;
Religião

07/12/2018 | domtotal.com

A Igreja espera por um espaço na conferência sobre clima COP24 na Polônia

Desde a Laudato Si, de 2015, diversos líderes mundiais foram ao Vaticano para conversar com o pontífice sobre questões ambientais.

Fumaça sobe das chaminés da principal central elétrica a carvão da Sérvia perto de Kostolac, em 3 de outubro de 2018.
Fumaça sobe das chaminés da principal central elétrica a carvão da Sérvia perto de Kostolac, em 3 de outubro de 2018. (Darko Vojinovic/ AP)

Por Charles Collins*

LEICESTER, Reino Unido - Uma conferência internacional destinada a implementar o Acordo de Paris de 2015 sobre a mudança climática é um sinal de que a comunidade internacional terá uma “resposta mais urgente”, diz um bispo inglês.

O Acordo de Paris, patrocinado pela ONU, visa limitar o aumento das temperaturas mundiais em 1,5 °C em relação aos níveis atuais. A Conferência da ONU sobre Mudança Climática (COP24), realizada de 3 a 14 de dezembro em Katowice, Polônia, reúne líderes mundiais para discutir os detalhes da implementação do acordo, que deve entrar em vigor em 2020.

A Conferência dos Bispos Católicos da Inglaterra e do País de Gales emitiu uma declaração antes da reunião pedindo "uma implementação ambiciosa do Acordo de Paris".

“Estamos apenas acordando para isso, não é? Mas a COP24 está nos dando uma indicação clara de que o tempo está acabando”, disse o bispo John Arnold, de Salford, porta-voz dos bispos ingleses para questões de ambiente.

Leia também:
* Igreja Católica leva apelo global contra os efeitos das alterações climáticas à COP24
* Cop24. Apelo do CMI a líderes políticos: criação não está à venda


As Nações Unidas emitem um alerta sobre o aquecimento global

O IPCC, ou Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), emitiu um relatório em outubro que destacou uma série de impactos da mudança climática que poderiam ser evitados limitando o aquecimento global a 1,5 °C menos, comparado a 2 °C de aumento atual.  Também parece importante pensar na diferença de 10 cm no esperado aumento dos oceanos; uma chance de salvar os recifes de coral; e uma redução geral do impacto sobre os ecossistemas, a saúde humana e o bem-estar.

No mês passado, a Organização Meteorológica Mundial (OMM) alertou que, sem cortes rápidos no dióxido de carbono e outros gases do efeito estufa, as mudanças climáticas terão “impactos cada vez mais destrutivos e irreversíveis na vida na Terra”.

"A última vez que a Terra experimentou uma concentração comparável de CO2 foi de três a cinco milhões de anos atrás, quando a temperatura era de 2 a 3 °C mais quente e o nível do mar era 10 a 20 metros mais alto do que agora", disse Petteri Taalas, Secretário-Geral da OMM.

Falando na segunda-feira em Katowice, o naturalista David Attenborough alertou os líderes mundiais que eles estão enfrentando um "desastre causado pelo homem em escala global".

"Se não tomarmos as medidas certas, o colapso de nossas civilizações e a extinção de grande parte do mundo natural está no horizonte", disse ele.

"David Attenborough falando na COP24... nos disse que estamos em uma posição muito séria e que temos que agir", disse Arnold.

"Não estamos sem tempo, mas temos que ter certeza de que não perderemos mais tempo e reconheceremos o que temos que fazer", disse o bispo a Crux.

As expectativas são altas para a COP24

O tempo é essencial em Katowice, uma vez que o acordo de Paris estabeleceu um prazo até o 31 de dezembro de 2018 para o estabelecimento de procedimentos e regras para implementar o acordo de 2015.

"Algumas dessas conferências são sobre grandes decisões, e algumas delas são sobre como implementar essas grandes decisões - e esta conferência é sobre como você as implementa", disse Neil Thorns da CAFOD, a agência de desenvolvimento e ajuda externa dos bispos ingleses e galeses.

“Nossas expectativas são de que os governos reconheçam a urgência da situação, reconheçam que é mais uma questão moral do que técnica - as soluções estão no relatório [do IPCC] e foram bem documentadas - significa apenas uma questão de ação e ambição para os governos que devem fazer isso para esta geração e também para as gerações futuras”, disse Thorns a Crux.

No entanto, o acordo de Paris sofreu um grande golpe em 1º de junho de 2017, quando o presidente Donald Trump disse que os Estados Unidos não mais participariam do processo; sofreu um novo impacto neste ano, quando o recém-eleito presidente brasileiro Jair Bolsonaro indicou que o maior país da América do Sul poderia seguir o exemplo de Trump.

Com os partidos populistas em ascensão em todo o mundo, há dúvidas se outros países - especialmente aqueles que acham que o mundo ocidental está fechando a porta para eles quando se trata do progresso industrial - também podem decidir que o acordo de Paris não é de interesse nacional.

"É uma preocupação séria", disse Michael Kuhn, conselheiro sênior em ecologia e sustentabilidade da COMECE, a comissão para conferências de bispos na União Europeia.

“O grande problema é que você tem que se perguntar é por que eles tomaram partido em decisões fora dos acordos? É porque veem o ambiente como uma ameaça, ou elegeram essa opção porque têm outros medos?”, Disse Kuhn.

Thorns disse que a situação com os Estados Unidos e o Brasil "não pode ser ignorada", mas ele está menos preocupado com o efeito sobre o acordo de Paris.

“O Acordo de Paris é um acordo muito mais forte do que [os Estados Unidos e o Brasil], mas também acho que há maneiras de moldar a forma como esses países estão pensando”, disse o representante da CAFOD.

“No ano que vem, por exemplo, o papa convocou o sínodo sobre o futuro da Amazônia, e acho que é uma oportunidade fantástica para a Igreja Católica pensar em como proteger esse coração do planeta, algo em que todos confiamos as nossas vidas diárias”, disse Thorns.

Laudato Si, a Igreja e COP24

A Igreja Católica desempenhou um papel maior do que o habitual no processo climático da ONU. O Papa Francisco lançou sua encíclica ecológica Laudato Si, de 2015, antes da reunião de Paris, em um esforço para guiar as negociações, e desde então um desfile de líderes mundiais foi ao Vaticano para conversar com o pontífice sobre questões ambientais.

"Encíclicas são destinadas a colocar um espelho frente a nossa sociedade para perceber como estamos diante de alguns desses grandes desafios que nos convocam, e como a nossa fé e o ensino social católico pode nos guiar na forma de lidar com eles", disse Thorns.

Ele também apontou que a Laudato Si estava baseada no trabalho anterior dos papas São João Paulo II e Bento XVI, mas Francisco enfatizou o conceito de uma "ecologia integral" que não pode ser separada de outras questões.

“O papa está integrado em todas as decisões que tomamos em nossas vidas: a economia, a política, como vivemos nossas vidas, o que fazemos, onde fazemos compras. Acho que isso realmente trouxe à nossa fé muito mais conteúdo, porque a questão é apontar que não é algo que está separado da nossa fé, é absolutamente parte da nossa fé, e devemos pensar nisso em nossa espiritualidade do dia-a-dia”, disse Thorns ao Crux.

Kuhn disse que a encíclica "mostra a complexidade de toda a questão, como as coisas estão ligadas e entrelaçadas".

“Este é o elemento positivo. O elemento difícil para muitos políticos na Laudato Si porque a encíclica tem um sentido muito claro sobre as coisas que precisam mudar... e os políticos se tornam cada vez mais hesitantes em acompanhar a Laudato Si”, apontou Kuhn.

Também observou que em 28 de novembro, no período que antecedeu a COP24, a União Europeia se comprometeu a alcançar uma economia neutra em carbono até 2050.

“Espero que a União Europeia possa não apenas exigir, mas também fazer propostas concretas sobre como alcançar esses objetivos até 2050, porque se você pretende alcançá-los até o ano 2050, já deveria ter começado há algum tempo, pelo menos tem que começar agora”, disse ele.

No entanto, Kuhn disse que isso significa mais do que mudar o combustível usado pelas nações europeias.

“Não se trata apenas de falar de carvão e de como podemos criar nossa energia, mas de como podemos transformar nosso sistema para que finalmente tenhamos um estilo de vida sustentável, que incorpore não apenas a energia, mas o transporte, a comida, etc.” disse a Crux.

Para os católicos, isso significa levar a sério o ensino social ecológico da Igreja, e Kuhn também apontou que não viu isso acontecer.

A Laudato Si, de uma forma ou de outra, ainda não foi operacionalizada nem está sendo concreta e nem muito praticamente usada em paróquias e outros grupos de base, as pessoas são chamadas não apenas a lerem o documento, mas a tirarem conclusões bastante concretas sobre como colocar isso em prática”, disse ele.

Colocando a fé em ação no meio ambiente

Os bispos da Inglaterra e do País de Gales têm tentado fazer isso com o Global Healing, um evento baseado em filmes para paróquias, grupos e indivíduos com um curso de acompanhamento disponível que pode ser vinculado aos tempos litúrgicos como a Quaresma ou o Advento.

Arnold disse a Crux que os bispos estão recebendo "respostas muito práticas e boas" daqueles que assistem a Global Healing, mas não são "suficientemente difundidas".

"Não estamos vendo a urgência disso", disse o bispo. "Precisamos levar essa questão muito mais a sério, porque os indivíduos podem fazer a diferença e as comunidades certamente podem fazer parte da resposta às mudanças climáticas".

Arnold disse estar "satisfeito" em ver a cobertura da conferência sobre o clima - "A COP24 chegou às manchetes" - e espera que isso signifique que as pessoas sentirão a "urgência" em relação ao meio ambiente.

“Mas não podemos esperar. Eu acho que nós realmente temos que ver a urgência e o imediatismo de fazer algo para começar um processo de cura para o nosso planeta tão danificado”, disse o bispo.


Crux - Tradução: Ramón Lara.

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas