Arquivo da tag: moto

Proibição da prática foi vetada em 1997 e agora projeto dá regras para tráfego entre as faixas (Foto Marcos Alves/USP)

Projeto aprovado na Câmara legaliza tráfego de moto no corredor de trânsito

Prática não era proibida, mas é muito perigosa para os motociclistas. PL 3.267 altera várias regras do Código de Trânsito Brasileiro

Proibição da prática foi vetada em 1997 e agora projeto dá regras para tráfego entre as faixas (Foto Marcos Alves/USP)
Proibição da prática foi vetada em 1997 e agora projeto dá regras para tráfego entre as faixas (Foto Marcos Alves/USP)


Thiago Ventura

O projeto de lei (PL 3.267/2019 aprovado na Câmara dos Deputados que altera o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) legaliza uma prática que irrita 11 a cada 10 motoristas no trânsito: motocicletas e ciclomotores podem andar no corredor entre as faixas no mesmo sentido. O texto ainda está em tramitação no Senado Federal e após aprovação e sanção presidencial, entra em vigor no prazo de 180 dias.

O projeto de autoria do poder executivo altera vários dispositivos da Lei nº 9.503, de 23 de setembro de 1997 (Código de Trânsito Brasileiro), entre eles o artigo 56.  Vetado no texto original, agora o CTB vai oficializa a prática comum nas grandes cidades.  A novidade, contudo, também estabelece algumas regras para os motociclistas.

Segundo o PL 3.267, esses veículos podem trafegar entre as faixas somente quando o fluxo estiver parado ou lento. O texto ainda afirma que o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) poderá regulamentar essa operação.

Além disso, o projeto estabelece que as motos, motonetas e ciclomotores podem rodar somente entre as duas faixas mais a esquerda da via e nunca na contramão de direção.  E essa ultrapassagem nunca poderá ser feita entre a faixa da direita e a calçada. Da mesma forma, é vetado que as motores utilizem o espaço ao lado da faixa exclusiva para ônibus à esquerda, como no caso dos sistemas MOVE em Belo Horizonte.

O projeto 3.267 não determina qual a velocidade máxima das motocicletas, motonetas e ciclomotores nessa situação, mas afirma que “deve ocorrer em velocidade compatível com a segurança de pedestres, ciclistas e demais veículos”.

Prática não era proibida

A novidade do assunto contido no projeto é de legalizar a prática, muitas vezes feita de forma arriscada pelos motociclistas. Isso porque a redação original do projeto, em 1997, pretendia proibir esse tráfego entre as faixas, mas o artigo 56 foi vetado pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB).  Sem o proibição expressa,  a prática não era considerada, por si só, uma infração de trânsito.

Com a nova redação proposta pelo PL 3.267/2019, os condutores poderão fazê-lo, mas agora com regras mais claras.  Porém, o novo texto permite que a conduta seja feita apenas nas cidades. Em estradas, as motos devem permanecer na faixa de rodagem e ultrapassar veículos lentos dentro das regras previstas para a manobra.

Para evitar acidentes, os motociclistas costumam trafegar no corredor de carros buzinando. Apesar de que o movimento será legalizado, a utilizar a buzina para esse fim segue proibido.  O artigo  227 do CTB diz que ‘acionar a buzina de modo constante ou no entorno de hospitais e outros locais proibidos por sinalização e entre as 22h e 6h é infração leve’.  Nesse cado o infrator leva três pontos na CNH e multa no valor de R$ R$ 88,38.

A prática não é proibida, mas muito perigosa. A dica para os motociclistas é andar no corredor quando os veículos estiverem parados. Além disso, o condutor deve evitar pontos cegos para os motoristas de ônibus e automóveis, sinalizando com antecedência o que for fazer. Também é recomendado manter distância segura da moto que vai a frente no corredor e evitar o ‘zig zag’ entre os carros.

Leia como ficará o artigo 56 com o PL 3.267/2019

“Art. 56-A. É admitida a passagem de  entre veículos de faixas adjacentes no mesmo sentido da via quando o fluxo de veículos estiver parado ou lento, conforme regulamentação do Contran.

  • 1º Se houver mais de duas faixas de circulação, a passagem somente será admitida no espaço entre as duas faixas mais à esquerda.
  • 2º Se houver faixa exclusiva para veículos de transporte coletivo à esquerda da pista, esta será desconsiderada para fins do disposto no § 1º deste artigo.
  • 3º Não será admitida a passagem entre a calçada e os veículos na faixa a ela adjacente.
  • 4º A passagem de motocicletas, motonetas e ciclomotores entre veículos de faixas adjacentes deve ocorrer em velocidade compatível com a segurança de pedestres, ciclistas e demais veículos.
  • 5º Os órgãos e entidades com circunscrição sobre a via poderão implementar áreas de espera específicas para os veículos de que trata o caput deste artigo, junto aos semáforos, imediatamente à frente da linha de retenção dos demais veículos, na forma definida pelo Contran.”
nera-3d-printed-electric-motorcycle-1

Startup alemã cria motocicleta elétrica com impressora 3D

Moto elétrica Nera teve os seus componentes confeccionados por impressoras 3D , inclusive as rodas e o sistema de amortecimento!

nera-3d-printed-electric-motorcycle-1

Por Thiago Ventura

As possibilidades de aplicação de novas tecnologias como a impressão 3D não param de crescer. A startup alemã BigRep, especializada nesse tipo de tecnologia revelou a moto-conceito Nera: trata-se da primeira moto elétrica feita totalmente em impressora 3D!

O veículo, de 190 cm de comprimento e 90 cm de altura, possui todos os componentes de carroceria e carenagem impressos. Partes elétricas, motor e bateria, contudo são ‘convencionais’. São apenas 15 componentes: rodas, quadro, assento e até os pneus – que não usam câmaras de ar – foram impressos! Além disso, utiliza amortecedores flexíveis em vez de suspensão.

O design futurista da moto foi criado pela empresa alemã. Contudo, o veículo não deverá ser produzido em série. Trata-se de um estudo das possibilidades da tecnologia A empresa pontua que a Nera ilustra os enormes benefícios que a impressão 3D oferece para a produção de peças de uso final, particularmente para tamanhos de lote entre um lote e outro, reduzindo prazos e custos, otimizando cadeias de suprimentos e limitando a dependência de redes de fornecedores.

Na construção da NERA, os engenheiros não adaptaram simplesmente os projetos de motocicletas existentes, mas imaginaram uma moto para a tecnologia FFF (fabricação por filamento fundido) de grande formato, estabelecendo uma referência para um design verdadeiramente criativo, quebrando os limites da engenharia mecânica tradicional.

“A Nera combina várias inovações desenvolvidas, como o pneu sem ar, a integração funcional e a tecnologia de sensores incorporados”, explica Daniel Büning, co-fundador e diretor administrativo da NOWLAB, que pertence à BigRep. “Esta motos e nossos outros protótipos aumentam os limites da criatividade de engenharia e reformularemos a tecnologia AM (Additive Manufacturing) como a conhecemos. ”

nera-3d-printed-electric-motorcycle-4
Nera-moto-elétrica