Brasil

11/03/2019 | domtotal.com

Vale se pronuncia após interdição de base em Mangaratiba

A prefeitura diz também que comunicará ao Ministério Público Federal (MPF) acerca das irregularidades.

A prefeitura enfatiza ainda que, embora o imbróglio com a Vale não seja interessante para o município, a mineradora deve se adequar à legislação.
A prefeitura enfatiza ainda que, embora o imbróglio com a Vale não seja interessante para o município, a mineradora deve se adequar à legislação. (Divulgação/Prefeitura Mangaratiba)

Em operação realizada na manhã de hoje (11), a prefeitura de Mangaratiba (RJ), no litoral fluminense, interditou as atividades de uma base da Vale na Ilha da Guaíba. A mineradora também recebeu uma multa de R$ 30 milhões.

O Terminal da Ilha da Guaíba (TIG) foi construído em 1973 e recebe cerca de 40 milhões toneladas de minério de ferro por ano, que chegam de trem e são levados de navio ao Porto de Sepetiba, para exportação. O terminal já havia sido interditado no dia 31 de janeiro, quase uma semana após o rompimento da barragem da Vale em Brumadinho (MG), que resultou em centenas de mortes. No mesmo dia, porém, a Vale anunciou que obteve decisão favorável para restabelecer suas atividades.

A prefeitura informou em seu site que a nova interdição ocorre após terem sido constadas irregularidades nas atividades da mineradora. Também não teria sido apresentada a certidão de conformidade da licença de operação. O município alega que as atividades não estão de acordo com as leis ambientais, e diz ter detectado problemas de poluição com risco à saúde humana e cobra estudos e análises laboratoriais.

A prefeitura enfatiza ainda que, embora o imbróglio com a Vale não seja interessante para o município, a mineradora deve se adequar à legislação. A prefeitura diz também que comunicará ao Ministério Público Federal (MPF) acerca das irregularidades.

Primeira interdição

Na interdição realizada em 31 de janeiro, a prefeitura multou a mineradora em R$ 20 milhões e cobrou a apresentação dos documentos que garantem a licença de operação. De acordo com o município, eles seriam necessários devido ao armazenamento temporário do minério no local, atividade com grande capacidade poluidora. No mesmo dia, quando confirmou a retomada das operações, a Vale afirmou que "o terminal apresentou todas as licenças ambientais válidas e a prefeitura de Mangaratiba decidiu cancelar a ordem de interdição".

Pronunciamento Vale

A Vale informa que irá tomar todas as medidas cabíveis para restabelecer as atividades no terminal portuário da Ilha de Guaíba, em Mangaratiba (RJ). De acordo com a companhia, o terminal possui todas as licenças necessárias para a sua operação.

Guaíba é o maior ponto de escoamento de produção da Vale no Rio de Janeiro, com capacidade para escoar 70 milhões de toneladas de minério de ferro/ano. Também em Mangaratiba, a mineradora opera o terminal da CPBS, com capacidade para 25 milhões de toneladas. Os dois portos de Mangaratiba, junto com o porto de Tubarão, no Espírito Santo, são utilizados para garantir o escoamento da produção dos sistemas Sul e Sudeste da empresa.

Após o rompimento da barragem de Brumadinho, a empresa retirou cerca de 40 milhões de toneladas/ano de produção. A suspensão da operação da mina de Brucutu, que tem capacidade para cerca de 45 milhões/ano, também reduz a produção na região, mas a expectativa de analistas ouvidos pelo Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, é que a mineradora consiga as licenças necessárias para a retomada de Brucutu.


Agências Brasil e Estado

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas