Direito Direito Internacional

20/03/2019 | domtotal.com

Justiça acusa mais uma pessoa por divulgar vídeos de massacre na Nova Zelândia

Philip Arps foi detido pela polícia neozelandesa na terça-feira, quatro dias depois dos ataques do australiano Brenton Tarrant, que matou 50 pessoas e deixou dezenas de feridos.

Arps recebeu duas acusações por distribuição de material censurável com base na Lei Cinematográfica. A população local continua homenageando as vítimas.
Arps recebeu duas acusações por distribuição de material censurável com base na Lei Cinematográfica. A população local continua homenageando as vítimas. (Jorge Silva/Reuters)

Um homem de 44 anos se tornou a segunda pessoa acusada de compartilhar o vídeo ao vivo dos violentos ataques contra duas mesquitas em Christchurch, na Nova Zelândia.

Philip Arps foi detido pela polícia neozelandesa na terça-feira, quatro dias depois dos ataques executados pelo australiano Brenton Tarrant, 28 anos, nesta cidade da Ilha Sul, um massacre que matou 50 pessoas e deixou dezenas de feridos.

Arps recebeu duas acusações por distribuição de material censurável com base na Lei Cinematográfica. Ele foi detido após uma audiência na corte distrital de Christchurch.

Uma nova audiência foi marcada para 15 de abril.

Um jovem já havia recebido as mesmas acusações.

O vídeo ao vivo foi disponibilizado pelo próprio criminoso, que foi acusado pelas mortes nas mesquitas de Al Noor e Linwood.

Nessa quarta-feira foram organizados os primeiros funerais de vítimas.


AFP

EMGE

*O DomTotal é mantido pela Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE). Engenharia Civil conceito máximo no MEC. Saiba mais!

Comentários

Instituições Conveniadas