18 Jul 2019 | domtotal.com

Golaço de Patric era o 3 a 0 do Galo


Patric fez um golaço que não evitou eliminação do Atlético na Copa do Brasil para o rival Cruzeiro
Patric fez um golaço que não evitou eliminação do Atlético na Copa do Brasil para o rival Cruzeiro (Divulgação Atlético)

Por Rômulo Ávila

Não tenho dúvida: o golaço de Patric, aos 47 minutos do segundo tempo, era para ser o 3 a 0. E o atleticano, que torce contra o vento e acredita no impossível, sabe isso. Aquele golaço não seria em vão. O destino só faltou combinar com Fábio Santos, o outro lateral (mas da esquerda) que perdeu o chamado gol feito aos 14 minutos da etapa final.

E, sem o segundo, a matemática não permite chegar ao terceiro, mesmo que o vento esteja a favor. Um castigo para o Atlético, que entregou o primeiro jogo, no Mineirão, de uma maneira desafiadora até mesmo para o Sobrenatural de Almeida. E ele esteve em campo no Horto, nos pés de Patric.

Faltou só Fábio Santos ter feito o básico. Uma pena. Se o Cruzeiro mereceu a classificação, e não há como contestar, ela teria de ser conquistada nos pênaltis. O gol de Patric merecia isso. Mas o futebol não é matemática. E como uma equação para um aluno que não se preparou para a prova, a bola pune,  escreve certo por linhas tortas.

E o que ficou do clássico é certo: o Cruzeiro não é tão bom como falam e o Atlético não é tão ruim como pregam. Que venham a Sul-Americana, a Libertadores e a sequência da Copa do Brasil. Mas só tenho um pedido: que os jogadores não mudem o destino escrito pelo Sobrenatural de Almeida. Os Patrics da vida não merecem isso. O gol dele era o 3 a 0!

Rômulo Ávila
É jornalista formado pela Newton Paiva. Foi repórter esportivo durante dois anos do extinto Diário da Tarde (tradicional periódico de BH fechado pelos Associados Minas em julho de 2007). Atualmente é repórter do Portal DomTotal. Antes de cursar comunicação, foi jogador de futebol profissional. Começou no Villa Nova-MG e passou pelo futebol paulista e nordestino.
Comentários
+ Artigos
Instituições Conveniadas