Engenharia Ensaios em Engenharia

19/02/2019 | domtotal.com

Blockchain e Sustentabilidade

A engenharia e a ciência da computação caminham aqui juntas entre os pilares fundamentais deste desenvolvimento e desta nova era que se delineia

As oportunidades de pesquisa, por exemplo, no contexto da engenharia, da  ciência da computação e do direito, muito além da multidisciplinaridade, mas também em um contexto de transdisciplinaridade, são muito relevantes.
As oportunidades de pesquisa, por exemplo, no contexto da engenharia, da ciência da computação e do direito, muito além da multidisciplinaridade, mas também em um contexto de transdisciplinaridade, são muito relevantes. (Arquivo / Jose Antonio)

Por Jose Antonio de Sousa Neto*

Temos argumentado aqui neste espaço, e acredito que esta percepção está cada vez mais generalizada, que os desafios para um desenvolvimento sustentável apresentam  ao mesmo tempo a abertura e a oportunidade para o crescimento econômico, a inserção social e a geração de riqueza sustentada e liderada pelo desenvolvimento tecnológico. A engenharia e a ciência da computação caminham aqui juntas entre os pilares fundamentais deste desenvolvimento e desta nova era que se delineia. Desafios e oportunidades para os aspectos de governança e para o ambiente jurídico / institucional são igualmente relevantes. Sob o ponto de vista acadêmico, as oportunidades de pesquisa, por exemplo, no contexto da engenharia, da  ciência da computação e do direito, muito além da multidisciplinaridade, mas também em um contexto de transdisciplinaridade, são muito relevantes.

Neste breve texto reproduzimos algumas partes do documento Building Block(chain)s for a Better Planet  de autoria da Dra Celine Herweijer, Dominic Waughray e Sheila Warren que foi publicado em 2018 pelo World Economic Forum System Initiative em parceria com a PwC e o Instituto Stanford Woods para o ambiente e que versa sobre a construção do futuro do meio ambiente e da segurança dos recursos naturais.

Enquanto a Quarta Revolução Industrial ganha ritmo, as inovações estão se tornando cada vez mais rápidas, mais eficientes e mais amplamente acessíveis do que nunca. A tecnologia está se tornando cada vez mais conectada, e agora estamos vendo uma convergência dos domínios digital, físico e biológico.

Tecnologias emergentes, incluindo a Internet das Coisas (IoT), realidade virtual e inteligência artificial (IA), estão permitindo mudanças sociais que afetam sismicamente economias, valores, identidades e possibilidades para as gerações futuras. Existe uma oportunidade única para aproveitar a Quarta Revolução Industrial - e as mudanças sociais que ela desencadeia - para ajudar a abordar questões ambientais e transformar a maneira como gerenciamos nosso ambiente global compartilhado.

Aproveitar essas oportunidades e gerenciar proativamente esses riscos exigirá uma transformação da abordagem para uma gestão ambiental global. Isso inclui as estruturas de governança, protocolos, modelos de investimento e financiamento, os incentivos predominantes para o desenvolvimento tecnológico e a natureza do envolvimento da sociedade. Esta transformação não vai acontecer automaticamente. Ela exigirá colaboração proativa entre os elaboradores de políticas públicas, cientistas, sociedade civil, campeões de tecnologia e investidores.

Herweijer, Waughray e Warren argumentam que blockchain é uma tecnologia emergente fundamental da Quarta Revolução Industrial, assim como a internet foi para a (ou terceira) revolução industrial anterior. Suas características definidoras são seu livro-razão distribuído e imutável e sua criptografia avançada, que permitem a transferência de uma gama de ativos entre as partes com segurança e baixo custo, sem a intermediação de terceiros. A tecnologia também é democratizada pelo design - diferentemente das empresas de plataforma da Internet de hoje - permitindo que os participantes da rede possuam uma parte da rede hospedando um nó (um dispositivo na blockchain). Blockchain é mais do que apenas uma ferramenta para ativar moedas digitais. Em seu nível mais fundamental, é uma infra-estrutura computacional nova, descentralizada e global que pode transformar muitos processos existentes em negócios, governança e  na sociedade.

Várias aplicações e plataformas blockchain estão se tornando amplamente conhecidas, começando com Bitcoin, que foi pioneira como  criptomoeda (e criptografia de ativos), seguido por Ethereum, que como uma plataforma para a criação de aplicações descentralizadas através de contratos inteligentes inspirou toda uma nova “economia Token”. O surgimento de aplicações em processos de votação, identidade digital, financiamento e saúde ilustram como blockchain pode potencialmente ser usado para enfrentar os desafios globais. Há agora também um entusiasmo emergente sobre o potencial da blockchain para apoiar os esforços globais para avançar a sustentabilidade ambiental.

Como os autores argumentam o potencial do blockchain reside na sua capacidade arquitetônica de mudar e potencialmente reverter os sistemas econômicos tradicionais - potencialmente transferindo valor dos acionistas para as partes interessadas, à medida que as soluções distribuídas se consolidam cada vez mais. Neste contexto blockchain tem o potencial para transformar como os humanos transacionam. É um sistema de contabilidade eletrônico descentralizado que cria um registro criptograficamente seguro e imutável de qualquer transação de valor, seja dinheiro, bens, propriedade, trabalho ou mesmo votos. Essa arquitetura pode ser aproveitada para facilitar pagamentos peer-to-peer, gerenciar registros, acompanhar objetos físicos e valor de transferência via contratos inteligentes. Este potencial para redefinir fundamentalmente como os negócios, governança e sociedade operam gerou interesse considerável sobre blockchain.

Apesar deste interesse, é preciso reconhecer, e estes autores corretamente o fazem, que o blockchain continua a ser uma tecnologia nascente com desafios consideráveis que precisam ser superados desde a confiança e adoção por parte dos usuários até a superação de barreiras tecnológicas (incluindo a interoperabilidade e escalabilidade), dos riscos de segurança, desafios legais e regulamentares e do consumo de energia demandado pela tecnologia original do blockchain (sugiro a leitura do texto "Bom para você? Bom para o Planeta?" através do link http://domtotal.com/noticia/1219797/2018/01/bitcoin-bom-para-voce-bom-para-o-planeta/).

Mas apesar dos desafios, é justamente aqui onde estão, por exemplo, um número incontável de oportunidades para empreendedores e suas futuras startups. Herweijer, Waughray e Warren, como resultado de diversas pesquisas e iniciativas, apresentam, no que entendo ser a parte mais interessante desta discussão, algumas áreas e oportunidades onde a tecnologia blockchain pode (uma vez vencidos os desafios mencionados anteriormente) ser basilar e agregar imenso valor na busca e realização de um desenvolvimento mais sustentável para o planeta. Vejamos as principais indicados pelos autores:

Cadeias de suprimento “transparentes”:

Blockchain pode criar transparência inegável (e potencialmente inevitável) em cadeias  de suprimento. Registrando dados transacionais em toda a cadeia de suprimentos em um blockchain e estabelecendo um imutável registro de proveniência (ou seja, origem) oferece o potencial para rastreabilidade de produtos da origem para o seu destino. Fornecendo tal transparência cria uma oportunidade para otimizar a oferta e gestão da demanda, construir resiliência e, finalmente, permitir uma produção, logística, escolha  e consumo mais sustentáveis.

Gestão descentralizada e sustentável de recursos:

Blockchain pode sustentar uma transição para a descentralização de sistemas em escala. As plataformas poderiam agrupar dados distribuídos de recursos naturais (por exemplo, dados de água e energia obtidos através de sensores inteligentes) para acabar com a atual assimetria de informação que existe entre as partes interessadas, permitindo mais informações - e até mesmo descentralização  - na tomada de decisão em relação à concepção do próprio sistema e a gestão de recursos. Isso pode incluir transações peer-to-peer, preços dinâmicos e otimização do balanceamento demanda-oferta.

