12 Ago 2019 | domtotal.com

Cruzeiro se preocupa mais com a Copa do Brasil do que com a chance de rebaixamento para a Série B

Raposa contrata Rogério Ceni como técnico para tentar chegar à decisão do torneio mata-mata.

O São Paulo foi o primeiro time de Ceni como treinador.
O São Paulo foi o primeiro time de Ceni como treinador. (SERGIO BARZAGHI / Gazeta Press)

Por Juliano Paiva

O novo técnico do Cruzeiro será Rogério Ceni. Ao acertar com o ídolo são-paulino e ex-treinador do Fortaleza fica evidente que a Raposa se preocupa muito mais com a Copa do Brasil do que com a chance de rebaixamento. Se fosse o contrário, o escolhido seria Dorival Júnior, especialista em livrar times desesperados da degola.

Leia também:

É compreensível a postura da diretoria celeste! O Cruzeiro perdeu o primeiro jogo do Internacional, mas a segunda e decisiva partida no Beira-Rio acontece somente em 4 de setembro, daqui a 24 dias. É tempo suficiente para que Ceni conheça o elenco e tente a classificação para a final contra Grêmio ou Athletico-PR.

É difícil? Sim, muito! Mas não impossível. Basta uma vitória simples no tempo normal e, digamos, uma noite feliz de Fábio na disputa de pênaltis. Nada que não tenha acontecido antes na história celeste na Copa do Brasil.

Além do ganho esportivo, um retorno à final do torneio mata-mata representaria um alívio nos cofres celestes. O vice-campeão receberá R$ 21 milhões como prêmio e quem levantar a taça levará R$ 52 milhões.    

E a possiblidade de queda para a Série B? Ela existe e, neste momento, passa dos 50% segundo o Departamento de Matemática da UFMG. Porém, na prática, está muito longe disso. Passadas 14 rodadas, três times estão praticamente rebaixados: Avaí, CSA e Chapecoense. O trio terá que promover um verdadeiro milagre para escapar.

Resta uma vaga. E tem muito time – que não tem um elenco tão qualificado como o do Cruzeiro – para ficar com ela. Fluminense, Vasco e Goiás são alguns deles. Mas daqui até o final outros candidatos podem surgir. E um deles certamente será o Fortaleza, ex-clube de Rogério Ceni.

Sem ele, o Tricolor de Aço está condenado a lutar contra o rebaixamento no Brasileirão. Ou seja, contratar Ceni também serviu para enfraquecer um adversário direto na luta para não cair.

A estratégia do Cruzeiro dará certo? A Raposa chegará à final da Copa do Brasil e disputará a Série A em 2020? Em breve saberemos. E com doses cavalares de emoção, certamente!  

Juliano Paiva
é jornalista formado na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Atualmente editor do Dom Total, Paiva trabalhou nos jornais O Tempo, Hoje em Dia e no extinto Diário da Tarde, tradicional periódico de Belo horizonte fechado pelos Associados Minas em julho de 2007. No DT, começou como repórter da editoria Cidades, mas, na época do fechamento do jornal, fazia cobertura esportiva. Também foi responsável pela cobertura de jogos do Campeonato Brasileiro para a Folha de São Paulo no segundo semestre de 2007.
Comentários
+ Artigos
Instituições Conveniadas