;
Religião

23/09/2018 | domtotal.com

Por que o esquecemos?

Reflexão sobre a liturgia do 25º Domingo do Tempo Comum - Mc 9,30-37

O caminho para acolher Deus é acolher o seu Filho Jesus presente nos pequenos, nos indefesos, nos pobres e desvalidos.
O caminho para acolher Deus é acolher o seu Filho Jesus presente nos pequenos, nos indefesos, nos pobres e desvalidos. (Reprodução/ Pixabay)

Por José Antonio Pagola*

A caminho de Jerusalém, Jesus continua a instruir os seus discípulos sobre o final que o espera. Insiste uma vez mais que será entregue aos homens e estes o matarão, mas Deus o ressuscitará. Marcos diz que “Os discípulos não compreendiam o que Jesus estava dizendo, e tinham medo de fazer perguntas”. Não é difícil adivinhar nestas palavras a pobreza de muitos cristãos de todos os tempos. Não entendemos Jesus e temos medo de aprofundar a sua mensagem.

Ao chegar a Cafarnaum, Jesus pergunta-lhes: “Sobre o que vocês estavam discutindo no caminho?” Os discípulos calam-se. Estão envergonhados. Marcos diz que, pelo caminho, tinham discutido sobre quem era o mais importante. Certamente é vergonhoso ver Jesus, que caminha para a cruz, acompanhado de perto por um grupo de discípulos cheios de estúpidas ambições. O que discutimos hoje na Igreja enquanto dizemos seguir Jesus?

Uma vez em casa, Jesus dispõe-se a transmitir um ensinamento. Necessitam. Estas são as suas primeiras palavras: “Quem quer ser o primeiro, que seja o último de todos e o que está a serviço de todos”. No grupo que segue Jesus, o que quer se sobressair e ser mais que o outro deve colocar-se por último, no fim de todos; assim poderá ver o que necessitam e poderá ser o servidor de todos.

A verdadeira grandeza consiste em servir. Para Jesus, o primeiro não é o que ocupa um cargo de importância, mas quem vive a servir e a ajudar os outros. Os primeiros na Igreja não são as hierarquias, mas essas pessoas simples que vivem ajudando a quem encontram no seu caminho. Não devemos esquecê-lo.

Para Jesus, a sua Igreja deveria ser um espaço onde todos pensam no outro. Uma comunidade onde estejamos atentos a quem mais nos pode necessitar. Não é sonho de Jesus. Para Ele é tão importante que lhes põe um exemplo prático.

Senta-se e chama os seus discípulos. Logo aproxima uma criança e coloca-a no meio de todos para que fixem a sua atenção nela. No centro da Igreja apostólica deve estar sempre essa criança, símbolo das pessoas débeis e desvalidas: os necessitados de acolhimento, apoio e defesa. Não devem estar fora, longe da Igreja de Jesus. Devem ocupar o centro da nossa atenção.

Logo Jesus abraça a criança. Quer que os discípulos o recordem sempre assim: identificado com os débeis. Entretanto diz-lhes: “Quem acolhe em meu nome uma destas crianças, acolhe a mim”. “E quem me recebe não está recebendo a mim, mas aquele que me enviou.”

O ensinamento de Jesus é claro: o caminho para acolher Deus é acolher o seu Filho Jesus presente nos pequenos, nos indefesos, nos pobres e desvalidos. Por que o esquecemos tanto? O que está no centro da Igreja se já não está esse Jesus identificado com os pequenos?

*José Antonio Pagola é padre e tem dedicado a sua vida aos estudos bíblicos, nomeadamente à investigação sobre o Jesus histórico. Nascido em 1937, é licenciado em Teologia pela Universidade Gregoriana de Roma (1962), licenciado em Sagradas Escrituras pelo Instituto Bíblico de Roma (1965), e diplomado em Ciências Bíblicas pela École Biblique de Jerusalém (1966). Professor no seminário de San Sebastián (Espanha) e na Faculdade de Teologia do Norte de Espanha (sede de Vitória), foi também reitor do seminário diocesano de San Sebastián e vigário-geral da diocese de San Sebastián.

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas