela esquerda, em jogadas de Arrascaeta e Egídio, sem sucesso.

O primeiro bom lance do jogo só saiu aos 43. Rafael Sóbis acertou belo chute de fora da área e exibiu linda defesa do goleiro Santos, que precisou saltar para evitar o primeiro gol da partida.
Segundo tempo

O início do segundo tempo não trouxe novidades para o jogo. Os dois treinadores adiaram alterações e a partida manteve a mesma toada. O Atlético tinha até mais dificuldade para sair porque o Cruzeiro adiantava a marcação. Mas também não ameaçava no ataque.

Mano Menezes, então, fez a primeira troca aos 16. Sacou Thiago Neves e colocou Raniel num ataque que tinha apenas Sóbis atuando quase como um "falso 9". Na sequência, deu oportunidade a David, recém-contratado, para jogar na vaga de Sóbis. Pelo lado do Atlético, entrou Guilherme no lugar de Raphael Veiga.

A entrada de Raniel fez o Cruzeiro atuar mais pelo lado direito, abandonado desde o começo da partida. Aos 21, o atacante criou sua primeira boa chance ao disparar pelo lado e entrar na área. Ele se chocou com Santos e pediu pênalti. O árbitro Leandro Vuaden mandou o lance seguir.

Aos 32, Mano deu mais uma cartada. Colocou Robinho em campo, na vaga de Rafinha. E novamente deu fôlego ao ataque da sua equipe. Menos de dez minutos depois, os dois jogadores que entraram no segundo tempo decidiram a partida. Raniel deu belo passe para Robinho, que colocou Arrascaeta em posição favorável para mandar para as redes, aos 40.

Quando o duelo parecia decidido, uma falha geral na zaga do Cruzeiro deu alguma esperança aos atleticanos nos acréscimos. Aos 46, Bergson empurrou para as redes. Mas já era tarde para tentar a virada.

FICHA TÉCNICA

CRUZEIRO 1 x 1 ATLÉTICO-PR

CRUZEIRO
- Fábio; Edilson, Dedé, Leo e Egídio; Henrique, Lucas Silva, Arrascaeta, Thiago Neves (Raniel) e Rafinha (Robinho); Rafael Sóbis (David). Técnico: Mano Menezes.

ATLÉTICO-PR - Santos; Jonathan (Bergson), Paulo André, Thiago Heleno e Renan Lodi; Lucho González (Marcinho), Bruno Guimarães e Matheus Rossetto; Pablo, Raphael Veiga (Guilherme) e Nikão. Técnico: Tiago Nunes (interino).

GOLS - Arrascaeta, aos 40, e Bergson, aos 46 minutos do segundo tempo.

CARTÕES AMARELOS - Thiago Neves, Raniel, Bruno Guimarães, Renan Lodi.

ÁRBITRO - Leandro Pedro Vuaden (RS).

PÚBLICO - 39.784 pagantes

LOCAL - Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte (MG).


Agência Estado/Gazeta Esportiva/DomTotal.com

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas