Arquivo da categoria: Notícias

JulianaCoelho_FCA_01

Jovem engenheira é a primeira mulher a comandar fábrica da Fiat Chrysler na América Latina

Em apenas sete anos Juliana Coelho passou de trainee para Plant manager da FCA. Aos 31 anos, vai comandar mais de 5 mil funcionários em PE

JulianaCoelho_FCA_01

Uma jovem engenheira será a primeira mulher a comandar uma fábrica da Fiat Chrysler Automóveis (FCA) na América Latina. Trata-se de Juliana Coelho, que assume o cargo de Plant manager do Polo Automotivo Jeep, em Goiana (PE).  Juliana sucede o italiano Pierluigi Astorino , que assumiu o cargo de diretor de Manufatura para a América Latina. A fábrica tem mais de 5 mil funcionários e produz os modelos Jeep Renegade, Compass e Fiat Toro. Um novo SUV derivado da picape Toro vai ser também produzido no Nordeste.

“Estou feliz em estrear esse novo ciclo na FCA, é um desafio e eu gosto de desafios”, afirma a pernambucana, que começou sua trajetória no mercado automobilístico dentro do grupo. Juliana iniciou a carreira em 2013, como Especialista de Processo de Pintura, tendo passado por treinamentos on the job em fábricas da FCA na Itália e na Sérvia.

A nova manager entrou como trainee e fez parte do primeiro time de funcionários do Polo Automotivo Jeep.  Foi o primeiro emprego da moça. Desde então vem construindo uma carreira ascendente na empresa. Ela já foi supervisora e gerente da Pintura e gerente da Montagem na Jeep, além de, mais recentemente, ter chefiado a área de VLM (Vehicle Line Manufacturing), responsável por novos desenvolvimentos na manufatura, no Polo Automotivo Fiat, em Betim (MG).

Pernambucana de Olinda, Juliana formou-se em Engenharia Química porque pensava em seguir carreira na área de petróleo e gás, forte na região. Amava carros porque, quando criança, adorava passear com o pai nos diferentes modelos que ele dirigia pertencentes à locadora onde trabalhava.

Pierluigi Astorino assumiu o cargo de Diretor de Manufatura da Fiat Chrysler Automóveis para a América Latina
Pierluigi Astorino assumiu o cargo de Diretor de Manufatura da Fiat Chrysler Automóveis para a América Latina

Juliana assume a unidade de Goiana em plena pandemia do coronavírus, diante das previsões de queda de 40% nas vendas. A FCA vê na nova Strada a chance de manter a receita. Mas como o produto é feito em Betim, aumenta a pressão para um bom resultado também em Pernambuco.

. “O Polo Automotivo Jeep vem de um ciclo importante de aprimoramento em excelência em qualidade. Vamos continuar evoluindo dando ênfase ao desenvolvimento de produtos, a contínua melhoria de processos e investindo nas nossas pessoas, sem dúvidas um dos principais diferenciais da Jeep”.

Novo diretor

Aos 38 anos, Pierluigi Astorino iniciou sua carreira no Grupo FCA em 2006, na planta de Mirafiori, Itália. Destacou-se como International Projects Leader, com desenvolvimento de projetos nas plantas do grupo nas quatro regiões do globo. Ele sucede o também italiano Francesco Ciancia, nomeado para liderar a manufatura dos brands Maserati e Alfa Romeo na Itália.

Pierluigi foi um dos dos responsáveis pela implementação da planta Jeep no Brasil por três anos. Após essa experiência, foi responsável pela Engenharia de Manufatura da FCA. Em 2018, retornou à Goiana como Plant manager.

Ana Theresa Borsari, da PSA: única mulher na presidência de empresa da área atualmente
Ana Theresa Borsari, da PSA: única mulher na presidência de empresa da área atualmente

Mulheres na liderança

Não é comum ter mulheres em postos de liderança na área técnica da indústria automobilística no Brasil.  A General Motors (GM) já teve Sonia Campos como diretora da unidade de São Caetano do Sul (SP) de 2011 a 2015, enquanto a PSA Peugeot Citroën teve Ana Isabel Fernandes dirigindo a fábrica de Porto Real (RJ) de 2012 a 2014.

Em nível de presidência, apenas a PSA possui atualmente uma mulher no comando, Ana Theresa Borsari, no cargo desde 2015. Já a GM tem  Marina Willisch como como vice-presidente. O grupo americano também já teve presidentas Denise Johnson e Grace Lieblin no curto período de 2010 a 2012.

Redação com AE

 

bmw_320d_sport_line_36

BMW Série 3 de entrada muda de nome e ganha equipamentos na linha 2021

BMW 320i agora se chama 320i Sport GP  e passa a oferecer novas rodas e novidades de tecnologia. Preço parte de R$ 226,9 mil
bmw_320d_sport_line_36
Marca bávara anuncia chegada da linha 2021 da versão de entrada do Serie 3, que agora passa a chamar 320i GP no lugar de 320i Sport. Além do novo nome, o sedã ganha sistema de concierge, multimídia com navegação e preparação para Apple Car Play, além de sistema de reconhecimento de voz para comunicação com assistente pessoal inteligente.

Esse último chama ‘Live Cockpit’, um assistente pessoal inteligente que utiliza inteligência artificial.O 320i GP 2021 também ganha novo design das rodas, com a substituição dos modelos liga leve V Spoke de 18” pelo mais volumoso modelo de 18” de raios duplos.

bmw_320d_sport_line

Produzida na fábrica do BMW Group Brasil, em Araquari (SC), a sétima geração do Série 3 vem equipada com um motor BMW TwinPower Turbo de quatro cilindros em linha e 1.998 cm³, com 184 cavalos de potência (5.000 a 6.500 rpm) e torque de 300 Nm (1.350 a 4.000 rpm). O conjunto motriz, que inclui ainda tração traseira e câmbio automático de oito marchas, faz com que o sedã seja capaz de acelerar de 0 (zero) a 100 km/h em 7,1 segundos e atingir a velocidade máxima de 240 km/h.

Entre os principais itens de série, o Série 3 oferece sistemas de condução semiautônoma. Isso inclui o “Parking Assistant”, que estaciona o veículo sozinho e com precisão por meio de câmeras e sensores, e o “Reversing Assist”, que refaz em marcha a ré nos últimos 50 metros percorridos pelo veículo — ideal para uso em vias estreitas para manobras.

O modelo 320i GP é oferecido em seis opções de cores — a novidade Sunset Orange, além de Branco Alpino, Preto Safira, Prata Glacier, Branco Mineral e Cinza Mineral — e duas opções de combinação de revestimento interno: Sensatec Bege/Preto e Sensatec Preto/Preto.

O 320i GP será comercializado por R$ 226.950, mesmo preço que vinha sendo praticado com o 320i Sport até então. Porém, se consideramos o preço de lançamento, que comprou em julho de 2019 pagou R$ 31 mil menos. Naquela época, o sedã custava R$ 195.950

Por @thiagoventuracarros

#Carroesporteclube #BMW #carroec_bmw #CarroEC_bmw

Fiat-Palio-Economy-2011

Fiat e concessionária são condenadas a indenizar cliente por carro 0 km com defeito

 

Consumidora comprou um Fiat Palio Economy repleto de defeitos e agora vai receber R$ 21.5 mil de indenização por danos morais e materiais

Fiat-Palio-Economy-2011Uma decisão do Tribunal de Justiça de Minas condenou a Fiat Chrysler Automóveis (FCA)  e uma concessionária de Belo Horizonte a pagar R$ 21.250 de indenização a uma cliente que teve vários problemas com um carro zero quilômetro retirado em 2012. Na primeira instância, as empresas venceram, mas acórdão da 14ª Câmara Cível reformou a sentença, dando ganho de causa para a  cliente.

Segundo relato contido no processo, a cliente comprou um Fiat Palio Economy por R$31.250 em 19 dezembro de 2011 na concessionária Tecar Minas Automóveis e Serviços Ltda. Na data combinada para retirada, 04 de janeiro de 2012, percebeu que o carro estava com a tampa, o para-choques e a lanterna traseiros desalinhados, infiltração embaixo do banco esquerdo dianteiro e arranhão na lataria da lateral esquerda, entre outros.

Em busca dos reparos, a consumidora deixou o carro na oficina da Tecar no dia da sua retirada, e ele ficou lá até o dia 13 do mesmo mês. Após perceber que a empresa não tomou nenhum tipo de providência em relação ao caso, a cliente realizou um boletim de ocorrência e retirou seu veículo da oficina com os defeitos inicialmente constatados, para posterior reparo.

Ela narra que voltou à concessionária por inúmeras vezes para tentar resolver o problema. A consumidora declarou que ficou ao todo, em períodos diferentes, 49 dias sem o carro, retido para reparos.

Insatisfeita com o atendimento da concessionária e da montadora, ingressou com ação na Justiça, querendo ressarcimento dos prejuízos. O processo foi protocolado em agosto de 2012. Somente em outubro de 2019 saiu a sentença. Em Primeira Instância, ela perdeu a ainda foi condenada a pagar custas e honorários para os advogados das duas empresas. O juiz entendeu que o caso não era passível de dano moral e que, uma vez que o carro foi consertado, não havia prejuízo na depreciação.

Em recurso junto à 14ª Câmara Cível, a consumidora reclamou que prova pericial admitiu a existência dos defeitos por ocasião da compra do bem e que, por isso, as avarias no carro não podiam ser atreladas a um possível mau uso. Além disso, outra perícia aponta que o carro dela teria desvalorização de 20 a 30% em relação a um carro em perfeitas condições.

Ao analisar o caso, o desembargador Valdez Leite Machado não concordou com a sentença do juiz,  pois os fatos e provas comprovam que a cliente ficou privada da utilização do carro por alguns períodos significativos, além do desgaste emocional causado pelas inúmeras tentativas de solucionar o problema junto às empresas.

Citando o Código de Defesa do Consumidor (CDC), que assegura que “ambas respondem por quaisquer danos verificados no veículo zero quilômetro adquirido pelo consumidor”, o magistrado determinou que fabricante e concessionária devem indenizar solidariamente a consumidora.

O desembargador fixou em R$ 6.250 o valor devido em relação à desvalorização do veículo, por ter sido adquirido já com vários problemas, e o valor de R$15 mil, por danos morais, visando punir os responsáveis e evitar a reincidência do ato ilícito. As desembargadoras Evangelina Castilho Duarte e Cláudia Maia seguiram o mesmo entendimento. 

A decisão ainda pode ser questionada em instâncias superiores.

Volkswagen Nivus Industria 4 (2)

Indústria 4.0: Volkswagen Nivus é o primeiro projeto da marca feito 100% digital

Marca alemã reduziu para 10 meses o tempo de projeto graças a recursos de inteligência artificial e impressoras 3D. Desenvolvido no Brasil, Volkswagen Nivus será vendido na Europa

Desenvolvido no Brasil, Volkswagen Nivus será fabricado na Espanha em 2021

Thiago Ventura

Marca alemã começou a fabricar em São Bernardo do Campo (SP) as primeiras unidades para comercialização do inédito Nivus, veículo utilitário esportivo (SUV) compacto com estilo coupé.  O lançamento, que ainda não teve o preço revelado, é exemplo da indústria 4.0  nas montadoras de veículos. Segundo a marca, o tempo de projeto do carro foi reduzido de dois anos e meio a apenas dez meses.

Desenvolvido no Brasil, o carro teve seu projeto testado de forma digital, ao invés da fabricação de unidades em clay, um tipo especial de argila. Em projetos anteriores eram feitos de oito a dez unidades em clay.

“Foi tudo digital, inclusive o desenvolvimento das peças. É uma revolução histórica”, afirma Di Si, presidente da Volkswagen na América do SulO próprio lançamento do carro também foi digital em forma de live. Segundo a marca, foram 130 mil acessos  de concessionários, fornecedores, jornalistas e consumidores do Brasil e de outros 56 países.

O projeto do Volkswagen Nivus agradou a matriz alemã e o SUV coupé será produzido na Espanha no próximo ano.   A filial brasileira vai exportar o software da central de multimídia, outro produto de criação local que poderá ser configurado de acordo com as demandas locais.

Projeto 100% digital

O desenvolvimento do Nivus foi feito no Laboratório de Protótipo Virtual e a marca aponta para uma economia de 65% de custos em relação a projetos anteriores. Mesmo sendo um projeto global,em função da tecnologia, foi possível que mais de 70% das simulações ocorressem no Brasil virtualmente. No caso padrão ‘mulas’ do carro são enviadas a diferentes lugares do mundo para testar itens como segurança veicular, acústica, plataforma etc.

O laboratório utilizou ferramentas da indústria 4.0, como impressoras 3D e processos digitalizados, com alto nível de automação e inteligência artificial.  Além do projeto do carro, esse conceito de indústria também foi aplicado para antecipar a linha de montagem.

Os engenheiros analisaram de modo virtual todas as fases do processo produtivo, prevendo a  ergonomia e disposição dos equipamentos para maximizar a produção, antes mesmo de implementar a parte física da planta.  Isso é feito através de óculos de realidade virtual, roupa e luvas capazes de digitalizarem o movimento do homem para dentro do ambiente virtual e um projetor tridimensional que permite a várias pessoas ao mesmo tempo avaliar o processo em um ambiente 3D.

Nivus 2021

O Volkswagen Nivus 2021 tem 4.266 mm de comprimento, 1.757 mm de largura, 1.493 mm de altura e 2.566 mm de distância entre-eixos. O porta-malas oferece espaço de 415 litros.  A abertura da tampa do porta-malas pode ser feita por um dos ‘botões virtuais’ doa central multimídia VW Play.

O carro será vendido apenas com motor 1.0 turbo 200 TSI (família EA211) de três cilindros, flexfuel e com injeção direta de combustível. Este propulsor entrega até 128 cv (94 kw) de potência máxima e 200 Nm de torque, quando abastecido com etanol. A transmissão é automática de seis marchas. O motor 200 TSI é produzido na fábrica de São Carlos (SP) e equipa atualmente os modelos Polo, Virtus e T‑Cross. (Com AE e VW)

Agora a grade do carro é toda em preto nas versões básicas e intermediárias

Hyundai HB20 antecipa linha 2021 com pacote de segurança por R$ 1 mil

Compacto coreano pode vir com controle de estabilidade e tração e quatro airbags desde a versão básica. Confira os preços do HB20 2021

Agora a grade do carro é toda em preto nas versões básicas e intermediárias
Agora a grade do carro é toda em preto nas versões básicas e intermediárias

Para quem esperava uma mudança precoce no design da família HB20, principalmente após o lançamento o i20 na Europa, seguirá tudo igual. A Hyundai antecipa a linha 2021 para as versões do HB20 com motorização aspirada 1.0. No visual, mudam apenas a cor da grade frontal nas versões Sense, Vision e Evolution. Além disso, passa a oferecer um pacote de segurança opcional para encarar o novo Onix. Na prática, o opcional custa cerca de R$ 1 mil. As demais versões, com motor 1.6 ou 1.0 turboalimentado farão a migração mais adiante.

Por exemplo, a versão de entrada Sense 1.0 do HB20 conta agora com um novo pacote opcional que contempla ESP, TCS e HAC, incluindo sinalização de frenagem de emergência (ESS), e acrescenta dois airbags laterais – além dos dois airbags frontais de série.

HB20S Evolution 1.0
HB20S Evolution 1.0

A versão intermediária Evolution 1.0, que já vinha equipada com os itens de segurança ativa ESP, TCS e HAC de série, recebe como opcionais dois airbags laterais e câmera de ré. O preço para a versão Sense 1.0 com o novo pacote será R$ 48.990, sempre na carroceria hatchback. Já a versão Evolution 1.0, com seu novo pacote, custará R$ 55.990 (hatch) e R$ 60.990 (sedã).

O detalhe visual diz respeito à grade. Agora ele é sempre preta (antes era cinza ou cromada). Já as lanternas traseiras, as versões hatchback Vision e Evolution, que tinham cada uma a sua variação, recebem as lanternas tipo Black Bezel, que equipam atualmente o HB20X.

Tabela de Preços Hyundai HB20 20/21

Sense 1.0 MT – R$ 47.990
Sense 1.0 MT Pack Segurança – 48.990
Vision 1.0 MT – 51.690
Vision 1.0 MT Pack Segurança – R$ 52.690
Evolution 1.0 MT – R$ 54.990
Evolution 1.0 MT Pack Segurança – R$ 55.990

Tabela de Preços Hyundai HB20S 20/21
Vision 1.0 MT – 56.690
Vision 1.0 MT Pack Segurança – R$ 57.690
Evolution 1.0 MT — R$ 59.990
Evolution 1.0 MT Pack Segurança – R$ 60.990

HB20S Evolution 1.0
HB20S Evolution 1.0
Toyota Hilux 2021 Carro Esporte Clube (4)

Toyota Hilux 2021: picape ganha reestilização e motor mais potente

Picape média agora tem 204 cavalos e ganha central multimídia com mais recursos. Toyota Hilux 2021 chega neste ano no Brasil

Toyota Hilux 2021 Carro Esporte Clube (4)


A marca japonesa revelou nesta quinta na Tailândia e na Austrália a versão reestilizada da Hilux. Trata-se da segunda mudança visual da quarta geração, lançada em 2015. O modelo ficou com a dianteira mais encorpada, mas o grande destaque fica por conta da atualização mecânica. A Toyota Hilux 2021 deve chegar ao Brasil ainda neste ano.


Na dianteira, a grade está maior e tem formato trapezoidal e tem contornos que lembram o RAV4, SUV médio da marca. O para-choque pode receber apliques plásticos maiores e mais parrudos de acordo com a versão, denotando possíveis séries especiais que podemo ser lançadas no Brasil. Os faróis tem formato semelhante ao atual, mas agora são full-led em grande parte das versões.

Toyota Hilux 2021 Carro Esporte Clube (6)

 


Na traseira, lanternas em LED e uma nova posição para a câmera de ré, que agora fica escondida na maçaneta da tampa. A marca apresentou duas versões com visual mais invocado, a Invencible na Austrália ou Rocco, na Tailândia.

Na cabine, nada de grande novidade no painel. A Toyota aplicou alguns grafismos novos  e a picape pode vir com iluminação cortesia nas portas nas versões mais caras. Contudo, a Hilux 2021 ganha uma nova central multimídia mais moderna e com conexões Android Auto e Apple Carplay.

Toyota Hilux 2021 Carro Esporte Clube (2) Toyota Hilux 2021 Carro Esporte Clube (5)

Novidades mecânicas

O mais legal, contudo, está na parte mecânica. A engenharia da Toyota atualizou o motor turbodiesel 2.8, que salta de 177cv para 204 cv. O torque também foi aprimorado e chega aos 500 Nm. O objetivo é claro: manter a picape média em pé de igualdade com a concorrência. Amarok, S10 e Ranger, por exemplo, contam com motores acima dos 200 cv.

Essa melhoria, contudo, vale apenas para as versões com transmissão automática, nas manuais, mantém-se os 177 cv. Na Austrália, a Hilux terá versões com motor 2.4 turbodiesel de 150 cv e 2.7 a gasolina de 158 cv. Este último é o mesmo oferecido aqui, mas que chega aos 163 cv graças à tecnologia flex.

Versão que deve ser lançada no Brasil no final do ano
Versão que deve ser lançada no Brasil no final do ano


A Toyota anuncia ainda que aprimorou a suspensão, com novos ajustes para os amortecedores, buchas e design otimizado para as molas. Segundo o comunicado, o objetivo é oferecer mais conforto aos passageiros, mas sem comprometer a capacidade off-road.

No mercado asiático e Austrália, a Toyota Hilux chega já nas próximas semanas  e em julho deve desembarcar na Europa. É esperada para o Brasil no último trimestre deste ano,  como parte dos investimentos já anunciados para o mercado local e que, segundo a marca, não foram retirados mesmo com a crise do coronavírus.

Toyota Hilux 2021 Carro Esporte Clube (8) Toyota Hilux 2021 Carro Esporte Clube (7) Toyota Hilux 2021 Carro Esporte Clube (1)

Toyota-é-condenada-na-Justiça-após-demorar-sete-meses-para-entregar-um-carro

Toyota é condenada por atrasar em 7 meses a entrega de carro

Moradora de Patos de Minas comprou o carro à vista para fazer tratamento de câncer, mas montadora japonesa demorou para entregar o veículo 

A Toyota do Brasil foi condenada a indenizar uma mulher por danos morais, em R$10 mil, e materiais, em R$ 1,6 mil, por ter demorado mais de sete meses para entregar o veículo que a consumidora havia adquirido. A decisão, da 20ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais, confirma quase integralmente a sentença da Comarca de Patos de Minas.

A cliente comprou um Corolla GLi em abril de 2016 e pretendia usar o carro para viajar 400km até o Hospital do Câncer de Barretos, aonde fazia tratamento. Ela pagou integralmente R$54.654,88 pelo carro, após conseguir isenção de IPI e ICMS devido doença. Porém, o carro só foi entregue em 24/11/2016.

Segundo a consumidora, o atraso causou-lhe muito mais que meros aborrecimentos. Ela disse ter sofrido uma enorme angústia e um sentimento de incerteza e frustração quanto ao cumprimento do contrato estabelecido entre as partes, tendo já quitado a parcela inicial.

A Toyota alegou que a demora na entrega do veículo não impediu que a mulher comparecesse aos seus compromissos e que não há comprovação no processo de que houve dificuldade de locomoção e agravamento da doença devido ao ocorrido. Completou, ainda, que meros aborrecimentos e chateações não são justificativas para indenização por danos morais.

Em primeira instância, a Toyota foi condenada em março de 2019 e recorreu ao TJMG, solicitando o cancelamento dos danos morais ou a redução do valor. Contudo, o recurso foi negado.

O relator, desembargador Fernando Caldeira Brant, afirmou que o fato causou à consumidora “muito mais que meros aborrecimentos, mas, com certeza, uma enorme angústia e um sentimento de incerteza e frustração quanto ao cumprimento da obrigação pela empresa, pelos quais merece ser indenizada”.

Para basear seu voto, o magistrado buscou outros processos semelhantes no TJMG. Brant lembrou voto do desembargador Newton Teixeira Carvalho ao decidir manter os R$ 10 mil de indenização à consumidora da Toyota. “A indenização, por danos morais, deve ter caráter reparatório, sem ensejar enriquecimento sem causa, representando, ao ofendido, uma compensação justa pelo sofrimento experimentado e, ao ofensor, um desestímulo à reiteração do ato lesivo”, escreveu Teixeira.

O magistrado reformou a sentença apenas para mudar a data da incidência dos juros sobre as indenizações por danos morais e materiais, que deve ser a partir da citação da empresa. O acórdão foi publicado em 07/04/2020. A Toyota ainda pode recorrer da decisão.

Sebastian-Vettel

Sebastian Vettel anuncia saída da Ferrari ao final da temporada 2020

Piloto alemão teve uma  péssima temporada em 2019 na Fórmula 1 com o brilho da nova estrela Charles Leclerc; Vettel pode ir para Renault ou McLaren

Sebastian-Vettel

A Scuderia Ferrari e Sebastian Vettel decidiram em conjunto não estender o contrato atual para além da data de vencimento atual do final da temporada de Fórmula 1 de 2020. Ou seja, o alemão deixa a Ferrari na próxima temporada: “Meu relacionamento com a Scuderia Ferrari terminará no final de 2020. Para obter os melhores resultados possíveis neste esporte, é vital que todas as partes trabalhem em perfeita harmonia. Eu e a equipe percebemos que não há mais um desejo comum de permanecer juntos ao final desta temporada. Questões financeiras não tiveram parte nesta decisão conjunta. Essa não é a forma que considero certa para fazer boas escolhas e nunca será”, disse o piloto em comunicado. “O que está acontecendo nos últimos meses levou muitos de nós a refletir sobre quais são nossas verdadeiras prioridades na vida. É preciso usar a imaginação e adotar uma nova abordagem para uma situação que mudou. Eu mesmo reservarei o tempo necessário para refletir sobre o que realmente importa quando se trata do meu futuro”, completa.

O diretor da equipe, Mattia Binotto, lamentou a decisão e agradeceu o trabalho de Vettel na equipe até o momento. “Não foi uma decisão fácil, considerando o valor de Sebastian como piloto e como pessoa. Não havia nenhuma razão específica que levou a essa decisão, além da crença comum e amigável de que chegara a hora de seguirmos caminhos separados para alcançar nossos objetivos”, declarou.

Vettel acumula 14 vitórias em Grandes Prêmios, tornando-o o terceiro piloto mais bem-sucedido da Ferrari, além do que mais pontuou. Em cinco anos, o alemão ficou três vezes no terceiro lugar no mundial de pilotos.

A temporada de 2019 foi a pior de Vettel pela Ferrari, ao ter encerrado a temporada com a quinta posição e atrás do companheiro de equipe, o monegasco Charles Leclerc. Os dois, inclusive, tiveram uma série de desentendimentos ao longo do ano. Um dos momentos mais tensos foi a batida entre ambos durante o GP do Brasil, quando ambos abandonaram a prova.

Aos 32 anos, Vettel já passou pelas equipes BMW Sauber, Toro Rosso e Red Bull, pela qual faturou quatro títulos. Chegou à Ferrari em 2015 para substituir Fernando Alonso contratado a peso de ouro. Porém, não conseguiu o sonhado quinto título pela escuderia italiana.

Vettel deve procurar uma nova equipe a partir de 2021 e  Renault e McLaren já sinalizaram interesse no piloto. Charles Leclerc, por sua vez, pode ter a companhia de Daniel Ricciardo, da Renault, ou Carlos Sainz, da McLaren.

E agora? Para qual equipe vai? E quem será o seu substituto?

NOVOS-MOTORES-TURBO-DA-FIAT-E-PROJETO-363

Fiat e Jeep começam a fabricar motores turbo em outubro e Projeto 363 chega em 2021

Fiat Chrysler Automóveis (FCA) terá motores 1.0 e 1.3 turbinados para toda a gama; ‘SUV do Argo’ chega no primeiro trimestre do próximo ano

Entre as novidades, inédito motor 1.0 T da FCA vai equipar linha Fiat

Por Thiago Ventura

A crise do novo coronavírus atrasou mas não cancelou os planos de investimentos da Fiat Chrysler Automóveis (FCA). Em informação que divulgamos em primeira mão, o grupo ítalo-americano confirmou que os novos motores turbinados  começam a ser montados em outubro deste ano em Betim (MG). Além disso, o esperado SUV derivado do Argo (projeto 363) chega no primeiro semestre de 2021.

As informações foram confirmadas pelo assessor-técnico da FCA, Ricardo Dilser, durante uma live. Os novos motores serão utilizados em toda  a gama Fiat e Jeep. A saber, são 1.0 três cilindros e 1.3 quatro cilindros turbinados.

A nova gama de motores 1.0 (três cilindros – T3) e 1.3 (quatro cilindros – T4) GSE turbo da Fiat Chrysler Automóveis (FCA) virá acoplada com transmissão automática continuamente variável (CVT). Ainda não há informação oficial sobre a potência dos novos motores. Aposta dos nossos amigos do @AutosSegredos é que o 1.0 T será na casa dos 130 cv enquanto o 1.3T por volta de 180 cv.

LEIA TAMBÉM:

goiana

Crise do coronavirus: FCA tem prejuízo de 1,7 bilhão de euros

Na América Latina, as vendas somaram 106 mil unidades no período, com queda de 12%, principalmente devido à suspensão temporária da produção no Brasil 

goiana

A Fiat Chrysler Automobiles (FCA) anunciou nessa terça-feira os resultados do primeiro trimestre de 2020, que refletem os impactos da pandemia da Covid-19 sobre os negócios globais. A empresa reporta vendas de € 20,6 bilhões no período, o que representa uma retração de 16% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Foram comercializadas 818 mil unidades, com queda de 21% em relação ao primeiro trimestre de 2019. Foram registradas perda líquida de operações contínuas de € 1,7 bilhão e perda líquida ajustada de € 500 milhões. Apesar do impacto significativo da pandemia sobre a economia e os negócios, a FCA entregou um EBIT ajustado positivo de € 52 milhões.

As fábricas do grupo no mundo suspenderam a produção em momentos adequados e indicados para preservar a integridade e saúde dos trabalhadores em cada região. A empresa também se concentrou fortemente no apoio ao enfrentamento à Covid-19, colaborando com as autoridades e comunidades com a instalação de hospitais de campanha, reforma de ventiladores pulmonares, produção e doação de equipamentos, dentre outros.

Na América Latina, as vendas somaram 106 mil unidades no período, com queda de 12%, principalmente devido à suspensão temporária da produção no Brasil a partir de 23 de março. A receita líquida caiu 32%, para € 1,32 bilhão, principalmente devido à menor comercialização, bem como impactos a negativos de câmbio devido ao enfraquecimento do real.

Apesar dos prejuízos globais, a FCA e o Groupe PSA permanecem comprometidos com a fusão 50/50. A previsão é de as empresas concluam a transação até o final deste ano ou no início de 2021.

BRASIL

A  crise do coronavírus adiou os planos da FCA para o Brasil. Previstos para serem lançados neste ano, a nova geração do 500 elétrico (foto) e as versões híbridas de Jeep Renegade e Compass foram adiadas para 2021. Para o próximo ano, também teremos o projeto 363, o ‘SUV do Argo’ e outros dois SUVs novos, um da Fiat e outro da Fiat. E os motores turbo, conforme falamos em primeira mão, começam fabricados em outubro deste ano.