Carlos Ghosn é CEO da Aliança Global Renault-Nissan e Mitsubishi

Preso por crime fiscal, Renault mantém brasileiro Carlos Ghosn como CEO

Marca francesa já ensaia substituição de executivo suspeito de ocultar valores e utilizar ativos da Nissan em benefício próprio

Carlos Ghosn é CEO da Aliança Global Renault-Nissan e Mitsubishi
Carlos Ghosn é CEO da Aliança Global Renault-Nissan e Mitsubishi

Por Thiago Ventura

Preso por crimes fiscais no Japão, o executivo franco-brasileiro Carlos Ghosn permanece presidente e CEO do Groupe Renault. Foi o que decidiu o Conselho de Administração da Renault, durante reunião nessa terça (20). Havia a expectativa que ele fosse demitido de imediato.

Apesar disso, o conselho indicou Thierry Bolloré como Vice-Presidente Executivo, assumindo os mesmos poderes que Carlos Ghosn. Durante este período, o Conselho se reunirá regularmente para proteger os interesses da Renault e a sustentabilidade da Aliança com a Nissan e a Mitsubishi.

A Diretoria da Renault decidiu solicitar à Nissan, com base nos princípios de transparência, confiança e respeito mútuo estabelecidos na Carta da Aliança, mais informações sobre o andamento das investigações contra contra Ghosn.

Investigação feita no Japão  aponta que Ghosn e um diretor reportaram valores de compensação nos relatórios da Bolsa de Valores de Tóquio menores do que os reais. Ou seja, eles maquiavam os salários junto às autoridades fiscais japonesas. Além disso, usaram ativos da empresa em benefício próprio. A prática foi realizada por muitos anos.

Presidente do Conselho da Nissan, Ghosn é também o presidente e CEO da Aliança Nissan Renault. O executivo é também presidente do Conselho da Mitsubishi. A japonesa já sinalizou que pretende demiti-lo, assim como a Nissan.