;
Brasil Eleições 2018

23/09/2018 | domtotal.com

Confidências pré-eleitorais

O problema maior, que realmente temos, é o Congresso Nacional que pode bloquear qualquer tentativa de reforma positiva.

Como disse meu amigo, temos duas ditaduras a escolher: a militar ou a do proletariado, comunista.
Como disse meu amigo, temos duas ditaduras a escolher: a militar ou a do proletariado, comunista. (Leonardo Sá/Agência Senado)

Por Evaldo D' Assumpção*

Conversava com um amigo sobre as eleições, e ele lamentava que tudo leva a crer que teremos de optar entre duas ditaduras: ou a militar ou a do proletariado. Disse a ele que era um risco aparente, contudo tenho grandes esperanças de que a segunda hipótese não venha a se concretizar, e que a primeira, em hipótese alguma venha a ser necessária. E justifiquei meu modo de pensar com base nos meus 80 anos de vida, nos quais vivi e experimentei muitas coisas. Já ouvi muito, já li mais ainda, e hoje não embarco facilmente em promessas, arroubos, falas bem estudadas para confundir o povo brasileiro. Pena que mais da metade dos eleitores é pouco ou nada consciente da importância de seu protagonismo. Por isso, creio que essa próxima eleição será bastante atribulada. Com tantos partidos e tantos candidatos, a atenção dos eleitores é diluída, muita besteira é apresentada sob camadas de glacê colorido e açucarado, e não se consegue sequer perceber a exata ideologia e pretensões dos candidatos.

Além disso, um presidente é como uma andorinha só: não faz o verão. O problema maior, que realmente temos, é o Congresso Nacional que pode bloquear qualquer tentativa de reforma positiva, assim como implementar projetos que favoreçam a eles, e não ao povo. Mas ninguém está focado na seleção de deputados e senadores, que para mim é a parte mais importante desse processo. E é cada candidato que aparece, que só nos resta rezar...

Pelo que avaliei até agora, já não tenho qualquer dúvida na escolha do presidente: Veja só, eu disse a ele: um candidato é só truculência e falta de educação, falando de projetos mirabolantes que só na cabeça dele irá funcionar; outro, é raposa velha rodeada da mais fina pilantragem política, legitima representação da carcomida política brasileira; outro é de uma fragilidade de dar pena, deixando-nos a pensar se dará conta de enfrentar a alcateia que tem sua toca no planalto central; outro mais, é mais um pau mandado que será usado para acobertar ou validar novas pilantragens, zombando da lei nas suas propagandas, exibindo o guru encarcerado. Vendo a administração do seu partido em Minas Gerais, onde sou aposentado do HPS, sem nunca ter tido minha parca aposentadoria atrasada, tenho agora meus três mil e poucos reais atrasados e divididos em três parcelas! Fico pensando: como um médico, com um currículo farto, tendo sido o criador do serviço de cirurgia plástica e queimaduras do Hospital de Pronto Socorro, quando ainda era no Hospital Maria Amélia Lins, merece receber uma irrisória aposentadoria, muito inferior ao que ganha um ascensorista do Congresso, um garçom dessa mesma arapuca, mancomunada com os habitantes do Alvorada! Sem falar no Judiciário...

Como disse meu amigo, temos duas ditaduras a escolher: a militar ou a do proletariado, comunista. Se for para escolher, certamente não quero nenhuma delas, mas se necessário for, eu aceito a militar, pois nos anos da “ditadura”, tivemos segurança, e melhores condições de vida. Se piorou ao longo dos anos, foi por causa dos políticos civis, raposas-velhas bem escoladas que se infiltraram entre os militares e passaram a gerir o país nas sombras das Forças Armadas, roubando descaradamente e criando impérios que até hoje dominam. E depois, deixaram para os militares o ônus da má fama. Se dizem que houve repressão, eu entendo que foi retaliação causada pelas ações e ataques perpetradas pelos asseclas de Mariguela, Lamarca, Julião et caterva. Eles mataram, roubaram e até torturaram seus próprios companheiros que queriam deixar a causa, como se ouviu em vários depoimentos de ex-militantes. Será que esperavam ser recebidos com flores e tapete vermelho pelos militares? Houve violência de ambas as partes, abusos de ambas as partes, nada justificável, ainda que explicável. Tudo consequência dos  embates, onde desapareceu o bom senso e imperou a truculência bilateral. Nela não haviam santos nem demônios, somente a insanidade. Mesmo assim, alguns insistem em afirmar que só os militares torturaram e mataram.  Já foi dito: “Ai dos vencidos”, pois quem escreve a história são o vencedores. No caso do Brasil, aqueles que depois do governo militar conquistaram o poder e nele se aboletaram por mais de quinze anos. Aqueles que são apoiados por “intelectuais” e artistas aquinhoados por benesses recebidas, entre outras fontes, da Lei Rouanet etc. etc. Aqueles que hoje, mais conscientes da realidade, volta e meia abandonam o projeto de uma dominação sub-reptícia de toda a América do Sul, sob o eufemismo de bolivarianismo. Nem sei o que o Brasil tem a ver com isso, pois Bolivar nunca esteve nem fez nada pelo nosso país...

O único que quero é um Brasil digno, justo, honesto, dando condições e oportunidades para TODOS, sem exceção e sem o favorecimento de pequenos grupos, especialmente dos que se vitimam, travestindo-se de mártires, para tirar vantagens pessoais.

Onde nas pelejas pré-eleitorais, os candidatos não façam nossos ouvidos de lixeiras, despejando neles acusações aos outros, notícias falsas, tudo para esconder a sua própria incapacidade de apresentar projetos factíveis, verdadeiramente necessários, e sem qualquer demagogia eleitoreira. E o que é pior, pela total falta de ética, fazendo acusações – quase sempre distorcidas e falsas – em programas e debates onde os acusados estão impedidos de comparecer. Afinal, caluniar pelas costas a quem não tem como se defender, é muito fácil, mas é sujo, é covarde, é indigno de quem se propõe a assumir um cargo da importância da presidência do Brasil.

Infelizmente, num país onde 68% da população é de analfabetos funcionais, somado a 7% de completos analfabetos, a mentira e a demagogia se tornam armas extremamente destrutivas, mortais, e bastante eficientes para maus propósitos. Que Deus se apiede de nós!

Evaldo D' Assumpção é médico e escritor

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas