22 Mai 2020 | domtotal.com

O que a pandemia revela sobre a globalização

Nada como uma pandemia para revelar os impactos mais insólitos da globalização sobre as economias dos países ocidentais avançados

China soube combinar a absorção e o aprimoramento das novas tecnologias com a multiplicação de indústrias intensivas em mão de obra tornando-se a maior supridora mundial dos mais diversos produtos
China soube combinar a absorção e o aprimoramento das novas tecnologias com a multiplicação de indústrias intensivas em mão de obra tornando-se a maior supridora mundial dos mais diversos produtos (Li Yang/ Unsplash)

Por Flávio Saliba

O processo de globalização tem sido objeto de ataques de intelectuais, políticos e governantes mundo afora. Enquanto as esquerdas o denunciavam como instrumento de maior exploração das classes trabalhadoras, de concentração de renda e de ampliação das desigualdades em escala mundial, a direita se regozijava de seus feitos na ampliação dos mercados e na geração de riquezas. Com o passar do tempo, as esquerdas mais radicais, talvez entusiasmadas com o espetacular avanço econômico da China, silenciaram-se, deixando a cargo da direita os ataques mais ferrenhos aos efeitos “perversos” do fenômeno, como o desemprego no mundo desenvolvido, as migrações e seus impactos nas culturas locais. Tais críticas servem, quando muito, para promover a instabilidade política mundial dado que a globalização é um processo estrutural e, portanto, imune a críticas ou à vontade política. Trata-se de um fenômeno resultante da trajetória do capitalismo avançado que, com o auxílio decisivo das novas tecnologias, enfrenta a ferrenha disputa por mercados na realização de seus lucros.

Este é o pano de fundo da emergência, nos últimos anos, de movimentos e governos populistas de extrema direita embalados por teorias da conspiração que atribuem os males da sociedade contemporânea ao chamado “marxismo cultural” de inspiração gramsciana. Vem daí o ódio à diversidade, aos intelectuais, à ciência moderna e às organizações supranacionais como a ONU e a OMS, para não falar das organizações não governamentais que, a serviço do comunismo, visariam a implantação de um governo mundial.

Por outro lado, nada como uma pandemia como a do novo corona vírus, para revelar os impactos mais insólitos da globalização sobre as economias dos países ocidentais avançados, em especial o da vulnerabilidade da superpotência norte-americana.  Ancorados nos elevados lucros de suas empresas de tecnologia de ponta, os Estados Unidos deixaram a cargo de outros países toda a produção industrial intensiva em mão de obra. A China, que durante anos enviou centenas de milhares de estudantes aos Estados Unidos, soube combinar a absorção e o aprimoramento das novas tecnologias com a multiplicação de indústrias intensivas em mão de obra tornando-se a maior supridora mundial de panos de prato a insumos para a indústria farmacêutica e laboratórios de pesquisa.

O combate à pandemia tem sido dificultado pela carência, em muitos países, de respiradores, equipamentos de proteção para os profissionais da saúde e insumos para pesquisa e testes de pacientes. Ironia das ironias o Brasil se viu na contingência de buscar rotas alternativas às que incluem escala nos Estados Unidos para evitar o confisco dos equipamentos importados da China, pelas autoridades daquele país. Só nos resta esperar pelo fim da pandemia para ver o que o futuro nos reserva.

Flávio Saliba
Formado em Ciências Sociais pela UFMG (1968), Doutor em Sociologia pela Universidade de Paris (1980), Pós-doutorado na Berkeley University (1994), Professor de Sociologia da UFMG. Livros publicados: 'O diálogo dos clássicos: divisão do trabalho e modernidade na Sociologia' (Ed. C/Arte, BH, 2004), 'História e Sociologia' (Ed. Autêntica, BH, 2007). Vários artigos publicados em revistas e jornais nacionais.
+ Artigos
Comentários