Brasil Política

07/11/2018 | domtotal.com

Críticas ao PT

O PT não fez a autocrítica para "preservar votos" e, mesmo assim, perdeu.

Dizer que o PT 'cometeu erros' é bondade. O partido de Lula foi longe nos acordos e cambalachos com seus parceiros da Nova República.
Dizer que o PT 'cometeu erros' é bondade. O partido de Lula foi longe nos acordos e cambalachos com seus parceiros da Nova República. (Lula Marques/Agência PT)

Por Reinaldo Lobo*

Quando se faz uma crítica ao PT, seus militantes mais aficionados respondem que isso é “fazer o jogo da direita”, não importa quem a faça. Consideram qualquer crítica, venha de onde vier, “inoportuna”. Ora, toda crítica é incômoda, independente do momento em que é feita. A questão é se pode ser verdadeira e se tem consequências positivas. Permitam-me citar Shakespeare: “A verdade é um cachorro que tem de ficar preso no canil. E deve ser posto para fora a chicotadas...”

A sugestão do filósofo norte-americano Noam Chomsky – salvo engano, insuspeito de pertencer à direita--, de se formar dentro da própria esquerda uma “comissão da verdade” para avaliar “os erros do PT”, vem num momento em que o partido perdeu uma eleição e, apesar da grande votação, temos consciência da grande rejeição oculta nessa votação por parte dos eleitores que apenas queriam evitar Bolsonaro. Todos sabemos também que inúmeras pessoas à esquerda já haviam feito a sugestão de uma autocrítica petista, pois essa atitude só fortaleceria o partido internamente e junto ao eleitorado.

A cúpula partidária, a começar por Lula, nunca aceitou uma posição de humildade, de submissão ao julgamento dos fatos, de reflexão ou de exposição das mazelas surgidas ao longo da Operação Lava Jato e mesmo antes, por ocasião do mensalão. Se houve autocrítica foi muito interna, quase secreta. Sua alegação sempre foi que isso fortaleceria o adversário à direita e que negaria tudo de bom que o PT fez para os trabalhadores, os pobres e pelo País.

Ora, vamos por partes. “Favorecer o adversário” : o PT não fez a autocrítica para “preservar votos”  e, mesmo assim, perdeu. Houve um momento em que o candidato Fernando Haddad esboçou um afastamento das mazelas partidárias e sua popularidade subiu nas pesquisas. Por isso mesmo, ainda tem o respeito de parte do eleitorado e poderá tentar novos voos políticos. Além disso, sempre que um partido perde uma eleição – qualquer partido—é saudável que dedique um tempo à reflexão sobre os equívocos que cometeu e, principalmente, sobre sua maneira de governar.

O segundo argumento, o mais forte, segundo o qual a autocrítica poderia fazer obscurecer o que o PT fez de bom, precisa de consideração mais detida. De fato, o partido fez coisas boas, a maioria nunca feitas antes. Os exemplos são uma longa lista: a agricultura familiar forte; o fortalecimento do crédito popular e das cooperativas de pequenos produtores; a preservação dos direitos trabalhistas – o que não foi pouco, e custou uma enorme resistência aos lobbies empresariais que hoje apoiam Temer e Bolsonaro--; a ressurreição do Nordeste, que hoje agradece com votos e fidelidade; a consistência na manutenção da democracia nacional; a legislação que permitiu a investigação da corrupção; a autonomia da Policia Federal e das Procuradorias ( o juiz Sergio Moro deve a Dilma sua carreira de “paladino da Justiça”, graças à instituição da delação premiada em seu governo); a redistribuição de renda não só via créditos, mas também dos programas sociais bem conhecidos, com destaque ao Bolsa Família, que até o governo de extrema direita de Temer-Bolsonaro hesita em anular; a política externa pacificadora que garantiu identidade, dignidade internacional e respeito ao Brasil; e muitas outras.

A direita insiste em dizer que tudo aconteceu graças ao governo de FHC, o que é uma outra grossa mentira-- esse governo quebrou mesmo por três vezes o País, a desigualdade social cresceu cerca de 35%, assim como o desemprego, sua política externa era bilateralista, ignorou o Terceiro Mundo e se submeteu docilmente a Bill Clinton e ao neoliberalismo então imperante. Ao contrário do que dizem as más línguas, Lula colocou o Brasil na posição de manter 40% de seus negócios externos com os EUA (com a Venezuela e Cuba foram menos de 2%) e com o restante do mundo, como África e Ásia, sobretudo com a China.

Tudo isso – e, repito, não é pouco—não justifica o que o partido andou fazendo ao se relacionar com gente como o deputado Roberto Jefferson no mensalão, comprando votos par aprovação de projetos no Congresso ou com o “pragmatismo” aventureiro do ex-guerrilheiro José Dirceu nos tratos com a Petrobrás. A teoria simplista de que “o fim justificam os meios” ignora que, numa política socialista, significa invalidar os fins.

Dizer que o PT “cometeu erros” é bondade. O partido de Lula foi longe nos acordos e cambalachos com seus parceiros da Nova República, em nome de alcançar e manter o poder. Os casos que ocorreram não são dignos de um partido socialista, cujo objetivo, entre outros, é combater a corrupção capitalista, e não aderir a ela.

O principal argumento dos defensores da teoria “pragmática” de Lula e Dirceu é que, se não tivessem recorrido aos meios correntes na Nova República (“afinal, todos faziam e não havia meio de sobreviver sem isso”.) não teriam chegado sequer à Presidência. Ora, houve também abusos pessoais de personagens mais ou menos importantes, como Palocci, o pequenino Silvio Pereira e sabe-se lá quem mais nos quadros intermediários.

Dizer que Palocci foi um traidor, depois das delações, não resolve. Por que se permitiu que tudo  ocorresse nas barbas de Lula. E as relações de Lula com a Odebrecht? Ela era parceira, é verdade, de muitos governos anteriores, desde a Ditadura civil-militar, mas isso também não justifica o PT ter-se aconchegado no interior de um Sistema corrupto (como, aliás, tenho dito aqui há muito tempo e já dizia em 2005).

Quem disse que o PT não conseguiria ajudar os pobres ou mesmo chegar ao poder, se se mantivesse menor e combativo como era em seus princípios? Teria a oportunidade, mesmo não se tornando poderoso nacionalmente logo de início, de ir dando o exemplo em programas menores, localizados em municípios e estados, formulados com a sua pressão nos parlamentos. Houve um tempo, no Rio Grande do Sul, que os deputados e prefeitos eleitos pelo PT criaram os orçamentos participativos, de grande repercussão e eficiência. Ajudaram, inclusive, em gerar sistemas de transparência adotados por todos os partidos perante o eleitorado.

A fantasia de uma mudança global, em escala federal, foi instaurada a partir da ambição de poder de alguns líderes da cúpula. Essa cúpula deve ser criticada e responsabilizada, inclusive, pela derrota na eleição presidencial de 2018, pois demorou demais a assumir que precisaria unir-se a outras forças para barrar a direita. Quando fez isso, já era tarde e não se pôde evitar a avalanche em que tentam enterrar a esquerda brasileira, toda ela, mesmo a independente, sob a arrogância e repressão de fascistas e reacionários de todo tipo.

Se o PT tiver a coragem coletiva de se autocriticar e de se renovar, seus militantes e simpatizantes poderão dizer, talvez mais cedo do que imaginam, algo que li no pórtico de uma floricultura: “Tentaram nos enterrar. Não sabiam que éramos sementes.”

*Reinaldo Lobo é psicanalista e articulista. Tem um blog: imaginarioradical.blogspot.com e uma página pública no Facebook: www.facebook.com/reinaldolobopsi.

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas