Brasil Cidades

10/02/2019 | domtotal.com

A cidade onde não há carros nem motos

Na cidade sobre as águas, 75% das viagens são feitas de bicicletas, triciclos e quadriciclos.

Em Afuá, a limitação de veículos transformou o deslocamento de serviços essenciais.
Em Afuá, a limitação de veículos transformou o deslocamento de serviços essenciais. (National Geographic Brasil)

Sentados ou de pé, na carona, deslizam na rua de palafita duas, três, quatro pessoas amontoadas em uma só bicicleta. Em Afuá (PA), onde carros e motocicletas são proibidos, a noiva vai de bicitáxi para a igreja, os irmãos maiores levam os menores na garupa, os pais colocam os filhos no bagageiro, o brigadista faz resgate do enfermo em uma maca adaptada para a bicilância, a ambulância da cidade.

Na cidade construída inteiramente em estruturas elevadas, onde as ruas de palafita estão a 1,20 metro de distância da superfície do rio, a bicicleta é o principal meio de transporte - depois dos próprios pés, claro. Na cidade sobre as águas, 75% das viagens são feitas de bicicletas, triciclos e quadriciclos. Todos conduzidos por força humana, não motor.

Município paraense na Ilha do Marajó, Afuá é cortada por rios. Tem 38 mil habitantes e nenhuma estrada. A proibição de veículos motorizados é levada a sério pelos moradores, que até já colocaram na cadeia quem tentou andar de moto.

Entre área rural e urbana, as ruas são os rios, e todos os trajetos são feitos de embarcações. Para chegar à cidade, a capital mais próxima é Macapá (AM), a cerca de três horas de barco. Ainda que existam 17 veículos motorizados registrados em Afuá, o tráfego de qualquer veículo com motor, até mesmo elétrico, é dado pela população e pelos gestores como "terminantemente proibido".

Em Afuá, a limitação de veículos transformou o deslocamento de serviços essenciais. A ambulância é um quadriciclo formado por duas bicicletas, e uma maca leva o paciente. Há duas bicilâncias: uma é usada pelo hospital e outra, pelos bombeiros. Há também o quadriciclo do lixo e da manutenção.

Lançamento

Afuá é a menina dos olhos dos cicloativistas brasileiros, que lançam um livro sobre o perfil de ciclistas em municípios com menos de 100 mil habitantes. Em O Brasil que Pedala: A Cultura da Bicicleta nas Cidades Pequenas, eles visitaram 11 municípios para entender os hábitos dos ciclistas.

Em comum, os municípios têm uma extensão inferior a seis quilômetros de área urbana. "Isso faz com que pedalar se torne um meio de transporte absolutamente acessível, tranquilo e fácil para percorrer as distâncias que a cidade tem", afirma Daniel Guth, da Aliança Bike, que organizou o livro ao lado de André Soares, da União de Ciclistas do Brasil.


Agência Estado

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas