Religião

20/02/2019 | domtotal.com

A crise da teologia moral católica

Debates do novo discurso hegemônico na teologia moral tendem a estruturar debates em termos de 'tradição versus contexto' ou 'lei versus situação'.

A disciplina da teologia moral não pode superar seus problemas se os teólogos morais não estão preparados para sofrer no processo de trabalhar em nossas divergências.
A disciplina da teologia moral não pode superar seus problemas se os teólogos morais não estão preparados para sofrer no processo de trabalhar em nossas divergências. (Hermes Rivera/ Unsplash)

Por Charles C. Camosy

Gritos e aplausos e “Hail to the Chief”1 saudaram o presidente Obama quando subiu ao palco para fazer o discurso de formatura de 2009 em Notre Dame, o fim de semana durante o qual recebi formalmente meu doutorado em teologia moral católica.

Do outro lado do campus, manifestantes protestavam contra a prerrogativa legislativa do presidente sobre crianças não nascidas – consequentemente o pior de qualquer candidato presidencial de sucesso na história. Eu estava presente bem no centro do evento, porque ao contrário dos manifestantes, aprovava a decisão da Notre Dame de convidar o presidente e conferir-lhe um doutorado honorário. Obama não foi o primeiro presidente honrado com um reconhecimento tão apreciado e tão em desacordo com o ensino moral católico, e para mim a oportunidade de abrir um diálogo sobre o aborto era simplesmente importante demais. Ainda assim, dada a escala da injustiça do aborto, entendi as preocupações dos manifestantes. E fiquei perturbado ao ver como, graças em parte à polarização da cobertura da mídia, a cultura católica dos EUA estava sendo dividida pelo debate.

Acabei indo de Notre Dame a Fordham, onde, como um jovem professor assistente e idealista, estava determinado a fazer alguma coisa. Eu conhecia pessoas inteligentes e bem-intencionadas em vários lados do debate, particularmente em minha disciplina de teologia moral. Parecia que precisávamos nos conhecer, rezar juntos e debater as questões de boa-fé. Logo provaríamos que a narrativa da polarização sem esperança era falsa.

Durante a última década, empreendi vários projetos para tentar atenuar as divisões, não apenas dentro da Igreja Católica, mas entre católicos e evangélicos, católicos e utilitaristas seculares, católicos e ativistas dos direitos dos animais, até católicos pró-vida e ativistas seculares do direito ao aborto. Durante boa parte dessa década, procurei, através do Projeto de Conversação Católica, promover a solidariedade intelectual entre os teólogos católicos por meio da despolarização e da diversidade do ponto de vista.

Apesar desse compromisso - ou melhor, talvez por causa disso - sou obrigado a apresentar um relatório sobre o estado da teologia moral católica nos Estados Unidos hoje: a disciplina está em crise. Fraturadas e polarizadas, as metodologias ascendentes estão apenas preocupadas com o poder, tanto na teoria quanto na prática.

Esta é uma história antiga com uma nova reviravolta. A polarização direita-esquerda das Guerras Culturais persiste, mas algo é diferente desta vez. Os debates pós-Vaticano II sobre a teologia moral, apesar de acalorados, demonstraram um compromisso comum em reunir evidências e argumentar cuidadosamente em conversas com a tradição. Richard McCormick e Germain Grisez se enfrentaram nos debates do proporcionalismo - mas qualquer um que leia essa literatura sairá com respeito não apenas por sua erudição, mas por seu compromisso mútuo com as normas do debate teológico moral acadêmico.

Hoje, algo parecido com os debates do McCormick-Grisez parece quase impossível. De fato, as metodologias agora ascendentes fazem com que nos perguntemos em que sentido os teólogos morais católicos americanos estão engajados em um empreendimento comum.

Pressões na Teologia Acadêmica em uma Universidade

A crise disciplinar da teologia moral surge em parte da crise disciplinar da teologia de maneira ampla - pelo menos da teologia como praticada em uma universidade típica dos EUA. Centros de investigação teológica foram transferidos para universidades ao longo do último meio século, afastados dos seminários por diversos compromissos- juntamente com salários maiores, orçamentos maiores para pesquisa e mais assistentes de pós-graduação.

De certa forma, essa mudança foi positiva. Por exemplo, é difícil imaginar como a mudança na teologia moral imposta pelo Vaticano II poderia ter ocorrido sem a liberdade acadêmica proporcionada pela universidade moderna. O outro lado é que muitos departamentos de teologia foram pressionados para espelhar as normas da academia secular. Critérios para o que conta como boa erudição, ensino e serviço gradualmente deixaram de se referir à tradição e à Igreja. Cada vez mais, esses critérios levaram a teologia a se transformar no estudo ostensivamente neutro da “religião”, especialmente conforme moldado pelas disciplinas da sociologia e da história.

Mas as disciplinas da sociologia e da história são tudo menos neutras. Elas são hiper seculares. Quando a teologia é forçada a prestar conta a colegas e administradores que compartilham as suposições dessas disciplinas, o resultado é uma situação em que o comprometimento teológico é muitas vezes uma fonte de constrangimento. Até hostilidade. Este não é um assunto trivial, especialmente porque a academia tem meios poderosos à sua disposição para punir os dissidentes.

Um novo discurso hegemônico na teologia moral

O problema mencionado acima tornou-se especialmente agudo na teologia moral. Na época em que me inscrevi na pós-graduação, havia várias escolas diferentes de teologia moral nas faculdades e universidades católicas dos EUA que disputavam a liderança e os estudantes de pós-graduação na área. Quinze anos depois, alguns dos meus colegas da disciplina até se perguntam se a teologia moral é “ainda uma coisa” fora dos seminários. O termo preferido para a disciplina, que sinaliza a rota de fuga do conteúdo teológico, é agora "ética social". Os eticistas sociais ascendentes e dominantes de hoje estão comprometidos com um discurso de poder que, em termos gerais, poderia ser descrito como interseccional. Mais sobre isso abaixo.

Em geral, os debates do novo discurso hegemônico na teologia moral tendem a estruturar debates em termos de “tradição versus contexto” ou “lei versus situação”, e depois empregam certo entendimento de consciência para defender a ética contextual ou de situação. Esta abordagem tem sido útil em alguns aspectos, especialmente como contrapeso aos problemas da tradição manualista. Torna-se problemático quando aplicado de forma muito consistente, de tal forma que a teologia católica acaba sendo abandonada por um quadro ideológico diferente.

Mas a maioria daqueles que ocupam cargos de poder nos principais conselhos e revistas de teologia moral, bem como em posições de liderança frente às sociedades acadêmicas relevantes, mantém algo parecido com essa visão. Em consequência, a teologia moral nos Estados Unidos está se tornando quase indistinguível da cultura progressista mais ampla. É difícil encontrar declarações públicas recentes dos teólogos morais dominantes, por exemplo, que tornariam o conselho editorial do New York Times desconfortável. Apela a reformar a mensagem e as práticas da Igreja de acordo com a lista de verificação progressiva usual, aceitável para qualquer liberal católico (ou, na verdade, para qualquer liberal secular). Os apelos à justiça social são usados para chamar católicos para promulgar mudanças sociais, mas os meios tipicamente recomendados - mudar (ou manter) as políticas do Estado secular - raramente recebem uma interrogação teológica significativa.

Teoria Crítica Interseccional e as Normas de Intercâmbio Acadêmico

Qualquer pessoa que tenha prestado atenção às humanidades durante a última década está ciente da ascensão astronômica da teoria crítica interseccional, que passou de um pontinho em um punhado de departamentos de literatura a uma predominância completa no que parece ser um piscar de olhos. O discurso da interseccionalidade não domina meramente as conferências e os periódicos acadêmicos - dirige as administrações, as salas de aula e a vida estudantil em nossas universidades de maior prestígio. E, como mencionado acima, é ascendente e até dominante entre os eticistas sociais católicos.

A teoria crítica interseccional enfoca os sistemas de poder inter-relacionados que fazem com que as populações vulneráveis sofram injustiças. Os maus (pessoas poderosas e os sistemas que os privilegiam) são racistas, homofóbicos, transfóbicos, habilidosos, neocolonialistas e patriarcais. Cada um desses pecados implica em todos os outros, porque os bandidos presidem matrizes de dominação nas quais categorias de identidade marginais se cruzam e se reforçam mutuamente. Contra os maus, aqueles com identidades marginalizadas - negros, LGBT, deficientes, imigrantes, mulheres - encontram uma causa comum, embora suas alegações substantivas possam diferir ou contradizer. Pois nas matrizes da interseccionalidade, tudo se resume a uma luta pelo poder. Um discurso pós-moderno de poder, derivado de certa leitura de Foucault, absorve esses teóricos. Talvez não surpreendentemente, o poder é possibilitado liberalmente em círculos intersecionais para disciplinar e punir aqueles que discordam ou desviam da teoria crítica interseccional.

Os teóricos da intersecção não devem ser descartados de imediato. Eles são muitas vezes astutos quanto às funções do poder, e se recusaram a ceder em muitas questões de justiça que o ativismo tradicional ignorou. Seu foco nas injustiças interligadas se sobrepõe à tradição da "ética consistente da vida", defendida, entre outros, pelo Papa São João Paulo II na Evangelium Vitae. Há também ressonâncias com sua compreensão do pecado social e estrutural. Pessoalmente, achei a teoria crítica da raça útil para interpretar minha experiência como uma pessoa branca vivendo por vários anos no Bronx, depois me casando com uma mulher filipina e adotando três crianças das Filipinas. Permitiu-me reconhecer os privilégios que vêm com o meu status, como suspeito que acontece com os outros que estão em situação semelhante.

A centralidade do poder para o discurso interseccional, no entanto, torna altamente problemático para os acadêmicos cristãos. O comprometimento com a investigação e argumentação racionais, a liberdade de expressão e a diversidade de pontos de vista são, de acordo com a teoria interseccional, meras tentativas de salvaguardar privilégios. Mas os católicos romanos, que acreditam na natureza salvífica da morte e ressurreição de Cristo e no contínuo trabalho do Espírito Santo no mundo, não podem se sentir à vontade em um discurso que requer a destruição dos inimigos de nossa identidade. Devemos ser fiéis ao comando de Cristo para encontrar e engajar os que têm visões fundamentalmente diferentes em espírito de amor - o que significa, para os teólogos acadêmicos, um espírito de solidariedade intelectual.

Aplicação da Ortodoxia

Talvez a conferência acadêmica mais importante para os teólogos católicos tenha sido o encontro anual da Sociedade Teológica Católica da América. Mas no CTSA tende a faltar diversidade de pontos de vista em seu conselho, entre seus palestrantes, e em seu espírito e coração. Alguns anos atrás, vários membros abordaram essa questão com alguns líderes simpatizantes da CTSA, mas a esperança pela mudança logo foi sucedida pela decepção. As preocupações dos membros marginalizados foram (sem surpresa, dado o que acabamos de explorar) visto por muitos como uma espécie de jogo de poder, e a liderança da CTSA acabou ignorando as recomendações de seu próprio comitê ad hoc sobre diversidade teológica. Sua ortodoxia não deveria ser desafiada.

Esse tipo de coisa não é novidade na academia, é claro, e muitos atualmente em posições de liderança lembram, sem dúvida, uma época em que pessoas com visões muito diferentes eram as forças da ortodoxia. Mas o surgimento da teoria crítica interseccional apresenta aos aplicadores atuais novos métodos de manter o controle hegemônico do discurso. Como as formas de exploração estão inter-relacionadas, uma pessoa que detém a posição errada sobre, digamos, a teoria do gênero, também é culpada de outras acusações. Consequentemente, uma visão tradicionalmente católica da moralidade sexual é vulnerável à contaminação por acusações concorrentes de homofobia e racismo. E o acusado não pode se valer das normas da academia em sua defesa - porque essas normas historicamente defenderam e promoveram a injustiça. Se alguém rotulado com uma letra escarlate intersecional faz um argumento no modo de troca acadêmica tradicional, simplesmente escava seu buraco moralmente contaminado ainda mais fundo.

Muitas vezes, a única opção para o acusado é - em uma exibição ritual que lembra o reavivamento protestante do século XIX - verificar seu privilégio e aceitar publicamente as normas e conclusões da teoria crítica interseccional. Sem essa experiência de conversão pública, que pode servir como um tipo de batismo, a pessoa é considerada depravada e até mesmo demoníaca. É preciso morrer para o velho eu, engajar-se no arrependimento público e comprometer-se com uma nova vida de fidelidade à crença ortodoxa. Curiosamente, esta abordagem está muito menos preocupada com a libertação das consciências do que com a certeza de que as consciências estão corretamente formadas.

Os teóricos críticos interseccionais exercem seu poder não apenas contra os dissidentes, mas contra aqueles heterodoxos que, apesar de concordarem com as questões não negociáveis, ainda assim se envolvem com os dissidentes de acordo com as normas do intercâmbio acadêmico. De acordo com a teoria crítica interseccional, aliados autênticos de populações vulneráveis não legitimam os opressores envolvendo-os em seus próprios termos e validando a legitimidade de suas abordagens. Tais teóricos heterodoxos podem sofrer perspectivas de emprego diminuídas e outras punições simplesmente por se envolverem com os hereges.

A diversidade do ponto de vista local existe em alguns círculos intersecionais. Todavia, de modo alarmante, muito pouca diversidade é publicamente tolerada em questões centrais à teologia moral católica. Por exemplo, as feministas pró-vida muitas vezes têm metodologias e preocupações estruturais semelhantes às das feministas interseccionais. Mas uma feminista cujas visões pró-vida são tornadas públicas corre o risco de exclusão do discurso feminista. Existe uma posição “certa” sobre o aborto, e é rigorosamente aplicada, mesmo que isso signifique excluir aliados em potencial.

Os teóricos críticos interseccionais geralmente se esforçam para levantar as vozes das pessoas de cor - um objetivo louvável, especialmente na academia branca demais. E dado que as populações afro-americanas e latinas tendem a ter visões diferentes sobre questões controvertidas (incluindo aborto, eutanásia e casamento) mais do que os brancos, a integração é um objetivo que se pensaria plausível naturalmente para o cultivo da diversidade de pontos de vista. Na maioria das circunstâncias, no entanto, a aplicação da ortodoxia acadêmica supera a diversidade dos pontos de vista, mesmo quando as perspectivas não ortodoxas são mantidas por pessoas de cor.

Isso se torna evidente quando a disciplina promove pessoas de cor que assumem posições acadêmicas ortodoxas, enquanto marginalizam outras pessoas de cor que são heterodoxas ou dissidentes. Agbonkhianmeghe Orobator, apesar de não ser treinado em ética teológica, alcançou uma proeminência surpreendente na disciplina. Mas Paulinus Odozor, da Notre Dame, um teólogo moral estabelecido com livros e publicações universitárias diretamente relacionados ao levantamento de vozes e ideias autenticamente africanas na teologia moral, não ganhou proeminência semelhante. Orobator e Odozor tiveram debates muito públicos, mas infelizmente para Odozor suas visões academicamente heterodoxas significam que aqueles que detêm o poder o manterão fora do clube de liderança.

Uma Disciplina Comum?

As jogadas de poder descritas acima podem ser consideradas como retorno para as jogadas de poder uma vez perpetradas pela Igreja institucional em nome da teologia moral ortodoxa. Para aqueles que têm "The Curran Affair" na Universidade Católica da América acima de tudo em suas imaginações, esta é uma reação compreensível. Ainda hoje, alguns teólogos progressistas entram em conflito com o poder eclesial, de tal modo que não podem falar em certas dioceses ou servir como especialistas para painéis do USCCB ou do Vaticano. Embora, em geral, o poder na disciplina da teologia moral funciona de maneira muito diferente hoje em dia. As normas não são mais formuladas e aplicadas principalmente pelo ordinário local ou pelo CDF.

E se o atual projeto interseccionalista conta como uma forma autêntica de teologia moral ou ética teológica católica, então a disciplina realmente está no mar. Pois se a autoridade de ensino e a tradição da Igreja devem ser entendidas como irremediavelmente comprometidas pelo patriarcado, pela homofobia e assim por diante - de tal forma que podem e devem ser outra coisa que não centrais ao discurso - então outra disciplina além da teologia está estabelecendo os termos da prática.

Um teórico interseccional pode achar certas ideias católicas atrativas e importantes, é claro. Mas o que deve ser acreditado (e certamente os padres conciliares do Vaticano II acreditavam) é que a revelação é confiada à Igreja apostólica, e através de muitos altos e baixos a tradição é guiada pelo Espírito Santo e grosseiramente, com o tempo, discernimos mais e mais como viver a vocação dos seguidores de Cristo até que ele volte.

É verdade que os teólogos morais conservadores às vezes desenham um círculo muito rígido em torno da “tradição”. Eles podem rejeitar injustamente aqueles da esquerda católica que estão lutando com a tradição de uma maneira que honra sua autoridade, e que estão fazendo muito a teologia moral católica. Mas da esquerda para a direita, todos esses teólogos tomam a tradição e o ensino da Igreja como ponto de partida, embora discordem sobre aonde ir a partir daí. Em contraste, a teoria crítica interseccional geralmente começa com a suposição de que a tradição é fundamentalmente contaminada.

Em que sentido, então, tais teóricos estão engajados na mesma prática que os teólogos morais cujo ponto de partida é a tradição e o ensino da Igreja? O que é isso que aparentemente estamos fazendo juntos?

Possível terreno comum

Um discurso interseccionalista fundamentalmente cristão na teologia moral teria o potencial de restaurar um novo tipo de equilíbrio para a disciplina. Como seria? O estado secular pode ser encontrado historicamente e moralmente comprometido de forma a reduzir sua prioridade abrangente. Um foco na natureza pecaminosa e auto ilusória dos seres humanos poderia nos levar a re-priorizar as consciências que são corretamente formadas à luz da tradição. Poderia haver novas e excitantes contribuições para as discussões em curso sobre se alguma coisa como a razão pública pode formar uma base coerente para o discurso liberal.

A dinâmica atual na disciplina, no entanto, exigiria daqueles que atualmente exercem o poder de lutar com as opiniões dos teólogos hereges ou dissidentes, pontos de vista que os tornam profundamente desconfortáveis.

Talvez escutar o papa Francisco poderia ser unificador. Pessoas razoáveis podem discordar sobre se ele sempre andou no caminho certo, mas o Santo Padre consultou uma diversidade de pontos de vista. Para o debate. Nenhum poder joga. Em vez disso, espaço para jogar. Seguir o Papa Francisco aqui significa cultivar a diversidade do ponto de vista na disciplina. Isso significa mais tolerância à ambiguidade. Significa dispensar narrativas de enquadramento destinadas a encerrar o debate.

Uma outra questão se aproxima: quais instituições são capazes de facilitar tais discussões? O Journal of Moral Theology e um punhado de departamentos de teologia menores estão promovendo a diversidade de pontos de vista. Mas nossas sociedades e comunidades maiores (desde a CSTA liberal até a tradicional Academia de Teologia Católica) atualmente têm pouco incentivo para mudar, especialmente considerando suas funções atuais como espaços seguros intelectuais. Um compromisso autêntico de diálogo através da diferença nos compromete a participar do sofrimento de Jesus abandonado, de maneiras que não são intelectualmente seguras. A disciplina da teologia moral não pode superar seus problemas se os teólogos morais não estão preparados para sofrer no processo de trabalhar em nossas divergências.

Se as vozes dominantes do discurso interseccional estão dispostas a adotar uma abordagem do Papa Francisco para a diversidade de pontos de vista, então há boas razões para se ter esperanças. Sem tais mudanças, no entanto, torna-se difícil imaginar um futuro em que a disciplina da teologia moral continuará a ser praticada nas universidades. Em uma reversão histórica, ela provavelmente será empurrada de volta para os seminários, enquanto a ética social interseccional se torna a província dos departamentos de estudos religiosos.

Isso seria uma perda terrível. Teólogos morais tradicionais e teóricos críticos interseccionais podem desafiar uns aos outros de forma produtiva, mas se torna muito mais difícil se eles são segregados em diferentes disciplinas e classes de instituição. Pior, quanto mais os dois campos divergem, mais debates serão decididos com base no poder. Então, como a teoria interseccional nos instrui, o dogma dos privilegiados será a ortodoxia incontestável, e os dissidentes serão deixados à margem.

Nota:

[1] “Hail to the Chief” é uma expressão utilizada para se referir ao presidente dos Estados Unidos e que faz referência a um poema de Walter Scott “The Lady of the Lake”.


Church Life Journal - Tradução: Ramón Lara

*Charles C. Camosy é professor associado de Ética Cristã na Fordham University. Escreveu vários artigos em publicações como 'American Journal of Bioethics', 'Journal of Medicine and Philosophy' e 'Commonweal Magazine'. É autor de quatro livros, mais recentemente 'Beyond the Abortion Wars:  Way Forward for a New Generation'. Também é membro do Escritório de Vida e Dignidade Humana da Notre Dame que se constitui de especialistas líderes que contribuem regularmente para o Church Life Journal em questões pró-vida e dignidade humana.

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas