Religião

18/03/2019 | domtotal.com

Crise de identidade clerical: rebanho e pastagem não podem definir quem é o pastor

A identidade pessoal do clérigo pode entrar em crise com a representação social que seu ministério exige, tornado o aparecer mais importante que o ser.

A manifestação de Deus a Jesus em seu batismo aponta para o modelo pretendido por Deus para todos nós.
A manifestação de Deus a Jesus em seu batismo aponta para o modelo pretendido por Deus para todos nós. (Unsplash/Stefan Kunze)

Por Mark Slatter*

Uma das mais memoráveis palestras públicas em que participei foi oferecida pelo então reitor da faculdade de espiritualidade da Pontifícia Universidade Gregoriana de Roma. Ele admitiu perante a multidão que, depois de décadas de direção espiritual com inúmeros sacerdotes e religiosos, chegou à conclusão de que seu problema predominante é que “eles não sabem quem são”.

Contudo, estaríamos errados ao pensar nisso apenas como uma “questão da Igreja”. Aristóteles escreveu na Ética a Nicômaco que "as pessoas parecem buscar honra para se convencer de sua própria bondade". Essa necessidade de validação externa explora uma tendência humana perene e está sob dezenas de termos e gradações de necessidade: respeito, deferência, popularidade, prestígio, fama e clandestinamente solícita. "Você já ouviu falar de mim?" É encontrado em clubes de motocicletas e times de futebol, sociedades acadêmicas e da indústria da música, prisões e hierarquias religiosas. A face da moeda muda, a linguagem é diferente, mas a dinâmica subjacente é idêntica. É a exposição mais clara dos mecanismos do ego que leva as pessoas a uma identidade. No vácuo do autoconhecimento, as exibições externas destinadas a obter autoestima são inevitáveis.

Acredito que isso chegue perto da raiz, mas não é sinônimo do que o papa Francisco identificou amplamente como o problema do clericalismo, que descreve como uma "cultura da morte" - esta última frase é chocante dado o fato de alguns católicos categoricamente denunciar os males do mundo.

Uma cultura é uma rede de significado pessoal e valorização dos sujeitos que fazem parte dela. A cultura clerical depende de líderes que atraiam pessoas com disposição semelhante através das leis da atração social, evocadas de maneiras diferentes desde Platão como o princípio de "o semelhante busca o semelhante". A psicologia engendra teias de parentesco entre padres, bispos e grupos leigos igualmente dispostos, bispos e cardeais, leigos ricos e católicos organizados em grupos de poder. Eles sempre se encontram através da semelhança familiar, o que quer que isso seja.

O reconhecimento baseado no mérito e no capital social é uma coisa; um valor pessoal indistinguível da imagem pública é outro. Não apenas o clero, mas qualquer um, incluindo aqueles de nós que ganhamos nosso pão diário na academia, não pode ser menos ferido pelas galerias de retratos de nossos sistemas e pelos rituais protocolados para se comportar e manter a honra.

Uma maneira de melhorar minha autoestima é ocupar um escritório ou ter um título que diga: "Eu sou a imagem que você vê". Essa imagem precisa de cuidado, proteção e promoção estratégica, como um político em campanha, ou um ator de teatro cuja autoestima aumenta e diminui com a conversa sem fundo sobre seu desempenho mais recente. Compromissos morais acontecem quando o sistema religioso ratifica minha identidade. Na pior das hipóteses, eu me torno um viciado em reconhecimento, insaciavelmente inquieto, afastando as qualidades que me fazem único para o refúgio temporário da validação externa no mundo. Jesus era menos poético: "Como vocês podem crer, se aceitam glória uns dos outros, mas não procuram a glória que vem do Deus único?" (João 5,44)? Essa é a paz que o mundo dá... mas que também leva de volta.

A cultura hierárquica é a cenoura de ouro para aqueles predispostos a suas seduções. Em suas formas mais crassas, ela não apenas parece inabalável, mas vem com uma falta de vergonha de tirar o fôlego em relação aos seus grotescos gestos de elegância, ares aristocráticos e ambição cega. Em última análise, é uma escolha ser um certo tipo de ser humano, pois nesse recinto misterioso da liberdade pessoal continua-se a preferir valores menores, como a reputação, a valores superiores como a dignidade. O status de alguém no sistema é percebido como sendo um servo segundo o coração de Deus.

A psicologia torna as pessoas incapazes de despertar-se dos falsos valores que sustentam a autoimagem ilusória; um obstáculo interno é superado onde uma falsa tentação é superada, como algo com o que deveria lutar a pessoa. Depois de várias décadas, muito do eu da pessoa foi investido em um modo específico de ser humano. Não foi deixado nenhum espaço para Deus atuar.

A verdade é que você não pode ser garoto-propaganda do sistema religioso e ao mesmo tempo um homem de Deus.

Em uma elevação perversa de si mesmo, o ministro clerical se esconde por trás da humildade simulada da servidão, no que deve ser uma das mais loucas inversões do Evangelho. O ministério perde a profundidade da investigação que alcança o significado humanizador da doutrina e a moralidade, sua vitalidade interna e relevância ardente, presumindo que a invocação da autoridade - “A igreja ensina isso e isso...” - pode ser fixada a qualquer tábua para ensinar como se as pessoas se submetessem a ela, de coração, mente e alma. Este também é um gancho externo; uma espécie de persuasão presumida por deferência.

Na estrutura de pensamento de Francisco, sua denúncia do clericalismo é frequentemente seguida pela valorização e acompanhamento com os pobres, que, a propósito, não têm propósito para os ministros clericais além de fazer parte de sua estratégia de relações públicas. Eles não têm nada que ele queira.

É uma comunhão com aqueles que estão fora de nossas redes de influência que relativizam as moedas de honra de nosso sistema. Viciados em drogas e idosos solitários não se importam nem um pouco sobre o meu mais recente artigo publicado ou em quais comissões eu me sento. A deferência a que estou acostumado não está próxima, e quando busco reconhecimento, eles não mordem a isca. Esta é uma kenosis que tira meu ego de suas muletas e ilusões. A política de identidade da igreja e sua versão do "Game of Thrones" tornam-se óbvias em sua mesquinhez e paroquialismo. Nesse deserto desorientador há agora um espaço para Deus falar sobre um novo “eu” na existência.

Como o trapista Thomas Merton escreveu certa vez: "As pessoas podem passar a vida inteira subindo a escada do sucesso apenas para descobrir, quando chegarem ao topo, que a escada está encostada na parede errada". A tragédia com o clericalismo não é menor do que o advogado corporativo ou magnata empresarial que conquistou o mundo inteiro, mas perdeu a alma; em outras palavras, perderam quem eles estavam destinados a se tornar.

A manifestação de Deus a Jesus em seu batismo aponta para o modelo pretendido por Deus para todos nós. Como com Jesus, Deus purifica o conteúdo primorosamente pessoal das nossas noções genéricas de dignidade, pressagiadas pela palavra geradora de vida, "Você é..." Se quisermos, o Deus Vivo pode dar a nossa dignidade seu volume e massa, nos libertando - lenta e minuciosamente, como é característico da morte de uma identidade espúria - das “honras mundanas” do materialismo enfrentado por Janus dos sistemas de honra da igreja. Ele crucifica nossos doppelgangers o duplo eu que vivem para o que nos agrada com sistemas de reconhecimento e põe um fim aos compromissos morais que inevitavelmente vêm da necessidade de se encaixar a todo custo.

As leis da terra estão agora se referindo ao que o Evangelho não poderia, e com certeza, o clericalismo não está recebendo, o escrutínio que merece, se não fosse pela crise de acobertamento. Mas a humilhação não produz conversão. A vergonha pública não nos tornará discípulos. Obedecer à lei não pode transformar o superego infantil em uma consciência forte. Agora sabemos que é catastrófico quando o pastor usa suas ovelhas e pastagens para dizer quem ele é. O clericalismo não pode ser mantido até chegar a ser a ponta de lança da igreja.


National Catholic Reporter - Tradução: Ramón Lara

*Mark Slatter é um sacerdote da Arquidiocese de Ottawa, Canadá, e professor-associado de ética teológica na Saint Paul University, Ottawa.

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas