Religião

17/01/2019 | domtotal.com

O Papa e os 'espinhos' ortodoxos

Divisões da ortodoxia comprometem as viagens de Francisco na Europa Oriental , onde as Igrejas estão começando a tomar partido em relação à 'crise ucraniana'.

Patriarca Bartolomeu e Metropolita Epiphany durante o Tomos na cerimônia de entrega da autocefalia.
Patriarca Bartolomeu e Metropolita Epiphany durante o Tomos na cerimônia de entrega da autocefalia. (Reprodução/ La Stampa - Vatican Insider)

Por Gianni Valente*

As próximas viagens na agenda do papa Francisco estão fatalmente destinadas a atravessar a tempestade que está abalando as Igrejas Ortodoxas de origem bizantina. Uma tempestade até agora concentrada na Ucrânia, mas que em breve poderia alargar-se sugando em seu vórtice outras lacerações - latentes ou aclamadas - já marcando o corpo de toda a Ortodoxia.

O quebra-cabeça macedônio

O anúncio oficial da visita do Papa Francisco à Romênia (em 31 de maio a 2 de junho) foi recentemente divulgado. Mas primeiro, no mesmo mês tradicionalmente dedicado a Nossa Senhora (5-6 de maio), o bispo de Roma fará uma rápida viagem à Bulgária e Macedônia, pousando em uma das falhas onde as tensões dentro da igreja ortodoxa são mais veementemente descarregadas.

Ao longo da história, as comunidades ortodoxas dos atuais territórios da Macedônia foram submetidas à jurisdição da Igreja búlgara e depois à jurisdição direta do Patriarcado Ecumênico, antes de passar - das primeiras décadas do século XX em diante - sob a direção da Igreja Ortodoxa.

Igreja Ortodoxa Sérvia

Em 1967, os metropolitanos macedônios decidiram romper com o patriarcado sérvio e proclamar sua autocefalia (independência). Desde então, e até agora, nenhuma outra Igreja Ortodoxa reconheceu a legitimidade canônica da Igreja Ortodoxa Macedônia "cismática". Nos últimos anos, os cristãos ortodoxos macedônios tentaram se reconectar ao menos com a Igreja búlgara, declarando-se dispostos a reconhecê-la como sua própria "Igreja-mãe".

Até o final de maio de 2018, quando a controvérsia entre Constantinopla e Moscou sobre o projeto de autocefalia da Ortodoxia Ucraniana já havia começado, o Patriarcado Ecumênico de Constantinopla anunciou sua intenção de assumir também a "questão macedônica" (depois de receber uma carta em que o primeiro-ministro da Macedônia, Zoran Zaev, declarou que apoiava o pedido de autocefalia vindo dos eclesiásticos de seu país).

Agora, todos os membros do Sínodo do Patriarcado de Constantinopla assinaram o decreto concedendo autocefalia à nova Igreja Ortodoxa Ucraniana que, atualmente, independente do Patriarcado de Moscou, faz os representantes da Igreja Ortodoxa Sérvia especularem (e temerem) que o mesmo esquema possa ser repetido na Macedônia, com o Patriarca Ecumênico disposto a relegitimar canonicamente os ortodoxos "cismáticos" macedônios e conceder-lhes plena independência do Patriarcado Sérvio.

Talvez seja também por isso que o patriarca ortodoxo sérvio Irinej foi até agora um dos principais e mais determinados ortodoxos a tentar esmagar a concessão da autocefalia à Igreja Ortodoxa Ucraniana, chamando em sua mensagem de Natal de "chauvinistas furiosos, os russófobos, liderados por Políticos corruptos que com a ajuda de Uniates e, infelizmente, com a participação não canônica do Patriarcado de Constantinopla, aprofundaram e difundiram os cismas existentes e colocaram seriamente em perigo a unidade da Ortodoxia em sua totalidade".

Em relação ao novo intervencionismo do Patriarcado Ecumênico nas situações polêmicas que alimentam o conflito e afastam da comunhão ortodoxa grandes grupos de fiéis - como tem acontecido há décadas nos casos citados na Ucrânia e na Macedônia - vários analistas chamaram a atenção para uma passagem incluído no Tomos sobre a independência ou  autocefalia para a Ucrânia, que parece reconhecer prerrogativas robustas da Constantinopolitana.

Guia e orientação para as Igrejas Ortodoxas individuais

"No caso de grandes questões de natureza eclesiástica, doutrinal e canônica", lê-se no decreto que concede autocefalia à Igreja Ortodoxa Ucraniana "a Igreja Metropolitana de Kiev e de toda a Ucrânia deve, em nome do Santo Sínodo de sua Igreja, dirigir-se ao nosso mais sagrado Trono Patriarcal e Ecumênico, buscando sua opinião e autoridade e seu apoio final".

Algumas reações e dúvidas surgiram após a entrega dos Tomos sobre a autocefalia para a Igreja Ortodoxa Ucraniana pelo Patriarcado Ecumênico, um apoio explícito ao nascimento da nova Igreja Ucraniana foi expresso pelo Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, que em um comunicado datado de 11 de janeiro descreveu como "uma conquista histórica a forma como a Ucrânia procura traçar seu próprio futuro".

O Arcebispo Maior Sviatoslav Shevchuk, Primaz da Igreja Católica Grega Ucraniana, também saudou com grande emoção o nascimento da Igreja Ortodoxa Autocéfala Ucraniana, valorizando-a como um passo positivo para a restauração da plena comunhão entre todas as Igrejas Ucranianas: "Hoje - como disse em uma entrevista a autoridade dos greco-católicos ucranianos sobre o manifesto - é necessário fazer todos os esforços não apenas para superar a divisão dentro da Ortodoxia Ucraniana, mas também para seriamente teologizar, orar e trabalhar para restaurar a unidade original da Igreja de Kiev em seus ramos ortodoxos e católicos. E o UGCC tem a memória mística da Igreja do cristianismo indiviso do primeiro milênio. Embora hoje vivamos em plena comunhão com o sucessor do Apóstolo Pedro, consideramos de maneira especial na atualidade a nossa Igreja-mãe, a Igreja da antiga Constantinopla”.

Enquanto isso, as outras Igrejas Ortodoxas, além do Patriarcado de Moscou, ainda não expressaram a proclamada autocefalia da Igreja Ortodoxa Ucraniana legitimada pelo pronunciamento de seus respectivos sínodos. Algumas igrejas ortodoxas, como a da Grécia, anunciaram que a questão será abordada nas próximas reuniões sinodais de seus bispos.

Algumas autoridades já expressaram oposição à maneira pela qual a autocefalia foi concedida, despertando o alarme sobre suas possíveis consequências. Yohanna X, Patriarca da Igreja Ortodoxa Grega de Antioquia, escreveu em 31 de dezembro uma carta dirigida a Bartolomeu, na qual convidou o Patriarca Ecumênico a "não tomar nenhuma decisão que não expressasse o consentimento das Igrejas Ortodoxas Autocéfalas", lembrando que "não é razoável pôr fim a um cisma às custas da unidade do mundo ortodoxo".

Após a entrega dos Tomos, ou decretos sobre a autocefalia para a Epifania Metropolitana Ucraniana, os esforços de persuasão das partes envolvidas também se concentraram no Patriarcado de Jerusalém: alguns bispos da nova Igreja Autocéfala Ucraniana anunciaram sua intenção de visitar a Terra Santa na esperança de concelebrar com o patriarca ortodoxo grego Theophilos e com outros bispos do Patriarcado de Jerusalém, também para atestar sua legitimidade canônica.

Nem mesmo o Santo Sínodo do Patriarcado de Jerusalém emitiu até agora declarações públicas sobre os desenvolvimentos finais da crise ucraniana. Mas anteriormente, o próprio patriarca Teófilo sempre havia indicado o Metropolitan Onufry, chefe da Igreja Ortodoxa Ucraniana canonicamente ligado ao Patriarcado de Moscou, como o único primaz ucraniano legítimo, que permaneceu do lado de fora - com seus noventa bispos - o "Conselho de Unificação" que em 15 de dezembro elegeu a Metropolita Epiphany como a autoridade da "nova" Igreja autocéfala ucraniana.

Nos últimos dias, o próprio Teófilo reuniu-se novamente com o metropolita Hilarion de Volokolamsk, chefe do departamento de relações externas do Patriarcado de Moscou, em visita à Cidade Santa.

O Papa e os "espinhos" ortodoxos

Enquanto se prepara para viajar à Bulgária, Macedônia e Romênia, o bispo de Roma não parece temer o risco de ser apanhado nos conflitos que estão destruindo os ortodoxos. A indicação papal de que as Igrejas Católicas não devem se "intrometer" nos "assuntos internos" da Ortodoxia - que o Papa Francisco reiterou em 30 de maio último, durante uma reunião com uma delegação do Patriarcado de Moscou - contribuiu para criar uma situação paradoxal: os líderes ortodoxos, enquanto se dividem, olham para o bispo de Roma com afeição fraterna. Eles confiam nele. Eles contam com sua proximidade.

A Igreja de Roma, neste momento difícil, oferece, apesar de tudo, sua oração misericordiosa à unidade também para o benefício de todas as Igrejas Orientais. E faz isso sem apoiar um lado ou outro, sem explorar as dificuldades do outro lado para reafirmar a ascendência e sem reivindicar os papéis de "árbitro" dos conflitos eclesiais.

Neste caminho inexplorado, o desejo de retornar à plena comunhão sacramental entre católicos e ortodoxos pode ser guardado na esperança. Mesmo numa época em que os caminhos testados do diálogo ecumênico são objetivamente inviabilizados pelas divisões dentro da Ortodoxia. E as dolorosas lacerações ortodoxas arriscam-se a fazer com que esses apelos apliquem sistemas organizacionais "sinodais" de praxe eclesial muito abstratos e idealistas.


Vatican Insider - Tradução: Ramón Lara

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas