;
Religião

26/09/2018 | domtotal.com

Uma carta de amor para o jesuíta Gerard Hopkins

Por ocasião do centenário de Gerard Manley Hopkins, jesuíta e um dos maiores poetas da literatura inglesa, 40 estudiosos de todo o mundo se reuniram para sua celebração.

Embora tenha nascido em uma família abastada, Hopkins não escreve sobre pessoas despercebidas.
Embora tenha nascido em uma família abastada, Hopkins não escreve sobre pessoas despercebidas. (Reprodução/ Photo 12 / Alamy Stock Photo)

Por Joseph J. Feeney*

Caro Gerard,

Feliz Centenário para você e para o seu livro! Há cem anos seus poemas foram publicados pela primeira vez em forma de livro, e em junho deste ano, em Londres, 40 estudiosos de Hopkins de todo o mundo se reuniram para celebrar você, seus poemas e seu livro. Esses eventos me incentivaram a escrever essa “carta de amor” para você!

Eu nunca escrevi uma carta de amor antes, mas eu amei seus poemas e sua afeição pelo ser humano e por Deus, então começo esta carta de amor voltado para o poema de Elizabeth Barrett Browning “Como é amar você? Deixe-me contar os caminhos” (How do I love thee? Let me count the ways), e eu ofereço aqui três razões pelas quais lhe amo: (1) por sua imaginação poética selvagem; (2) pelos seus poemas sobre pessoas não notadas; e (3) pelos seus poemas sobre o Divino.

I: sua imaginação poética selvagem

Você tem, Gerard, uma imaginação selvagem e descontroladamente original - penso em você como um criador mágico de metáforas. Como mágico e esperto, você liga imagens - às vezes imagens quase incompatíveis - para criar metáforas cintilantes, dançantes e até fantásticas.

Começo com minha metáfora favorita para a primavera - a de “O Naufrágio da Alemanha”, não um poema em que esperávamos a beleza da primavera! Na estrofe 26 você nos conta que:

Pois para gáudio do ser
O gris seio-torrente veio-corrente
Vai gorar, o azul gaio vai nascer
De um maio vário e viridente!
Azul-pulsar e brasa-brisa do alto; ou noite que não se alcança,
Com fogos de sinos e a Via-Láctea, falena luzfalecente,
Qual, em vossa medida, é o céu da esperança,
Tesouro nunca visto nem sentido, de que só se ouviu dizer?

Essa palavra “corrente” é a mágica: o céu está ativo e, dada a sua palavra “azul-pulsar, azul gaio que vai nascer, uma "altura azulada" que se move e palpita como se um céu cheio de pássaros azuis estivesse batendo em penas azuis, um céu palpitante de alegria azul.

Agora, Gerard, eu me volto para outro pássaro e vejo sua imaginação em “O Falcão”. Enquanto você caminhava ao ar livre naquela linda manhã de maio, viu o falcão circulando e se movendo no céu, e sua imaginação pulou e saltou com metáforas, vendo o falcão como “servo da manhã” - o favorito da manhã - depois como um príncipe francês, depois um cavaleiro, depois um patinador, depois um lutador, depois um cavaleiro, depois um arado, depois brasas douradas de fogo, tudo com toques de Cristo e de Joana d'Arc. Que jornada para sua imaginação - essas metáforas tão diversas. E no seu poema “A cotovia” você entra na figura: no final do poema você canta como a sua cotovia: “Doce, doce, doce alegria / De doce - doce - doce - alegria Você faz parte da sua metáfora - é mágico!”

Uma mágica semelhante brilha em seu poema “A Noite das Estrelas”. Primeiro, você diz ao leitor: “Olhe para as estrelas! Veja! Olhe para os céus!” Então você cria uma sequência de metáforas: as estrelas são “pessoas de fogo sentadas no ar!” e depois “lugares brilhantes”, depois rondam os castelos medievais - “circundam as cidadelas”. “Madeiras escuras” com “diamantes” - minas de diamantes brilhando no escuro. Outras estrelas são brilhantes “olhos de elfo” olhando para nós, simples espectadores. Então o céu se torna “gramados cinzentos, frios, onde o ouro se acha, onde se encontra a areia movediça”, depois os álamos brancos, depois as pombas brancas, assustadas pelo ruído de um curral. E tudo isso nas primeiras sete linhas de um soneto. Então, no sexteto, o céu noturno se torna a parede de um celeiro de madeira com rachaduras e buracos que nos permitem olhar para dentro para ver um céu brilhante - "Cristo e sua mãe e todos os santos".

Anos mais tarde, na angústia de sua depressão de 1885 em Dublin, você ainda é um mágico, já que seu soneto “O pior passou” oferece metáforas selvagens e impressionantes para apreciar a dor. Primeiro, suas "dores" - ataques de angústia repentinos - soam como um violino cujas cordas estão muito "apertadas", tão fortes que soam como gritos - "aaaaaaaaaaa". Então essas dores "torcem" você - torcem você como um pano molhado torcido e já seco. Então seus gritos de dor soam como um rebanho de gado gemendo: "Meus gritos se levantam, rebanhos longos": muuuuu, muuuu, muuuuu. Logo, você vira uma bigorna golpeada por um martelo - uma imagem de som acelerado e dor física. Depois, você é um homem pendurado em um penhasco com apenas os dedos cansados salvando você de uma queda fatal. Ah, querido Gerard, que dor terrível fez com que você imaginasse tais metáforas e as tornasse parte de seu poema mais sombrio - os sons mais terríveis e os horrores físicos que você já escreveu. Isso é escuro, magia negra, brilhante e poderosa.

Eu escolhi esses poemas, Gerard, para mostrar uma das suas principais técnicas: você tem uma percepção - de um pássaro, um céu, sua dor - e você a expressa através de uma longa cadeia de metáforas. Algumas são incongruentes, mas à medida que “saltamos” de uma imagem para outra, todas as metáforas de alguma forma se encaixam - sua “mágica” - para descrever tanto a percepção quanto o objeto percebido! Tal cadeia de metáforas é típica de você.

E agora eu pulo para o seu último poema, "Para RB", de 1889, e noto, com alegria, uma das melhores linhas que você já escreveu, oito palavras que descrevem a essência de um poema: " A ausência, o voo, a voz, o canto, a criação”. Aqui a sua imaginação coloca toda poesia em termos musicais para descrever “a criação” do poeta-artista.

II: Seus Poemas sobre Pessoas que não são notadas

Agora, Gerard, eu celebro seus poemas sobre pessoas despercebidas ou sem importância. Embora tenha nascido em uma família abastada e tenha crescido em Hampstead da classe alta em Londres, você não escreve sobre reis ou rainhas ou papas, bispos ou pessoas de poder e riqueza, mas de pessoas um "pouco" despercebidas - uma escolha rara e contra cultural. Um grande exemplo é o seu poema curto de 1879, "Mendigo alegre": um pobre rapaz em Oxford pede moedas "Detrás do Magdalen [Colégio] e do lado da Ponte / ... em meio do verão / Após quedas e quedas de chuva”. Sua percepção é rápida: “O movimento do coração daquele homem é bom”: ele não deixou que o “querer” e o “lutar” o amargassem - ele era um homem “alegre”. Então, Gerard, percebendo que “um presente deveria animá-lo", você procura em seu "bolso pobre de moedas, pobre bolso meu" e gentilmente entrega para esse moço algumas moedas para enchê-lo de alegria. Então você o imortaliza em seu poema - um grande presente, muito mais do que suas “pobres moedas”.

Ao longo de sua vida poética, você notou de maneira semelhante as pessoas despercebidas do mundo - os jovens, os pobres, o ferreiro, o fazendeiro - e você as imortaliza em poemas. De sua paróquia de Oxford, “O belo coração” registra a “graciosa resposta” de um coro a você quando você perguntou qual presente eles gostariam de ter pelo trabalho extra na Semana Santa: “Padre, o que você comprar, a gente vai gostar muito." "Na Marcha Nupcial" você olha para um casal recém-casado deixando a igreja e reza para que eles possam ter "filhos alegres"- crianças ágeis e brincalhonas. "Irmãos" fala de dois estudantes em uma peça da escola, o jovem Jack no palco tocando uma música, seu irmão mais velho, Henry, observando e esperando que o jovem Jack não cometa erros. “Sobre o retrato de duas jovens bonitas” reza para que estas crianças irlandesas possam evitar a corrupção quando se tornarem adultas. Ah sim, todas essas pessoas comuns e sem importância são sem nome e desconhecidas, mas você, Gerard, as tornou imortais.

Em outros poemas você pega pessoas reais (mas ainda sem importância) e lhes dá nomes inventados: “Felix Randal”, por exemplo, em um poema seu é seu paroquiano “Felix Spencer”, enquanto “Garland de Tom” e “Harry Plowman” devem seus primeiros nomes ao proverbial "Tom, Dick e Harry". Mas seja qual for o nome, você celebra pessoas simples e comuns. Mesmo o seu poema mais comovente, “Primavera e Outono”, prevê a morte inevitável de uma jovem triste e a chama de “Margaret” da palavra grega “pérola”. Ah, Gerard, muitas vezes você celebra essas pessoas despercebidas e sem importância com sincero afeto: crianças, mendigos, recém-casados, ferreiros, agricultores, trabalhadores, meninas e meninos. Você viu a beleza deles e os fez viver para sempre. Eu te amo, Gerard, pela sua empatia por essas pessoas e por lhes dar imortalidade poética

III: Seus Poemas sobre o Divino

Agora, querido Gerard, eu termino esta carta de amor com poemas sobre o seu amor mais querido, Deus, a Trindade - Pai, Filho e Espírito Santo - e em 1879 você escreveu a Robert Bridges que Jesus é “a única pessoa da que eu estou apaixonado”. Seus retratos de Deus são altamente diversos, oferecendo até mesmo imagens cômicas da Trindade.

Como um menino piedoso e filho de uma família religiosa anglicana, você escreveu seu primeiro poema, "O Escorial", sobre um monastério espanhol e o mártir São Lourenço. Seu terceiro poema, "Il Mystico", retrata um místico religioso que quer fugir dos prazeres terrenos. Seus poemas de Oxford se transformam em culpa, medo do “mundo”, a vida de Cristo e dos santos, a Eucaristia e o amor de Deus. Em “Jesu Dulcis Memoria” você até chama Cristo “Jesus meu doce”.

Em 1875, seu primeiro poema de genialidade excelsa, “O Naufrágio da Alemanha”, mostra um profundo envolvimento com Deus - algo doloroso - sobre sua conversão religiosa e sua decisão posterior de se tornar jesuíta e padre. Neste poema de naufrágio, Deus é uma figura dominante e controladora que está “dominando” você como mestre, forçando-o dolorosamente: “Sim – fui falar /Ah! ao raio açoite dos céus” (Mas mesmo com dor você faz um trocadilho: na Inglaterra em um navio o capitão é chamado também de "Mestre"!) Mas Deus fez "franziu a testa" para você e ameaçou com o "inferno", então você "fugiu" para Cristo pedindo ajuda. E aqui Deus é gentil e carinhoso: Ele é um “doador de coragem e pão” e um criador do mundo que na verdade é o movimento dos mares e é a costa que cerca os mares. Esse Deus, o “Senhor dos vivos e dos mortos”, criou você - tem “criado os ossos e as veias em mim, me prendendo à carne”. O terror se torna gratidão e, como um pássaro treinado, você voou “para o coração da Hóstia” - para Cristo - e agora você escreve: “ Minha mão beijo/ Para as estrelas, lindistante / Claroestelar, e a Ele adejo...” em gratidão a Cristo: sempre pronto para curar, ele é o “herói do Calvário” e para ele, instintivamente, “os homens se dirigem”. E a Trindade é "Relâmpago e amor" e a "mais ... misericordiosa" assim como eles se "juntam", junta-se a eles um pecador rebelde "dominado pelo mestre" (essa palavra punitiva novamente) - "mestre" o humano, mas agora, gentilmente. Então, acima de tudo, "seja adorado... seja adorado Rei".

Então, Gerard, você se volta para o naufrágio e para as cinco freiras a bordo, e você pergunta ao Pai se suas bênçãos e misericórdias estavam com o navio quando ele encalhou em um banco de areia e foi inundado pelo mar, com altos gritos e lágrimas e o grande grito da "Alta Freira" - "Ó Cristo, Cristo, venha depressa". Esse grito "se eleva para os ouvidos divinos", para o "mestre-mártir", e, Gerard, você pergunta o significado completo do grito alto da freira: “A majestade! O que ela quis dizer?” Então, depois de refletir sobre o significado de seu choro e sofrimento humano, você responde que através deste naufrágio Deus está tocando todas as vítimas com seu dedo, chamando todas elas (inclusive as pecadoras) “de volta!” para Deus. Mas, ao contrário das linhas de abertura, agora é um toque gentil do dedo de Deus, uma vez que Cristo e o Pai são “compassivos” para com o mundo e o povo. Finalmente, ao terminar a ode, você expande seu foco e pede à Freira Alta, no céu, que ore para que Cristo possa retornar a toda a Inglaterra: “Nosso Rei de volta, Oh, sobre as almas inglesas! Um dia obscuro para as nossas obscuridades”, nosso “príncipe, nosso herói, sumo sacerdote” e “ Senhor”. Este é um Deus muito diferente e mais gentil do que o Deus “temível” do início da ode!

Este caloroso e amoroso Deus transfunde seus ricos sonetos galeses, Gerard, e apesar de sua depressão em 1885 em Dublin que marca a maioria de seus poemas posteriores, chegando ao clímax em “Essa Natureza é um Fogo Heraclitiano” em 1888, onde cada humano ingênuo, cada “Qual eu sou, e este João, pulha, pobre palha, / hulha, maravalha, diamante imortal, É diamante imortal” é - porque Cristo era um humano - esse ingênuo humano é, como Cristo, um “diamante imortal”.

E agora, Gerard, eu termino esta carta de amor com suas fotos cômicas das três pessoas da Trindade, para mostrar sua afeição calorosa e profunda e amor pela Trindade. Sua brincadeira com Deus o Pai aparece em seu soneto "Ribblesdale", um protesto ambiental escrito em 1882. Você estava ensinando no Stonyhurst College, na zona rural de Lancashire, onde o rio Ribble é apenas um rio suave onde os alunos nadam, mas depois se torna um rio poluído que flui por áreas industriais feias como Preston. No entanto, na oitava de "Ribblesdale", você imagina o criador, Deus Pai, como um simples pescador comum pegando sua vara de pescar e lançando a linha aleatoriamente sobre o "lindo vale" para fazer, primeiro, a imagem o córrego sinuoso no campo, em seguida, o rio que flui para a cidade fumarenta e poluente de Preston. Mas o humor ainda está lá: Deus o Pai continua sendo um pescador.

Para Cristo, seus retratos cômicos vêm em poesia e sermões. Em seu poema “Essa Natureza é um Fogo Heraclitiano”, Cristo, o humano, é chamado de “este João, pulha, pobre palha” - um trabalhador comum, um sujeito risível, um fragmento quebrado, um tolo, um estilhaço. É este o Cristo da Trindade? E nos sermões de Bedford Leigh e Liverpool, você chama Cristo de “amado” - um toque cômico, com certeza, ao mesmo tempo que profundamente afetuoso.

O Espírito Santo, finalmente, é retratado como um jogador de críquete e como um pássaro em um ninho. Em um sermão de Liverpool, você descreve o Espírito Santo como um esportista, “quem aplaude, quem encoraja, quem exorta, quem excita, quem avança”, como um jogador de críquete - um batedor - chamando seu hesitante companheiro de equipe. Venha, venha!” E marque! E em seu soneto “A grandeza de Deus”, um retrato adorável do Espírito Santo embeleza as duas últimas linhas: como uma ave mãe protegendo e alimentando seus filhotes no ninho, a manhã “brota” cada dia com brilho e esperança “Porque o Espírito Santo sobre a curva/ Terra com alma ardente abre ah! a alva asa”. Que comparação: o Espírito Santo como um pássaro pensativo que aquece e protege nosso mundo.

Naquela feliz nota, Gerard, termino este estudo de “O Divino” como apresentado em sua poesia e prosa. Gerard, o mundo é um lugar mais rico por causa de seus poemas. Muito obrigado, querido amigo, pela alegria e luz - e escuridão - que você trouxe para nossas vidas e para a vida do mundo.


America Magazine - Tradução: Ramón Lara

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas