20 Set 2019 | domtotal.com

Economia sob Guedes e a receita para o desastre

A ilusão de parte da elite brasileira, de que a alternativa liberal representada pelo governo atual é algo viável levará nosso país e nosso povo a outra década perdida.

Para sairmos dessa crise, como explica Fiori, é preciso recuperar o planejamento estatal, e trabalhar para aumentar a arrecadação e não cortar mais
Para sairmos dessa crise, como explica Fiori, é preciso recuperar o planejamento estatal, e trabalhar para aumentar a arrecadação e não cortar mais (Pixabay)

Por Marcel Farah

É plenamente possível que uma economia em declínio garanta altas taxas de lucro para parte de setores empresariais. Essa é uma das conclusões do professor José Luis Fiori em artigo recente sobre os rumos da economia brasileira .

Fiori acredita que mesmo com a venda de bens públicos e a destruição da capacidade de planejamento do Estado brasileiro efetivadas pelo governo de extrema-direita de Bolsonaro, ainda será possível reconstruir o país. Para tanto, faz uma analogia entre o Brasil de hoje e a Rússia dos anos 1990.

Segundo Fiori, a União Soviética, na véspera de sua dissolução em 1990, era um país com taxas sociais e econômicas invejáveis, o segundo maior PIB do mundo, índice de Gini (que mede a desigualdade) de 0,2333, era a segunda maior potência militar e tecnológica global. Este quadro foi destruído pelo governo de Boris Yeltsin e seu choque liberal, aos moldes do que é proposto hoje pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, reduzindo o PIB russo em 50%, e elevando o índice de Gini para 0,4 em 1999.

Fiori explica ainda que este fracasso russo da década de 1990 levou ao governo Putin-Medvedev-Putin nos anos 2000, que retomaram, mesmo que em moldes capitalistas (a Rússia nunca voltou a ser socialista), a capacidade de planejamento estatal e crescimento econômico, a partir de uma política mais centralizada no Estado e menos no mercado.

Putin continua presidente, e a Rússia assumiu novamente, no século 21, status de potência mundial.

Fiori vai além e explica porque é possível comparar a Rússia com o Brasil, países continentais, com alto potencial energético, grandes alvos da cobiça capitalista internacional.

A ilusão, portanto, de parte da elite brasileira, de que a alternativa liberal representada pelo governo atual é algo viável levará nosso país e nosso povo a outra década perdida. No fundo, a disjuntiva do debate é sobre o modelo de desenvolvimento econômico.

Articulações recentes de um movimento intitulado Direitos Já reúnem um amplo campo da centro-esquerda à direita, envolvendo FHC, Ciro Gomes etc. contra Bolsonaro. Eles ensaiam uma alternativa, sem, contudo, discordar da política econômica de Guedes/Bolsonaro, é o sonho de consumo da Rede Globo. Exatamente por isso é um problema.

O movimento Direitos Já fala de direitos, mas tenta se afastar da esquerda e da luta pela liberdade do ex-presidente Lula, como se não fosse um direito garantir o devido processo legal e a obediência à Constituição. Que dirá, defender os direitos trabalhistas e previdenciários. Um movimento, portanto, de direita, que busca demarcar com a extrema-direita.

No fundo, não deixam de considerar o desempenho da Bolsa de Valores como GPS da política econômica, ou seja, é mais do mesmo, mas sem a verborragia bolsonarista. Não nos deixemos enganar.

Para sairmos dessa crise, como explica Fiori, é preciso recuperar o planejamento estatal, e trabalhar para aumentar a arrecadação e não cortar mais. Precisamos garantir proteção social aos segmentos empobrecidos e desempregados, com direitos trabalhistas e previdenciários, valorizando o salário mínimo e não, retirando R$ 1 trilhão da classe trabalhadora aposentada pelos próximos 10 anos como quer a reforma da Previdência.

Marcel Farah
Educador Popular
Comentários
+ Artigos
Instituições Conveniadas