;
Religião

19/10/2018 | domtotal.com

O que aconteceu com a Igreja Católica? (Parte 2)

Dinheiro, sexo e poder absoluto corrompem absolutamente.

Uma estátua de São Francisco de Assis é vista fora da Igreja de Santo Antônio em Butler, N.J., depois de uma tempestade de neve.
Uma estátua de São Francisco de Assis é vista fora da Igreja de Santo Antônio em Butler, N.J., depois de uma tempestade de neve. (CNS/ Octavio Duran)

Por Arthur Jones

Clique aqui e leia a primeira parte!

"Lições a serem aprendidas da Igreja Católica", um estudo das práticas de gestão do Instituto Americano de Administração nos anos 1940 e atualizado em 1960, fez as seguintes recomendações:

• Evite o nepotismo
• Acelere em algumas direções, vai devagar em outras
• Use pessoas idosas nas equipes de trabalho
• Eficiência operacional: A partir de agora, a atmosfera do Vaticano emana eficiência. Desde os relógios de ponto para todo o pessoal até as horas extraordinariamente longas do próprio Papa, percebe-se que uma imensidão de detalhes que são tratados rápida e adequadamente. Grandes decisões são frequentemente tomadas de forma apressada, apesar do protocolo e do sigilo. Literalmente tudo é mantido sob fechadura e chave. O Papa (Pio XII) carrega a chave para sua própria mesa.
• Eficácia da liderança: a liderança recente da igreja (João XXIII) foi "extremamente eficaz. O Papa atual selecionou sabiamente os bispos um passo acima do que o anterior.
• Políticas fiscais: nenhuma outra organização dentro de nossa área de conhecimento faz tanto com tão pouco.

Ironicamente, a palavra "nepotismo" vem da ação daqueles cardeais em Roma que acumularam benefícios para seus "sobrinhos".

O que os dois relatórios do American Institute of Management refletem é um ritmo febril dentro do Vaticano. Desde o meu tempo como repórter no Vaticano em 1984, na Secretaria de Estado em particular, parecia um ritmo intenso.

Isso, é claro, contradiz as queixas de dioceses e arquidioceses não familiarizadas e bastante apoiadas em todo o mundo com a queixa de não estar recebendo respostas imediatas - ou mesmo eventuais - para suas dúvidas e problemas.

Ligeiramente comovente no artigo da Forbes em 1985, essa comparação foi traçada: a Cúria Romana - que funciona tanto como o centro administrativo quanto o back office da igreja - tinha 1.800 funcionários. Um burocrata para cada 450.000 católicos. Se o centro administrativo do governo dos EUA e o back office adotassem a mesma proporção na época, haveria 511 funcionários.

Olhando em sentido inverso, os números podem indicar que o Vaticano, após a Segunda Guerra Mundial, estava com falta de pessoal, e - contando com o trabalho "livre" de padres e mulheres religiosas - o pessoal está sobrecarregado. Insuficiente e sobrecarregado. Nenhuma delas é uma receita para eficiência.

Tudo apontava para um Vaticano em que o escalão superior era um espaço irrestrito, exceto pelo Papa. A única esperança de mudança dentro é de cima para baixo. Todo mundo está ocupado demais.

As condições de trabalho dentro do Palácio Apostólico eram apertadas. Não havia escritórios "pessoais" no sentido americano, e as reuniões aconteciam em salas pequenas. A maioria das arquidioceses metropolitanas ocidentais tem lugares mais espaçosos e muitos provavelmente têm, ou tinham, orçamentos anuais maiores.

A força de trabalho decadente do Vaticano mencionada no relatório de 1985 da Forbes é agora onipresente na igreja ocidental. Então, de volta ao ponto principal: "o que aconteceu?", e o que não aconteceu.

Pobreza franciscana

Depois dos primeiros séculos, o compromisso pleno com os pobres que Jesus proclamou não continuou. A pobreza permaneceu um tema importante no ensino da igreja, mas na prática, uma questão secundária. O grande exemplo de até onde a igreja se desviara é São Francisco de Assis, que também ofereceu uma solução.

Segundo o biógrafo Adolf Holl, Francisco tirou a virtude da pobreza dos pobres involuntários e deu-a aos ricos. Ele redefiniu a pobreza "de tal maneira que somente os cristãos poderiam realmente apreciá-la e aspirar a ela" (grifo meu).

"Essa foi uma mensagem assustadora para grande parte da hierarquia da igreja do dia", escreve Holl em seu livro, O Último Cristão: Uma Biografia de Francisco de Assis (The Last Christian: A Biography of Francis of Assisi), "e continua sendo assustador para a maioria dos cristãos ocidentais de hoje".

Francisco de Assis desencadeou "uma violenta crise ideológica na Igreja" que "assolou seu testamento e seu ideal de pobreza, e seus efeitos sobre uma sociedade corrupta", disse Holl. Um século depois da morte de Francisco, Dante saudou Francisco como "o sol nascido em Assis". Três anos antes da morte de Dante, os primeiros franciscanos reformados - aqueles que retornaram ao estilo de vida e pregação de Francisco - foram queimados na fogueira em Marselha.

Como a instituição lidou com a pobreza franciscana? De certa forma, isso a enterrou. O exemplo está em Assis. A humilde igreja de Francisco La Porziuncola está envolta em uma basílica cheia de pompas e ornamentos que o próprio Francisco desprezou.

Francisco morreu quando a Igreja em Roma estava se preparando para se tornar o principal poder financeiro na Europa Ocidental. No século 15 - com planos para a Basílica de São Pedro em andamento - a igreja, segundo os autores da A verdade sagrada: A Igreja Medieval como uma Empresa Econômica (Sacred Trust: The Medieval Church as an Economic Firm), controlaria 40% das terras agrícolas mais valiosas da Europa Ocidental.

Francisco, o santo, entendeu o que estava acontecendo. Jesus não veio para fundar uma comunidade que, dentro de 1.500 anos, poderia ocupar o seu lugar na lista dos mais ricos da Forbes. Jesus não pretendia que os sucessores de Pedro fossem exaltados como alguns dos melhores gerentes corporativos da história pelo Instituto Americano de Administração. Jesus havia fundado uma comunidade de e para os pobres, mas a maioria de seus principais líderes estava se afogando com os ricos ou com a riqueza pessoal. Enquanto isso, a Igreja Vaticana em Roma terminou como uma parada no Tour mundial de casas de tesouros.

Centros de lucro

Durante a Idade Média, os mosteiros eram indústrias. Os lucros da cerveja, vinho e artigos de couro, criados nas fábricas engenhosamente movidas a água dos monges, foram canalizados para Roma. A igreja controlava o mercado de lã, um verdadeiro monopólio, e fixava preços mínimos e máximos. Os mosteiros criaram riqueza a uma taxa desconhecida novamente até a Revolução Industrial.

O dinheiro estava chegando a Roma, e Roma aprendeu a tratar suas fontes periféricas de riqueza como divisões corporativas. Não importava quanto dinheiro chegasse, Roma sempre precisava de mais - pois era hora de reconstruir a Basílica de São Pedro e criar a vista moderna do Vaticano.

A renda das indulgências (garantias de favores de Deus) tornou-se uma fonte barata de riqueza rápida com pouco esforço. O marketing apresentava o que hoje são os call centers mas de uma maneira inigualável, porque eles chegavam nas pessoas com medo e as faziam doar dinheiro para indulgências e assim tornar o purgatório menos doloroso e possivelmente evitar o próprio inferno.

Em um caso clássico de excesso do mercado, o fracasso das indulgências foi fundamental para o desastre e levou a Igreja-em-Roma a perder o domínio da Igreja Católica no norte da Europa. Roma havia perdido a maioria de suas 400 dioceses do sul do Mediterrâneo para o Islã, "perdido" a Igreja Cristã Oriental para Constantinopla e perdido o norte da Europa para Lutero e o Protestantismo. As perdas de hoje no Hemisfério Norte e Sul são notícias para outra discussão.

A igreja em Roma acostumou-se a gastar quantias enormes de dinheiro. Para aliviar seu fluxo de caixa irregular pós-reforma, dependia cada vez mais de empréstimos, dos Fuggers, que eram renomados banqueiros internacionais e capitalistas de risco, e depois, com o avanço dos séculos, dos Rothschilds.

Internamente, a recompensa financeira vinha dos bispos favoritos e cardeais através de preferências papais: atribuições lucrativas a arquidioceses igualmente lucrativas, a sinecuras altamente pagas no Exército papal e outros serviços papais.

Através dos séculos, o que aconteceu na Igreja-em-Roma permaneceu na Igreja-em-Roma. Assim como a basílica envolvia a La Porziuncula de São Francisco, o Vaticano envolvia as paredes de sua casa em torno de seus erros financeiros e sexuais.

Tudo isso foi possível porque a Igreja-em-Roma era e é essencialmente um culto exclusivamente masculino: ornamentos, vestimenta ritual, preocupação com a minúcia, o objetivo do controle total - mais a misoginia e o sigilo. Durante séculos, os cliques errantes prevaleceram ou sobreviveram nas sombras do Vaticano. No geral, com a contabilidade interna desleixada ou inexistente e a aceitação de predadores sexuais, o Old Boys Club o Club dos Idosos, geralmente encontrava maneiras de se cuidarem um ao outro, cuidar de si ou olhar para o outro lado - exceto aqueles membros corajosos e obviamente ignorados em geral que buscaram a mudança e, no entanto, dado o sistema, podiam ser desconsiderado ou mesmo rejeitados.

Fazer a transição neste artigo do dinheiro para o sexo retorna o tópico para a pedofilia. Esse assunto foi difícil de escrever em 1985, e não menos agora; também era essencial cobrir em 1985, e não menos agora.

Uma maneira de voltar ao tópico é através de Leão X, o Papa de’Medici na época das 95 teses de Martin Lutero em Wittenberg. Há um debate entre historiadores sobre o caráter e a conduta de Leão. O historiador Michael Mullet argumenta que Lutero disse que Leão vetou uma restrição no número de meninos que os cardeais poderiam manter para fins sexuais.
Levantar a acusação de Mullet-Lutero-Leão afirma que a pedofilia nos círculos superiores da hierarquia centrada em Roma não era desconhecida naquela época ou no decorrer das eras e que foi sempre um tópico igualmente difícil e inflamado.

Agora adiciona o celibato à mistura. No século antes do nascimento de Francisco de Assis, Roma havia imposto o celibato obrigatório aos sacerdotes (Segundo o Concílio de Latrão, 1139). Por que o celibato? Dinheiro, como de costume.

O celibato já havia sido um presente que o monge ou clérigo em potencial poderia oferecer a Deus. Não foi um requisito. O primeiro Papa, Pedro, era um homem casado e os padres e bispos casados existiram pelos primeiros 1.100 anos da Igreja. Com o celibato como requisito para a ordenação, a Igreja-em-Roma havia imposto um limite à atividade sexual que muitos (ou talvez a maioria) dos homens acham extremamente difícil na prática.

A questão era dinheiro porque, sob a primogenitura, os filhos dos bispos e padres tinham uma reivindicação legal sobre a terra e as posses dos sacerdotes em "vida". O celibato destruiu isso de uma só vez - e contribuiu ainda mais para um problema existente de atividade sexual clerical.

Fora de Roma, ao longo dos séculos, nos seminários - como em muitas escolas religiosas e seculares de meninos e orfanatos - a situação era abundante: os excessos e uma situação de carreira atraente e possível para aqueles aliciados por essa forma de abuso como uma saída sexual-psicológica.

Eu era católico em uma escola de garotos anglicanos do século XVI. Era uma escola diurna, não um colégio interno com coletes engomados. Mas mesmo lá se ouvia os meninos anglicanos - em relação às suas próprias igrejas e paroquiais - ocasionalmente proferem advertências como: "você não entra sozinho no coro com o padre coadjutor".

A questão, no entanto, não é só evitar o problema. É o abuso, o abuso de muitos milhares de meninos e meninas, homens e mulheres jovens, por padres católicos em todo o mundo. O abuso roubou a inocência das vítimas, sua confiança e sua autoestima, enquanto as infligia com confusão sobre seu próprio desenvolvimento sexual.

Por mais grotesco que esse abuso seja, o encobrimento dos bispos é "um pecado que clama ao Céu por justiça", embora não conste da lista. Revela a podridão no centro de proteção da imagem da igreja. As revelações arremessaram uma pedra através da opacidade do vitral da igreja. Aquela janela que precisa ser substituída por um vidro comum.

Fora da nossa escola anglicana, os católicos tinham os beneditinos. Sabíamos que éramos uma religião minoritária (8%), que o catolicismo havia sido proscrito até o século anterior e que não tínhamos bispos até meados do século XIX (1850).

O que também aprendemos foi que, além de São Bento como modelo, tivemos três fiéis católicos ingleses do século XIX:

• O Cardeal John Henry Newman: "consciência em primeiro lugar".
• O Cardeal Henry Edward Manning: "os pobres e despossuídos".
• E, para voltar ao ponto apresentado no início da Primeira Parte: o historiador e amigo da rainha Vitória, Lord Acton, que declarou corretamente: "O poder tende a corromper e o poder absoluto corrompe absolutamente".

Que chega ao coração de "O que aconteceu com a Igreja Católica?" Alto e baixo, de pastor a Papa, através dos séculos "o poder tendia a corromper, e o poder absoluto corrompeu absolutamente".

É como foi, uma cultura de poder e corrupção. Como uma doença contagiosa, uma varíola, há grandes e pequenas pústulas de poder e corrupção. O gene maligno percorre quase dois milênios. A maneira como o sistema é configurado torna isso possível, faz com que ele floresça. A corrupção floresce de acordo com o grau de sigilo - e proteção.

É isso aí. Foi o que aconteceu com a Igreja Católica.
Muitas vozes podem contribuir para a forma de banir o sigilo na Igreja Católica. A maioria dos banimentos levaria apenas alguns golpes da pena papal.

O que fazer? Importar-se, para começar

Transparência em todos os níveis. Tomada de decisão pelo mais amplo espectro disponível, leigo e clerical.

Publiquemos todos os relatórios da igreja em todos os lugares, especialmente em Roma, e certamente em sua totalidade. Acrescentemos a exigência de que cardeais, arcebispos, bispos e padres enviem uma auditoria da suas próprias contas e valores e participações antes da aposentadoria. A maior parte do dinheiro que manipulam não é deles, embora muitos o tratem como tal.

O que mais? Admitam as mulheres aos mais altos cargos. Isso acabaria com o culto masculino e criaria um caos suficiente para alguns Conselhos resolverem.

Finalmente, homem ou mulher, permita que os padres se casem. Isso acontecerá ou algo acontecerá?

Post-scriptum:

Eu tenho um jovem amigo que recentemente saiu para estudar para o sacerdócio. Sentado ao lado dele em um banco de igreja no dia de sua partida, eu disse a ele que neste tempo de incerteza em Roma, além da ascensão do fundamentalismo católico nos Estados Unidos, e em outros lugares, "Você e aqueles como você, podem ter que viver como os monges dos séculos V e VI da atualidade, vislumbres de luz em uma nova Idade das Trevas, sobrevivendo no equivalente moderno das ilhas e bordas anteriores das enseadas, mantendo a verdadeira chama acesa e viva".


National Catholic Reporter - Tradução: Ramón Lara

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas