Religião

12/02/2019 | domtotal.com

Rabbi Skorka: O que minha amizade com o Papa Francisco me ensinou sobre o diálogo inter-religioso

Pergunto-me por que meus diálogos com o futuro Papa Francisco afetaram tão poderosamente a nós dois.

O Papa Francisco caminha com o rabino argentino Abraham Skorka, à esquerda, e Omar Abboud, um líder muçulmano da Argentina, depois de orar no Muro das Lamentações em Jerusalém em 26 de maio de 2014.
O Papa Francisco caminha com o rabino argentino Abraham Skorka, à esquerda, e Omar Abboud, um líder muçulmano da Argentina, depois de orar no Muro das Lamentações em Jerusalém em 26 de maio de 2014. (CNS photo/Paul Haring)

Por Abraham Skorka*

Em fevereiro deste ano, participarei (o artigo foi escrito antes do encontro) com meu amigo, o papa Francisco na “Conferência Global sobre Fraternidade Humana” organizada pelos Emirados Árabes Unidos em Abu Dhabi. Procurando um quadro comum de cooperação entre os líderes religiosos para alcançar a paz e a solidariedade humana.

O diálogo inter-religioso sempre foi uma prioridade para mim. Aprendi a importância do meu mentor, o rabino Marshall T. Meyer, um protegido do grande rabino Abraham Joshua Heschel. Conheci Jorge Mario Bergoglio há quase 20 anos, quando ele era bispo auxiliar em Buenos Aires. Reconhecemos, um no outro, um parceiro para a promulgação de nosso compromisso comum de diálogo entre as religiões. Nos anos seguintes, nos engajamos em numerosas conversas sinceras, que ambos consideramos profundamente significativas e transformadoras.

Em preparação para o encontro em Abu Dhabi, me pergunto por que meus diálogos com o futuro Papa Francisco afetaram tão poderosamente a nós dois. Parece que foram palavras além de trocas superficiais de informações e se tornaram experiências espirituais e pessoais profundas. Como essas palavras chegaram a incorporar o que Francisco descreveu como “o caminho da amizade” que judeus e católicos empreenderam desde o Concílio Vaticano II?

Primeiro, colocamos conscientemente Deus no centro de nossas trocas. Conversamos sobre Deus e como nos aproximar de Deus. Queríamos aprender com as experiências de Deus um do outro. Isso nos deu a certeza de que Deus estava nos acompanhando em nossa jornada.

Manter o foco em nossos relacionamentos com Deus nos manteve humildes e mais abertos uns aos outros. Como Francisco escreveu em Sobre o Céu e a Terra, o livro que escrevemos em conjunto: “Para o diálogo, é preciso saber como abaixar as defesas, abrir as portas do lar e oferecer calor e acolhida”. Entendemos que Deus criou todas nós a imagem divina, permitindo-nos ver o reflexo de Deus nos rostos um do outro enquanto abríamos cada vez mais nossos corações.

Além disso, nunca tentamos persuadir - ou dissuadir - um ao outro de qualquer coisa. Como o Papa Francisco recordou: “Aqui havia uma base de total confiança, e nenhum de nós negociou nossa própria identidade. Se tivéssemos feito isso, não teríamos podido conversar. Teria sido uma farsa... E nenhum de nós tentou converter o outro”. Por causa de nossa confiança, “nosso diálogo foi livre”, como Francisco me lembrou quando compartilhei um rascunho deste ensaio com ele. O respeito pela integridade religiosa um do outro, na verdade, nos ajudou a aprender juntos. “Minha vida religiosa ficou mais rica com suas explicações, muito mais rica mesmo”, observou meu amigo.

Francisco e eu também entendemos que as demandas do presente - o esforço comum pela paz, o alívio da fome, o fim da destruição do nosso ecossistema global - eram urgentes. Além das diferenças e das distâncias percebidas que separaram judeus e cristãos por séculos, uma importância muito maior foi dada ao fundamento ético comum que compartilhamos na Bíblia, o que nos permite trabalhar juntos.

Crucialmente, cada um de nós tentou entender a identidade religiosa do outro em seus próprios termos e compartilhar as preocupações de cada um. Lembro-me da dor de Francis sobre o antissemitismo. "Um cristão não pode ser um antissemita", declarou repetidamente como Papa. Ele também afirmou que “um ataque direto ao Estado de Israel é [uma forma de] antissemitismo” porque “Israel tem todo o direito de existir em segurança e prosperidade”.

Embora Francisco tenha expressado esses sentimentos por causa de seu profundo respeito pelos direitos humanos e pelo povo e a tradição judaica - e não por causa de nossa amizade - sua capacidade de sentir empatia pela mágoa dos outros foi um grande presente que muitas vezes enriqueceu nossos diálogos.

Finalmente, valorizamos as diferenças dentro de nossas semelhanças. Aprendemos que seria uma blasfêmia a Deus se permitíssemos que definir as diferenças nos separassem como filhos de Deus e como irmãos. O diálogo é o imperativo de nossa era. Francisco certa vez me escreveu que “a semente da paz, uma vez semeada, não será destruída. Você tem que esperar o nascimento do tempo que favorecerá seu crescimento, orando e seguindo o mandamento do amor”.

Esta é a mensagem que espero trazer para Abu Dhabi. Esforçar-se por uma autêntica amizade e paz através do diálogo não é uma ilusão. Na verdade, é o destino da existência humana.

Este artigo também foi publicado, com a manchete "Um papa e um rabino em Abu Dhabi", na edição de 4 de fevereiro de 2019.


America Magazine - Tradução: Ramón Lara

*O rabino Abraham Skorka é professor universitário na Saint Joseph’s University na Filadélfia e coautor com o Papa Francisco de On Heaven and Earth.

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas