21 Abr 2021 | domtotal.com

Torre de Babel e Bezerro de Ouro, na Bíblia e hoje

Megaprojetos beneficiam o grande capital. O que beneficia o povo é pequenos projetos multiplicados aos milhares

'Adoração do bezerro de ouro', por Nicolas Poussin
'Adoração do bezerro de ouro', por Nicolas Poussin (Domínio público)

Gilvander Moreira

Na Bíblia encontramos narrativas de grandes projetos opressores, tais como a construção da Torre de Babel (Gen 11,1-9) e a construção de um bezerro de ouro (Ex 32,1-35). Olhemos um pouco para esses projetos na Bíblia na esperança de que possam inspirar posturas e compromissos na militância pela construção de uma sociedade justa e solidária diante dos grandes projetos de morte de hoje.

1 - Em uma cidade grande, uma Torre de Babel (Gênesis 11,1-9)

É obvio que não podemos encarar a narrativa bíblica de Gen 11,1-9 como se fosse um relato histórico, uma crônica jornalística de algo acontecido tal e qual está escrito. Esta é uma narrativa bíblica e, como tal, reflete a experiência de um povo escravizado, mas portador de uma fé libertadora. Prestemos atenção em alguns detalhes desta narrativa que nos diz: "o mundo inteiro falava a mesma língua, com o mesmo vocabulário" (Gen 11,1). Era uma espécie de 'pensamento único'. Claro que isso nunca aconteceu em nenhum país do mundo e nem acontecerá. Sempre há uma enorme diversidade de línguas, culturas e formas de viver a vida. Não é preciso nem sair do Brasil para experimentar o esplendor das línguas e culturas regionais. Basta ir a regiões diferentes dentro do mesmo estado.

Mais à frente, diz a narrativa que construíram uma grande cidade e nesta almejavam edificar uma torre que pudesse acessar aos céus, uma espécie de templo que viabilizasse contato direto com o ser supremo. Queriam ser autossuficientes, independentes e queriam dominar. Mas o autor - ou autores e autoras - do livro de Gênesis faz - ou fazem - questão de dizer que Javé, o Deus solidário e libertador, não ficou inerte e nem assistindo de camarote o que acontecia. Ele desceu e descobriu o tendão de Aquiles deles: "Eram um só povo e falavam a mesma língua" (Gen 11,6). Ao detectar a presença deste pensamento único, da mesma ideologia, foi fácil inocular sementes de resistência, que naquele contexto se apresentaram como a diversificação das línguas que os levou a formar outros povos. Assim, a aquisição de novas línguas, culturas e diferentes formas de viver, conviver e lutar pelo bem comum bloqueou aquele megaprojeto de dominação que visava à onipotência e à autossuficiência de uma minoria enriquecida à custa da maioria escravizada.

Se olharmos bem à nossa volta, há muitas outras línguas e culturas sendo gestadas. Basta não alimentarmos o pensamento único na era do capitalismo neoliberal. Ao longo da história e atualmente, os grandes projetos são torres de Babel, mas terão pernas curtas, não irão adiante, porque estão recheados de mentiras e de contradições e também porque a luz e a força divina brilham no povo que está nas lutas coletivas jogando areia na engrenagem desses megaprojetos de morte. Entre estes, se destaca o 3º rodoanel de Belo Horizonte e região Metropolitana que é obra faraônica, autoritária, eleitoreira, ecocida, hidrocida, cavalo de troia, que, se construído, será Rodominério, RodoDesastre, RodoConurbação, RodoEspeculação etc. Por isso, este megaprojeto do rodoanel/rodominério exige rechaço implacável e não pode nem ser iniciado.

2 - Um Bezerro de Ouro como deus (Êxodo 32,1-6)

Após escapulir das garras do imperialismo egípcio, caminhando no deserto, sentindo a falta do líder Moisés, o povo, que já tinha amargado uns 500 anos debaixo do megaprojeto escravocrata dos faraós, escorregou e caiu feio na tentativa de manipular Javé, Deus solidário e libertador dos explorados. Pressionaram outra liderança já cooptada, Aarão: “Faça para nós um deus que caminhe à nossa frente” (Ex 32,1). As primeiras comunidades cristãs, sentindo as agruras dos templos de Jerusalém e de outros templos do império romano, e também sob o tormento da sinagoga enrijecida, ao fazer retrospectiva histórica, recordam que o povo "voltou" ao Egito ao dizer a Aarão: "Faça para nós deuses que nos guiem, porque não sabemos o que aconteceu com esse Moisés que nos tirou do Egito" (At 7,40). Projeto estúpido, pois como pode a criatura criar o criador? Queriam reduzir Javé a um ídolo, deus manipulável. Mas com o que seria feito o ídolo? "Tirem os brincos de ouro de suas mulheres, filhos e filhas, e tragam aqui" (Ex 32,2), bradou Aarão, em uma postura populista. Triste. Com o luxo da minoria dominante fizeram a estátua de um bezerro de ouro. Pior: saudaram o ídolo construído, mentindo: "Israel, este é o seu deus, que tirou você do Egito" (Ex 32,4). Desencadeou-se uma cascata de idolatria. Construíram altar diante do bezerro de ouro (Ex 32,5). Pararam de marchar no deserto rumo à terra prometida. Ofereceram holocaustos e sacrifícios. Ao invés de levantar para caminhar e lutar pelos seus direitos, o povo sentou-se, não para assembleiar-se, nem para uma celebração libertadora; levantou-se, não para marchar, mas para se divertir, "para comer e beber", o que apregoa os sistemas de morte. Era a recaída no sistema do imperialismo egípcio. Era a reintrojeção e assimilação dos ídolos que tanto os oprimiam. O livro de Atos dos Apóstolos, na Bíblia, diz: "voltaram ao Egito" (At 7,39), ao fazer o bezerro de ouro e cultuá-lo em uma megaidolatria.

Há muitas narrativas bíblicas que versam sobre a rebeldia do povo durante a caminhada de libertação no deserto rumo à terra prometida. Inúmeras vezes o povo recai e resolve voltar ao modus vivendi do Egito opressor. Moisés intercede a Javé pedindo que perdoe o povo. Deus perdoa inúmeras vezes, mas a idolatria do bezerro de ouro é um divisor de águas na postura de Javé. Se antes da confecção do ídolo bezerro de ouro Javé sempre perdoava, agora, após o bezerro de ouro, Javé não perdoará mais, porque o povo se tornou cabeça dura. Inicia-se a profecia de julgamento, da ira de Javé. Logo, buscar manipular o Deus da vida, mistério de infinito amor, é algo inadmissível. É fechamento no egocentrismo. É o que fazem os que usam e abusam do nome de Deus para criar uma fachada de honestidade, mas com objetivos escusos de empurrar goela abaixo políticas genocidas que causam morte e retrocesso em todas as áreas, como as que reinam no Brasil atualmente.

No discurso mais radical e revolucionário de Atos dos Apóstolos, o diácono Estevão, na iminência de ser linchado, discursa se defendendo: "Naqueles dias, construíram um bezerro, ofereceram um sacrifício ao ídolo e celebraram a obra de suas próprias mãos" (At 7,41). Estevão cita a idolatria no deserto para afirmar que desde a origem o povo de Deus tem sido rebelde e propenso a voltar-se para ídolos.

Parte do povo da Bíblia não somente adorou um bezerro de ouro, mas também "hostes do céu" (cf. 1 Rs 22,19; Jr 7,18; 19,13; Nee 9,6 (LXX)), o que denota estrelas e outros corpos celestiais e alguns espíritos ou anjos que governam os seus movimentos (At 7,42). Sem lideranças autênticas a marcha libertária não prossegue. Moisés, possuído por uma ira santa, queima o bezerro de ouro e o transforma em pó. Com idolatria não se brinca. Militante que é apaixonado pela causa dos oprimidos e com eles comunga as lutas libertárias deve ter a grandeza de gritar quando a luta se desencaminha. "Quem estiver do lado de Javé, venha até mim" (Ex 32,26), bradou Moisés. Enfim, megaprojetos beneficiam o grande capital. O que beneficia o povo é pequenos projetos multiplicados aos milhares.

Obs.: Os vídeos abaixo ilustram o assunto tratado acima, especificamente sobre um megaprojeto: o de se construir mais um Rodoanel em Belo Horizonte e Região Metropolitana.

1 – Frei Gilvander aponta brutal devastação socioambiental que Rodoanel causará em BH e RMBH - Vídeo 5 

2 - "O Rodoanel/RODOMINÉRIO causará brutal devastação em Belo Horizonte e RMBH" (Alenice Baeta). Vídeo 2

3 - "Rodoanel será Rodominério para Vale S/A ampliar mineração." (Henrique Lazarotti - Vídeo 1 - 15/04/2021

4 - Rodoanel - Rodominério - e seus impactos ao Meio Ambiente na Região Metropolitana de Belo Horizonte, MG

5 - Live – RODOANEL, RODOMINÉRIO! Escassez hídrica e os Impactos do Rodoanel em BH e RMBH

6 - LIVE 33 - IMPACTO DO RODOANEL EM BETIM E REGIÃO METROPOLITANA

7 – Audiência Pública na Comissão Externa da Câmara Federal que acompanha o Acordo da Vale S/A com o Governo de MG, audiência CONTRA o Rodoanel/Rodominério em Belo Horizonte e Região Metropolitana – 15/04/2021

Gilvander Moreira
é frei e padre da Ordem dos carmelitas; licenciado e bacharel em Filosofia pela UFPR; bacharel em Teologia pelo ITESP/SP; mestre em Ciências Bíblicas pelo Pontifício Instituto Bíblico de Roma, Itália; doutor em Educação pela FAE/UFMG; assessor da CPT, CEBI, CEBs, SAB e Ocupações Urbanas; professor de “Direitos Humanos e Movimentos Populares” em curso de pós-graduação do IDH, em Belo Horizonte, MG, autor de livros e artigos.

O texto reflete a opinião pessoal do autor, não necessariamente do Dom Total. O autor assume integral e exclusivamente responsabilidade pela sua opinião.

+ Artigos
Comentários