23 Jul 2019 | domtotal.com

Mudança de época

Cria-se que a valorização da razão, própria da modernidade, resolveria os problemas humanos.

A previsão da passagem do cometa pareceu ser o símbolo do triunfo da racionalidade.
A previsão da passagem do cometa pareceu ser o símbolo do triunfo da racionalidade. (NASA/W. Liller - NSSDC's Photo Gallery)

Por Frei Betto

A modernidade está em crise. Seu início coincide com o Renascimento, o descobrimento da América e do Brasil, a passagem da era medieval, feudal, para o mercantilismo e, em seguida, ao capitalismo. Vivemos, hoje, não uma época de mudanças, mas uma mudança de época. No milênio que começa emerge algo imprecisamente chamado pós-modernidade, que se insinua bem diferente de tudo o que nos antecedeu, imprimindo novos paradigmas.

Na Idade Média, a cultura girava em torno da ideia de Deus. Na modernidade, centra-se no ser humano. Episódio característico ocorreu em 1682, quando mister Halley, baseado exclusivamente em cálculos matemáticos - pois não dispunha de aparelhos sofisticados -, previu que um cometa voltaria a aparecer nos céus de Londres 76 anos depois. Na ocasião, muitos disseram: “Este homem é louco! Como, fechado em seu escritório, baseado em cálculos feitos no papel, pode prever o movimento dos astros no céu? Quem, senão Deus, domina a abóbada celestial?”

Mister Halley morreu em 1742, antes de se completarem os 76 anos previstos. Porém, muitos ficaram atentos e, exatamente na data prevista, em 1758, o cometa, que hoje leva o seu nome, voltou a iluminar os céus de Londres. Era a glória da razão!

“Se é assim,” disseram, “então a razão haverá de resolver todos os dramas humanos! Criará um mundo de luzes, de progresso, de saciedade, de alegria!”

Tudo muito bonito e lógico; mas cinco séculos depois o saldo não é dos mais positivos. Os dados são da FAO: somos mais de 7 bilhões de pessoas no planeta, das quais metade vive abaixo da faixa de pobreza e 900 milhões sobrevivem com fome crônica.

Há quem afirme que o problema da fome é causado pelo excesso de bocas. Em função disso, propõe o controle da natalidade. Oponho-me ao controle, sou favorável ao planejamento familiar. O primeiro é compulsório, o segundo respeita a liberdade do casal. E não aceito o argumento de que há bocas em demasia. Nem falta de alimentos. Segundo a FAO, o mundo produz o suficiente para alimentar 11 bilhões de bocas. O que há é desigualdade social, injustiça, excessiva concentração da riqueza em mãos de uns poucos e, agora, etanol para abastecer veículos em vez de alimentos para nutrir pessoas.

Outrora falava-se em trabalho. Sentíamos orgulho de dizer: “Olha, meu pai educou a família trabalhando trinta anos na rede ferroviária”; “Minha mãe foi professora vinte e tantos anos”. O trabalho era fator de identidade. Ainda alcancei a geração que tinha o privilégio de falar em vocação. Posteriormente, o termo foi substituído por profissão: “Qual a sua profissão?” Hoje, o importante é ter um emprego, e olhe lá! Não se menciona mais trabalho, porque infelizmente o fator de identidade social é estar no mercado.

Há futuro para a humanidade dentro do paradigma capitalista?

Frei Betto
é escritor e religioso dominicano. Recebeu vários prêmios por sua atuação em prol dos direitos humanos e a favor dos movimentos populares. Foi assessor especial da Presidência da República entre 2003 e 2004. É autor de "A Obra do Artista – uma visão holística do Universo", "Um homem chamado Jesus", "Batismo de Sangue", "A Mosca Azul", entre outros.
+ Artigos
Comentários

Instituições Conveniadas