22 Mai 2020 | domtotal.com

Dom precioso de Francisco

O olhar sensível dedicado à Criação e aos pobres faz abrir o coração, leva à alma valores nobres, cultiva na interioridade humana bons sentimentos

No horizonte da carta encíclica Laudato si’  está a adoção inteligente e imediata dos parâmetros da ecologia integral
No horizonte da carta encíclica Laudato si’ está a adoção inteligente e imediata dos parâmetros da ecologia integral (Jason Blackeye/ Unsplash)

Por Dom Walmor Oliveira de Azevedo

A Igreja Católica no Brasil promove uma semana pela ecologia integral, interpelando a sociedade, adoecida, com feridas expostas, a encontrar novo modo de viver. É a celebração pelos cinco anos da carta encíclica Laudato si’  – sobre o cuidado com a Casa Comum, publicada pelo papa Francisco, no dia 24 de maio de 2015. Esta Semana busca ecoar o que pede a carta encíclica do papa sobre o cuidado com a Casa Comum, a partir da exemplaridade inigualável de São Francisco de Assis, considerado o pai da ecologia, respeitado pelos que são, ou não, cristãos, em razão da universalidade de seus ensinamentos. Passados mais de oito séculos, os sentimentos, escolhas e hábitos de São Francisco permanecem como sinal luminoso, oferecendo aprendizados indispensáveis. O papa Francisco, assim, revisita o “pobrezinho de Assis”, contribuindo para que a civilização contemporânea redesenhe seus funcionamentos, faça novas escolhas e se afaste do caminho que pode levá-la a diferentes extermínios e a graves pandemias.

No horizonte da carta encíclica Laudato si’  está a adoção inteligente e imediata dos parâmetros da ecologia integral, com suas dinâmicas que podem garantir dois bens fundamentais, procurados a todo custo: alegria e autenticidade. Uma alegria que dura e sem a qual não se consegue viver adequadamente. Sem essa alegria, a vida perde sentido, torna-se dolorosamente pesada.  Já a autenticidade, outro bem necessário, refere-se à capacidade bonita de se exercer a liberdade sem jamais perder o horizonte da própria identidade. A autenticidade gera razões e iluminações condizentes com o grande dom da vida. O ponto de partida inteligente para alcançar alegria e autenticidade parece ingênuo e, por isso, é irracionalmente desconsiderado: dedicar amorosa reverência aos mais pobres da Terra e atenção particular à Criação de Deus.

Esse olhar sensível dedicado à Criação e aos pobres faz abrir o coração, leva à alma valores nobres, cultiva na interioridade humana bons sentimentos e modula cada gesto na dinâmica inigualável da solidariedade.  Quando o ser humano verdadeiramente dedica atenção à Criação e aos pobres consegue perceber prioridades que são indissociáveis: a busca pela paz interior, o respeito à natureza e a consciência do dever de trabalhar na edificação de uma sociedade justa e fraterna, com a defesa dos mais pobres. Essas prioridades precisam nortear a conduta social, política, econômica, religiosa, cultural e cidadã. A paz interior, que todos buscam, exige a vivência das lições de uma ecologia integral, para livrar o ser humano do domínio das idolatrias do lucro e do dinheiro, da indiferença ante os clamores dos empobrecidos. Esse domínio do lucro e da indiferença é raiz do uso desenfreado, extrativista e criminoso dos bens da Casa Comum, da adesão à lógica dos privilegiados que é condescendente com o colapso da vida dos vulneráveis.

Parecerá romântico às mentes teleguiadas pelos endurecimentos que alicerçam as pandemias evocar a atitude de São Francisco de Assis. Ao olhar, enamorado, o sol, a lua, minúsculos animais, ele cantava e, consequentemente, envolvia o seu coração com uma sabedoria solidária e uma reverência nobre dedicada a todos – entendia que todos os seres e elementos do universo são irmãos uns dos outros. Assim, ensina o caráter essencial da simplicidade, frequentemente desconsiderada no mundo contemporâneo, dominado por uma irracionalidade fundamentada na desmedida ambição por dinheiro. Em vez da opção pela simplicidade, prioriza-se o acúmulo de bens que compromete a qualidade de vida, gerando distanciamento de toda gratuidade, o que produz massacres e pandemias.

A carta encíclica do papa, inspirada nas lições de São Francisco de Assis, está para além de uma avaliação intelectual ou de um cálculo econômico. Oferece à sociedade contribuições para que se viva novo ciclo, alicerçado em sabedoria que se desdobra em compromisso: é preciso cuidar de tudo e de todos. Eis o apelo do papa Francisco, dever inadiável que deve unir a família humana em busca de um desenvolvimento sustentável. O dom precioso é reconhecer e adotar a inteligência criativa fundamentada nos parâmetros da ecologia integral, para superar a indiferença em relação a graves problemas.

 A ecologia integral é o caminho mais adequado a ser seguido pela humanidade no seu desafio de repensar condições de vida e de sobrevivência em um mundo adoecido, com sintomas evidentes nos descompassos políticos e sociais, religiosos e econômicos. Há de prevalecer os parâmetros da ecologia integral, em diferentes contextos. O ponto de partida, antes de se pensar nas cúpulas, instâncias legislativas ou conferências, é a vida cotidiana, a atitude de cada pessoa. Chegou a hora, e de agora não se pode passar, considerados os esgotamentos do mundo e da civilização contemporânea, de novas lições serem aprendidas, necessárias para surgir um novo tempo, broto de esperança. Todos, humildemente, possam assumir a condição de aprendizes, na vivência do que ensina a carta encíclica Laudato si’ , um dom precioso de Francisco.

Dom Walmor Oliveira de Azevedo
Arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, MG - Brasil. Presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). Doutor em Teologia Bíblica pela Pontifícia Universidade Gregoriana, em Roma (Itália) e mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico, em Roma (Itália). Membro da Congregação do Vaticano para a Doutrina da Fé. Dom Walmor presidiu a Comissão para Doutrina da Fé da CNBB. Também exerceu a presidência do Regional Leste II da CNBB - Minas Gerais e Espírito Santo. É o Ordinário para fiéis do Rito Oriental residentes no Brasil e desprovidos de Ordinário do próprio rito. Autor de numerosos livros e artigos. Membro da Academia Mineira de Letras. Grão-chanceler da PUC-Minas. Dom Walmor escreve toda sexta-feira para domtotal.
+ Artigos
Comentários

Instituições Conveniadas