Levantando  trilhões - novas fontes de finanças sustentáveis:

Plataformas financeiras compatíveis com blockchain podem potencialmente revolucionar o acesso ao capital e desbloquear o potencial para novos investidores em projetos que abordam desafios ambientais - do investimento projetos "verdes" de infra-estrutura até a facilitação de operações financeiras estruturadas ou doações humanitárias para os países em desenvolvimento. Em um nível mais amplo, existe o potencial de blockchain para facilitar uma mudança de sistema mais focado no valor para os acionistas (shareholder) para um sistema com valor também para as partes interessadas (stakeholders)  e também para expandir a contabilidade tradicional de capital financeiro para que possa capturar o  capital social e ambiental. Coletivamente, essas mudanças poderiam ajudar a levantar os trilhões de dólares necessários para financiar uma mudança para economias sustentáveis e de baixo carbono.

Incentivando economias circulares:

Blockchain poderia fundamentalmente mudar a maneira como materiais e recursos naturais são valorados e negociados, incentivando indivíduos, empresas e governos para desbloquear valor de coisas que estão atualmente desperdiçadas, descartadas ou tratadas como economicamente sem valor. Isso poderia conduzir uma mudança de comportamento generalizada e ajudar a realizar uma verdadeira economia circular.

Transformando o mercado de carbono (e outros ambientais):

Plataformas blockchain poderiam ser aproveitadas para usar tokens criptográficos com um valor comercializável para otimizar plataformas de mercado existentes para o carbono (ou outras substâncias) e criar novas oportunidades para transações de crédito de carbono.

Monitoramento de nova geração para sustentabilidade, geração de relatórios e verificação:

Blockchain tem o potencial para transformar tanto relatórios como garantias de sustentabilidade, ajudando empresas a gerenciar, demonstrar e melhorar seu desempenho, enquanto permitindo aos consumidores e investidores uma melhor informação para tomada de decisões. Isso poderia impulsionar uma nova onda de responsabilidade e ações, uma vez que esta informação pode chegar de forma mais efetiva até o nível da alta administração das organizações fornecendo-lhes uma imagem mais completa para gerenciar perfis de risco e recompensa.

Preparação automática para desastres e ajuda humanitária:

Blockchain poderia sustentar um novo sistema compartilhado conectando várias partes envolvidas na preparação e alívio de desastres no intuito de melhorar a eficiência, eficácia, coordenação e responsabilização pelos de recursos confiados. Um sistema descentralizado interoperável poderia permitir o compartilhamento de informações (por exemplo, atividades transparentes para todas as outras partes dentro do rede) e transações automatizadas rápidas através de contratos. Isso poderia melhorar a eficiência no imediato rescaldo de desastres, que é o momento mais crítico para limitar a perda de vidas e outros impactos humanos.

Plataformas de gerenciamento geoespaciais:

Novas plataformas geoespaciais blockchain, que podem potencialmente permitir uma gama de transações baseadas em valor, estão nos estágios iniciais de exploração e poderiam monitorar, gerenciar e ativar mecanismos de mercado que poderiam proteger os bens ambientais globais - da vida em terra até a saúde dos oceanos. Tais aplicações estão mais longe termos de viabilidade técnica e logística, mas permanecem emocionante para contemplar.

Acredito que a partir destas perspectivas levantadas e sumarizadas no documento Building Block(chain)s for a Better Planet o leitor deve estar imaginando o potencial de todas estas oportunidades e provavelmente como tudo isso pode ser ainda mais alavancado com a inexorável caminhada rumo a Inteligência Artificial. Uma conexão com as tragédias de Mariana e Brumadinho também vem a mente de forma inevitável assim como de tudo o que ainda pode ser feito / construído sob o ponto de vista técnico em um futuro não muito distante para evitar, ou pelo menos mitigar, tantas tragédias ambientais como as que temos presenciado. Aos nossos alunos da EMGE dos cursos de engenharia e ciências da computação, assim como aos alunos de direito de nossa escola irmã a Dom Helder, fica o desafio de empreender aproveitando estas oportunidades para tentar deixar um legado. A pesquisa é um bom começo para esta caminhada!

* professor da EMGE

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas