;
Religião

08/11/2018 | domtotal.com

A Igreja deve resistir à ascensão da xenofobia, diz cardeal

O cardeal Blase Cupich observou que 'nos Estados Unidos e em todo o mundo há uma crescente xenofobia'.

O arcebispo Blase Cupich fala em uma coletiva de imprensa depois de chegar ao Aeroporto Internacional O'Hare, em Chicago, em 13 de novembro.
O arcebispo Blase Cupich fala em uma coletiva de imprensa depois de chegar ao Aeroporto Internacional O'Hare, em Chicago, em 13 de novembro. (CNS photo/ Karen Callaway)

Por Gerard O'Connell*

Em entrevista à America após o fim do Sínodo sobre jovens adultos, o Cardeal Blase Cupich falou sobre o método sinodal chamada pelo Papa de “sinodalidade”, as formas sexuais e outras formas de abuso de menores, o papel das mulheres na igreja e a migração. Ele também falou sobre a ascensão da xenofobia, a demonização das pessoas por líderes políticos em todo o mundo que podem levar à violência e como a igreja deve responder a esses desenvolvimentos de uma maneira profética.

Falando em 28 de outubro, depois que o sínodo terminou e após o tiroteio na sinagoga da Árvore da Vida em Pittsburgh, em 27 de outubro, o cardeal lembrou que a “migração” foi um dos maiores problemas do sínodo.

O documento final do Sínodo declarou que, em relação à questão da migração, “a igreja deve ser profética”. Comentando sobre isso, disse o cardeal Cupich, “ouvimos isso de muitos jovens que conhecem seus pares que estão migrando por causa da guerra e da pobreza, mas também agora por causa do meio ambiente e das mudanças climáticas. As pessoas vão ter que deixar suas casas porque não podem mais morar nelas. Esses jovens querem que a igreja assuma um papel de liderança e seja a voz dos que não têm voz”.

O cardeal observou que “nos Estados Unidos e em todo o mundo há uma crescente xenofobia, e os jovens são repelidos pelos esforços para demonizar as pessoas, o que só diminui a dignidade humana dessas pessoas que estão apenas tentando melhorar suas vidas”.

Referindo-se ao tiroteio na sinagoga da Árvore da Vida, o cardeal disse que, embora a tragédia tenha sido anti-semita, “também era anti-imigrante” porque “os atacantes foram atrás deles também por causa do trabalho de imigração que estavam fazendo”.

Cupich disse: “Essa retórica corrosiva contra as pessoas que são diferentes por causa da maneira como rezam, de onde vêm ou de sua raça, é insalubre e injusta e acaba se transformando em atos reais de violência - como vemos neste caso, um homem se sentiu justificado para entrar e matar 11 pessoas em uma sinagoga”.

No começo do dia, no Angelus, o Papa Francisco havia denunciado a “violência desumana” em Pittsburgh e disse: “precisamos extinguir aqueles focos de ódio”. O cardeal Cupich concordou. Mas ele também disse que mais precisa ser feito: “Sim, precisamos suprimi-los, mas também precisamos falar energicamente com as autoridades eleitas de que eles não devem, de forma alguma, dar um sinal que justifique esse tipo de linguagem ou ação. Esse é o problema que estamos enfrentando”.

Ele apontou que, como igreja, devemos chamar a atenção sobre a retórica xenófoba dos líderes políticos. Ele disse: “Não se trata apenas de apagar essa raiva que está presente. A igreja realmente tem a responsabilidade de apontar a intolerância, o racismo e o anti-semitismo e chamar a atenção daqueles que são eleitos quando tentam explorar os medos das pessoas que eventualmente pode acabar em explosões de violência”.

O cardeal de Chicago lembrou que o sínodo também discutiu o abuso de menores pelo clero e disse: “Eu venho de um país onde a questão dos abusos está muito viva e por boas razões. Temos que ter certeza de que estamos criando um ambiente seguro para os jovens e alcançando os jovens que foram feridos, mas também tentando reconstruir a confiança sendo transparentes e responsabilizando as pessoas. Nós temos que fazer todas essas coisas”.

Os jovens do Sínodo deram voz a outras questões também, disse ele, incluindo “como o mundo adulto está tomando decisões que colocam seu futuro em risco, decisões relativas à imigração, a exploração de seus recursos naturais de forma corrupta, desemprego, o futuro a guerra e a intervenção militar para resolver conflitos que acabam deixando gerações e gerações pagando o preço daquela guerra e a grande pobreza em todo o mundo”.

No sínodo, ele ouviu os jovens que vivem em comunidades insulares. Eles percebem que “em 10 ou 20 anos algumas ilhas vão desaparecer por causa da mudança climática e do contínuo aumento do nível do mar”. Ele disse: “Os jovens pediram aos bispos que falassem sobre essas questões, que emprestassem nossa voz para que suas preocupações possam ser ouvidas”.

O Cardeal Cupich lembrou que a questão do papel da mulher na igreja “surgiu bastante” e “foi levantada não apenas pelas mulheres, mas também pelos jovens do sínodo”. Ele se alegrou com o fato de o documento final “falar sobre as mulheres estão envolvidas na tomada de decisões na vida da igreja”. Ele considerou isso como “um grande passo adiante”, mas reconheceu que “mais coisas precisam ser feitas”. Ele lembrou que durante seus 20 anos como bispo em três dioceses, “Eu sempre tive mulheres em minhas administrações, e posso dizer que elas me salvaram de tomar algumas decisões erradas e idiotas; elas meio que me puxaram do precipício e me deram uma visão diferente. Elas olham para a vida de maneira diferente,  têm uma maneira diferente de abordar as coisas, e eu acho que a igreja precisa se beneficiar disso”.

Ele disse que abrir as portas na tomada de decisões para as mulheres na igreja “não é apenas uma questão de tolerar as mulheres. Isso nunca deve ser a abordagem. Deve ser uma questão de ver que as mulheres olham para a vida de uma forma que é uma dádiva”. O Papa Francisco já colocou algumas mulheres em tais papéis na Cúria Romana, acrescentou, mas “outras coisas precisam ser feitas”.

Questionado sobre o que ele fez em Chicago nessa frente, o cardeal disse que colocou as mulheres “em posições importantes. Uma mulher dirige a Arquidiocese de Chicago diariamente, ela é a chefe de operações”, o que significa que “diariamente, quando se trata de qualquer decisão institucional sobre a Arquidiocese de Chicago, ela é quem controla isso. Ela trabalha comigo, mantém-me informado, mas também é uma das que toma a iniciativa de criar a organização que é necessária na arquidiocese, em questões de finanças até as questões pessoais, passando pelas questões jurídicas, e das comunicações. Ela faz um ótimo trabalho”.

Ele assinalou, também, que “muitos bispos contam com mulheres em suas dioceses nos principais papéis de decisão e na maioria das paróquias dos Estados Unidos” e observou que “a maioria das pessoas envolvidas na vida paroquial são mulheres”. Ele lembrou que o documento final do sínodo diz: “precisamos colocar as mulheres em posições, não apenas em posições onde estão já estão de fato presentes, mas onde elas têm uma contribuição na tomada de decisões. Isso é novidade sobre este documento”.

Enquanto se preparava para retornar a Chicago, ele disse aos Estados Unidos: “Eu saio do Sínodo com muita esperança porque os jovens tiveram a chance de ver em primeira mão como a igreja pode ser a igreja para eles avançarem para o futuro. Eles receberam uma visão do que a vida da igreja poderia ser através da lente da sinodalidade”. Muitos jovens disseram a ele “que eles nunca pensaram sobre a igreja nestes termos” e que “os anima no caminho de continuarem a desenvolver a vida da igreja, através de sua participação, da interação uns com os outros, de dar ouvidos ao Espírito que está trabalhando no meio deles”.

Cupich disse que muitos jovens lhe disseram que ficaram comovidos ao ver que o Papa Francisco “tem essa compreensão criativa e imaginativa da Igreja, que nunca haviam pensado antes”. O Papa Francisco disse que “o primeiro fruto” do sínodo não é o documento final; antes, é o modelo, o método de ouvir, discernir e alcançar conclusões para o ministério pastoral. Perguntado se o método sinodal é um modelo que pode ser transferido para a igreja dos EUA, o cardeal disse: “Eu vejo isso como possível na minha própria diocese de Chicago.

Neste momento estamos no meio de um processo chamado 'Renew My Church', no qual começamos primeiramente ouvindo as pessoas, envolvendo-as”. Ele acredita que “a abordagem que tivemos no sínodo é particularmente relevante para o que estamos fazendo na Arquidiocese de Chicago. Ele enriquece o que já estamos fazendo”. Ele disse: “O Papa Francisco nos deu uma compreensão muito mais profunda de por que isso é tão importante, por que esse é o caminho do Espírito que provavelmente não apreciamos plenamente no passado”.

O cardeal Cupich participou do sínodo de 2015 sobre a família, mas descobriu que “foi completamente diferente” e “a diferença foi feita pelos jovens participantes”. Durante todo o sínodo, ele disse: “eles nos envolveram nos coffee breaks, fizeram intervenções, escutaram as intervenções dos bispos, bateram palmas, aplaudiram, estiveram presentes para a votação”. E ainda acrescentou: “Durante todo o sínodo houve um diálogo com os jovens de todas as maneiras, de modo que os bispos não estavam presentes apenas para tomar decisões por conta própria, vivendo em sua própria bolha, mas eles estavam sendo engajados e engajando esses jovens de uma forma que trouxe um frescor às nossas deliberações que nunca vimos em um sínodo antes”.

Refletindo sobre este sínodo e os anteriores, o arcebispo de Chicago observou: “a qualidade internacional do sínodo é algo que realmente não desembrulhamos ainda”. Ele explicou: “há grandes pontos fortes nessa qualidade internacional porque ouvimos de outras pessoas, mas também mostra que há um potencial para diferentes visões que, se não as negociarmos corretamente, poderiam nos dividir”. Assim, no sínodo, “nós sempre temos que manter em tensão o fato de que as pessoas têm diferentes vidas e igrejas que são válidas e, ao mesmo tempo, temos que procurar uma maneira de permanecermos juntos”.

Por essa razão, ele disse, “o princípio do papado é tão importante na vida da igreja, porque temos alguém que nos permite, nos dá a liberdade de expressar essas diferenças, mas também o faz como Cristo o fez e o Papa Francisco lembra: “insistia constantemente que abordássemos nossa interação com mentes abertas e corações abertos”, mas então os padres sinodais têm que aprender “como lidamos com a diversidade e as tensões e, ainda assim, ao mesmo tempo, perceber que, ainda mais importante do que as diferenças, é a unidade que compartilhamos”.

Nesse ponto, ele observou que “a primeira marca da igreja, que expressamos no credo, é que somos 'um'”, e ele enfatizou que "é o Papa quem garante essa unidade".

Refletindo sobre esse sínodo, ele comentou: “Parece-me que vamos ter diferenças porque viemos de lugares diferentes, mas eu diria que todos naquela sala tinham um compromisso com a unidade; ninguém queria quebrar essa unidade, mesmo que não conseguisse o que queriam, ou a votação não ficasse como eles queriam. "Ele considerou isso fundamentalmente importante”.

Alguns padres sinodais, como o cardeal Oswald Gracias, disseram aos Estados Unidos que, por causa de sua “natureza universal”, veem o documento final como “um rascunho de texto” que deve ser adaptado nos níveis das igrejas nacionais e locais. O cardeal Cupich concorda. "Não é uma conclusão, é um trampolim pelo qual podemos avançar a partir daqui", disse ele, acrescentando que deve ser "levado em consideração com o documento de trabalho [instrumentum laboris] porque eles são complementares uns aos outros".
Ele disse que os bispos levam para casa não apenas o documento, mas o processo, o método que o produziu para que possa ser replicado e ter um impacto em suas dioceses de origem.


America Magazine - Tradução: Ramón Lara

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas