Arquivo da tag: segurança

Ônibus com cinto três pontos para passageiros (Volvo/Divulgação)

Argentina torna obrigatório cinto três pontos para passageiros de ônibus

Medida vale para viagens em longa distâncias. No Brasil, ônibus intermunicipais oferecem cintos abdominais

Ônibus com cinto três pontos para passageiros (Volvo/Divulgação)
Ônibus com cinto três pontos para passageiros (Volvo/Divulgação)

 

O Ministério dos Transportes da Argentina publicou nesta semana uma resolução no Diário Oficial para que os ônibus de longa distância ofereçam cintos de segurança com três pontos para todos os passageiros. Segundo o texto, as empresas têm seis meses para se adaptar à nova regra.

Aa medida é válida para os ônibus 0km emplacados a partir de meados de 2020. O cinto deve ser do tipo três pontos e retrátil e os passageiros só podem deixar de utilizá-lo para ir ao banheiro, por exemplo. Caso o veículo tenha sistema de vídeo, deverá sempre exibir mensagem de segurança sobre o uso correto do cinto.O texto cita recomendações das Nações Unidas para segurança no trânsito, mas não fala sobre sobre multas, para  passageiro ou empresa, pela não utilização do equipamento. Contudo, a norma pode ter implicações com outras regras do ordenamento jurídico daquele país.No Brasil, os ônibus interurbanos devem oferecer cinto aos passageiros, mas o texto não estipula se é  do tipo três pontos. Normalmente são oferecidos apenas os cintos abdominais (dois pontos).

Em 2012, o PL 4254/2012 na Câmara dos Deputados, de autoria do então deputado Geraldo Resende (PMDB-MS) previa a obrigatoriedade do cinto três pontos para ônibus. Contudo, o projeto foi rejeitado e arquivado pela comissão de Viação e Transportes em 2015.

Volvo-assento-de-ônibus-com-cinto-três-pontosSeja dois ou três pontos, a realidade no Brasil é que muita gente NÃO usa o cinto. Levantamento feito em abril de 2019 pelo projeto “Passageiro consciente viaja de cinto!”, da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), constatou que apenas quatro em cada dez passageiros de ônibus de viagem municipal estavam usando o cinto e segurança. Os dados são preliminares. O levantamento foi feito nas cidades paranaenses de Ponta Grossa, Curitiba, Maringá, Londrina e Cascavel, levando informações a cerca de 6,7 mil passageiros.

O que você acha da ideia dos hermanos?

LEIA A RESOLUÇÃO NA ÍNTEGRA ! (em espanhol)

Publicación del Boletín Oficial
Resolución 149/2019 – RESOL-2019-149-APN-SECGT#MTR

Ciudad de Buenos Aires, 21/10/2019 – VISTO el Expediente N° EX-2019-69215860-APN-SSTA#MTR del Registro del MINISTERIO DE TRANSPORTE, la Ley N° 26.363, los Decretos N° 958 de fecha 16 de junio de 1992, N° 808 de fecha 21 de noviembre de 1995, N° 1388 de fecha 29 de noviembre de 1996, N° 818 de fecha 11 de septiembre de 2018 y N° 174 de fecha 2 de marzo de 2018, y

CONSIDERANDO:

Que el Decreto N° 958 de fecha 16 de junio de 1992, modificado por los Decretos N° 808 de fecha 21 de noviembre de 1995, y N° 818 de fecha 11 de septiembre de 2018, creó el REGISTRO NACIONAL DEL TRANSPORTE DE PASAJEROS POR AUTOMOTOR y estableció las pautas para la prestación del servicio de transporte por automotor de pasajeros a realizarse: a) entre las Provincias y Ciudad Autónoma de Buenos Aires; b) entre Provincias; c) en los Puertos y Aeropuertos nacionales, entre ellos, o entre cualquiera de ellos y la Ciudad Autónoma de Buenos Aires o las Provincias.

Que en dicha norma se clasifica el transporte automotor en Servicios Públicos, Servicios de Tráfico Libre, Servicios Ejecutivos, Servicios de Transporte para el Turismo, y los que en el futuro establezca la Autoridad de Aplicación.

Que es deber del ESTADO NACIONAL adoptar las medidas tendientes a garantizar la seguridad de los usuarios de Servicios de Transporte por Automotor de Pasajeros.

Que entre las medidas de seguridad más relevantes en materia de transporte automotor se encuentra el uso del cinturón de seguridad por tratarse de un dispositivo cuya utilización tiene un impacto considerablemente efectivo en casos de accidentes viales.

Que a pesar de las exigencias y condiciones de seguridad que se encuentran vigentes para los Servicios de Transporte de Pasajeros por Automotor de Carácter Interurbano de Jurisdicción Nacional, de la experiencia colectada resulta posible observar el relevante número de accidentes viales, en donde el saldo de víctimas y heridos encuentran explicación en la falta del uso de los cinturones de seguridad, lo que provoca que el pasajero sea eyectado de su asiento impactando dentro del interior del vehículo sobre diversos puntos agresivos de la estructura o sobre el vano de las ventanillas.

Que en esa línea, resulta oportuno aprobar un Protocolo de Seguridad para los Servicios de Transporte por Automotor de Pasajeros de Carácter Interurbano de Jurisdicción Nacional, que contemple medidas tendientes a concientizar al pasaje sobre los beneficios del uso del cinturón de seguridad en los buses y establecer mecanismos mandatorios para que el personal de a bordo verifique el uso de este equipamiento como condición esencial para la prestación segura de los servicios.

Que la COMISIÓN NACIONAL DEL TRÁNSITO Y LA SEGURIDAD VIAL, órgano desconcentrado actuante en el ámbito de la SUBSECRETARÍA DE TRANSPORTE AUTOMOTOR, ha elaborado el informe técnico del que surge que del análisis de varios accidentes recientes, se ha verificado la robustez de las unidades desde el punto de vista estructural, no obstante algunos han sido muy graves con un saldo importante de víctimas y heridos graves.

Que conforme surge del informe de la citada Comisión la gravedad de los siniestros encuentran explicación en la falta de uso de los cinturones de seguridad por parte del pasaje, lo que provoca que el mismo no permanezca contenido en el espacio de supervivencia para lo cual está diseñado el bus y por el contrario sea eyectado de su asiento impactando dentro del interior del micro sobre diversos puntos agresivos de la estructura o sobre el vano de las ventanilla.

Que resulta imperioso generar todas las acciones tendientes a concientizar al pasaje sobre los beneficios del uso del cinturón de seguridad en los buses y establecer mecanismos mandatorios para que el personal de a bordo verifique el uso de este equipamiento como condición esencial para la prestación segura de los servicios.

Que mediante el Decreto N° 1388 de fecha 29 de noviembre de 1996 se establecieron los objetivos de la COMISIÓN NACIONAL DE REGULACIÓN DEL TRANSPORTE, entre los que se destaca el de promover mayor seguridad, calidad y eficiencia en el servicio, mejor operación, confiabilidad, igualdad y uso generalizado del sistema de transporte automotor de pasajeros, asegurando un adecuado desenvolvimiento en todas sus modalidades, como así también se estipularon las potestades de dicho organismo, entre las que cabe señalar las de aplicar y hacer cumplir las leyes, decretos y demás normas reglamentarias en materia de transporte, fiscalizar las actividades de las empresas y operadores de transporte automotor y aplicar las sanciones previstas en las distintas normas legales relacionadas con el transporte y las penalidades fijadas en la normativa vigente y en los contratos de concesión vigentes.

Que conforme la Ley N° 26.363, la AGENCIA NACIONAL DE SEGURIDAD VIAL posee como funciones coordinar, impulsar y fiscalizar la implementación de las políticas y medidas estratégicas para el desarrollo de un tránsito seguro en todo el territorio nacional y elaborar campañas de concientización en seguridad vial.

Que entre los objetivos de la SECRETARÍA DE GESTIÓN DE TRANSPORTE estipulados mediante el Decreto N° 174 de fecha 2 de marzo de 2018, se encuentra el de entender en la gestión de los modos de transporte de jurisdicción nacional, bajo las modalidades, terrestre, fluvial, marítimo de carácter nacional y/o internacional, y de las vías navegables.

Que la COMISIÓN NACIONAL DE REGULACIÓN DEL TRANSPORTE y la AGENCIA NACIONAL DE SEGURIDAD VIAL, órganos descentralizados actuantes bajo la órbita del MINISTERIO DE TRANSPORTE, han tomado la intervención de sus competencias.

Que la DIRECCIÓN GENERAL DE ASUNTOS JURÍDICOS dependiente de la SUBSECRETARÍA DE COORDINACIÓN ADMINISTRATIVA del MINISTERIO DE TRANSPORTE, ha tomado la intervención de su competencia.

Que la presente resolución se dicta en virtud de las atribuciones conferidas por los Decretos N° 958 de fecha 16 de junio de 1992 y N° 174 de fecha 2 de marzo de 2018.

Por ello,

EL SECRETARIO DE GESTIÓN DE TRANSPORTE

RESUELVE:

ARTÍCULO 1°.- Establécese que todos los servicios regulados por el Decreto N° 958 de fecha 16 de junio de 1992 y sus modificatorios, deberán satisfacer el “Protocolo de Seguridad para los Servicios de Transporte por Automotor de Pasajeros de Carácter Interurbano”, que como ANEXO (IF-2019-81754811APN-SSTA#MTR) forma parte de la presente resolución.

ARTÍCULO 2°.- Solicítase a la COMISIÓN NACIONAL DE REGULACIÓN DEL TRANSPORTE, órgano descentralizado actuante bajo la órbita del MINISTERIO DE TRANSPORTE, que establezca operativos de concientización a los fines de la implementación de la presente medida.

ARTÍCULO 3°.- Establécese un período de SEIS (6) meses contados desde la entrada en vigencia de la presente, durante el cual se desarrollará una fiscalización educativa a implementarse por parte de la COMISIÓN NACIONAL DE REGULACIÓN DEL TRANSPORTE.

ARTÍCULO 4°.- Recomiéndase a los operadores de los servicios regulados por el Decreto N° 958 de fecha 16 de junio de 1992 y sus modificatorios, la aplicación en los asientos de los pasajeros de los buses 0 km de cinturones de seguridad de TRES (3) puntos retráctiles, que satisfagan el REGLAMENTO 14 de la COMISIÓN ECONÓMICA DE LAS NACIONES UNIDAS PARA EUROPA (CEPE).

Los operadores que apliquen lo dispuesto en el párrafo precedente podrán publicitar en las unidades con esta tecnología, una leyenda que indique que el vehículo cumple con las recomendaciones de seguridad efectuadas por el MINISTERIO DE TRANSPORTE, cuyas características técnicas serán definidas por la COMISIÓN NACIONAL DE REGULACIÓN DEL TRANSPORTE”.

ARTÍCULO 5°.- Solicítase a la AGENCIA NACIONAL DE SEGURIDAD VIAL, organismo descentralizado actuante en el ámbito del MINISTERIO DE TRANSPORTE, la realización de una campaña de difusión pública relativa a la importancia del uso del cinturón de seguridad en las unidades afectadas al Transporte por Automotor de Pasajeros de Carácter Interurbano de Jurisdicción Nacional.

ARTÍCULO 6°.- La presente medida entrará en vigencia a partir del día siguiente al de su publicación en el Boletín Oficial.

ARTÍCULO 7°.- Comuníquese a la COMISIÓN NACIONAL DE REGULACIÓN DEL TRANSPORTE, a la AGENCIA NACIONAL DE SEGURIDAD VIAL, al MINISTERIO DE SEGURIDAD, a las Cámaras Representativas del Transporte Automotor de Pasajeros y a los Operadores de los Servicios regulados por el Decreto N° 958/92.

ARTÍCULO 8°.- Comuníquese, publíquese y dése a la DIRECCIÓN NACIONAL DEL REGISTRO OFICIAL. Hector Guillermo Krantzer

Fecha de publicación 22/10/2019

Carros-Autonomos

Carros autônomos podem melhorar o trânsito em 35%

Pesquisadores britânicos fizeram uma estrada em miniatura e testaram várias opções de tráfego com carros autônomos

Carros-Autonomos

Uma pesquisa feita na Universidade de Cambridge, no Reino Unido, aponta que a presença de carros autônomos poderia melhorar o trânsito nas cidades em 35%,  se comparados com motoristas humanos. Na verdade, o percentual poderia ser até maior: a melhoria no tráfego é de 45% na comparação com um “motorista imprudente”.  Os resultados da pesquisa foram apresentados na Conferência Internacional sobre Robótica e Automação (ICRA) em Montreal.

Para fazer o experimento, os pesquisadores programaram uma frota de carros robóticos em miniatura para dirigir em uma estrada com duas pistas e observaram como o fluxo de tráfego mudou quando um dos carros parou.  Cada carrinho ganhou  sensores de captura de movimento e um placa Raspberry Pi, para que  pudessem se comunicar via wifi.

Foram desenvolvidos algoritmos para gerenciar autonomamente os carrinhos:  o algoritmo original decide quando um carro deve mudar de faixa, considerando se é seguro fazê-lo e se a mudança de faixa ajudaria o carro a se movimentar mais rapidamente no trânsito. Um segundo algoritmo permitiu que os carros detectassem um carro projetado na frente dele e abrissem espaço.

 

Quando os carros não estavam dirigindo cooperativamente, qualquer carro atrás do carro parado tinha que parar ou desacelerar e esperar por uma brecha para ultrapassá-lo, como normalmente ocorreria em uma estrada real. Nessa situação, uma fila  rapidamente se formou atrás do carro parado, diminuindo o fluxo geral do tráfego naquela estrada em miniatura.

No experimento seguinte, os pesquisadores programaram os carros para se comunicar uns com os outros, tecnologia conhecida como Internet das Coisas ( IoT). Os carrinhos passaram a dirigir cooperativamente:  assim que um parava na pista interna, ele enviava um sinal para todos os outros carros. Os carros na faixa externa que ficavam nas proximidades do carro parado diminuíam ligeiramente para que os carros na pista interna pudessem passar rapidamente pelo carro parado sem ter que parar ou diminuir significativamente.

 

Numa terceira avaliação, um dos carrinhos passou a ser dirigido por controle remoto por um dos pesquisadores. O carrinho passou a trafegar de maneira agressiva, enquanto os carros autônomos seguiam o curso evitando o ‘apressadinho’.

Os pesquisadores, alunos de graduação sob supervisão da professora Amanda Prorok, do Departamento de Ciência da Computação e Tecnologia de Cambridge,  fizeram então um comparativo em relação à fluidez no tráfego no estudo. No modo normal, a condução cooperativa melhorou o fluxo de tráfego em 35% em relação à direção egocêntrica. Em relação a  uma condução agressiva, a melhoria foi de 45%.

“Carros autônomos podem resolver vários problemas associados à condução nas cidades, mas é preciso que haja uma maneira de eles trabalharem juntos”, disse o coautor Michael He, estudante de do St John’s College, que projetou os algoritmos para o experimento.

Muitos testes existentes para múltiplos carros autônomos sem motorista são feitos digitalmente, ou com modelos em escala que são muito grandes ou muito caros para realizar experimentos em ambientes fechados com frotas de carros.

Começando com modelos em escala de baixo custo de veículos comercialmente disponíveis com sistemas de direção realistas, os pesquisadores de Cambridge adaptaram os carros com sensores de captura de movimento e um Raspberry Pi, para que os carros pudessem se comunicar via wifi.

Eles então adaptaram um algoritmo de mudança de faixa para carros autônomos para trabalhar com uma frota de carros. O algoritmo original decide quando um carro deve mudar de faixa, com base em se é seguro fazê-lo e se a mudança de faixa ajudaria o carro a se movimentar mais rapidamente no trânsito. O algoritmo adaptado permite que os carros sejam embalados mais de perto quando mudam de faixa e adiciona uma restrição de segurança para evitar falhas quando as velocidades são baixas. Um segundo algoritmo permitiu que os carros detectassem um carro projetado na frente dele e abrissem espaço.

Eles então testaram a frota em modos de condução “egocêntricos” e “cooperativos”, usando comportamentos normais e agressivos de direção, e observaram como a frota reagiu a um carro parado. No modo normal, a condução cooperativa melhorou o fluxo de tráfego em 35% em relação à direção egocêntrica, enquanto que para uma condução agressiva, a melhoria foi de 45%. Os pesquisadores então testaram como a frota reagiu a um único carro controlado por um humano por meio de um joystick.

“Nosso projeto permite uma ampla gama de experimentos práticos e de baixo custo a serem realizados em carros autônomos”, disse Prorok. “Para carros autônomos serem usados ​​com segurança em estradas reais, precisamos saber como eles vão interagir uns com os outros para melhorar a segurança e o fluxo de tráfego”, completa a professora.

Na próxima pesquisa, o grupo pretende incluir mais variáveis no trânsito para testar situações mais complexas e reais para uma futura aplicabilidade real dos sistemas de direção autônoma.

 

Apesar de maior e mais caro, Renault Sandero tem segurança pior que o subcompacto Kwid.

Renault Sandero e Logan decepcionam em crash test do LatinNCAP

Modelos franceses recebem apenas uma estrela de segurança das cinco possíveis em teste de segurança

Apesar de maior e mais caro, Renault Sandero tem segurança pior que o subcompacto Kwid.
Apesar de maior e mais caro, Renault Sandero tem segurança pior que o subcompacto Kwid.

Por Thiago Ventura

Má notícia para proprietários do modelo compacto da Renault em teste de colisão revelado nesta terça-feira, na terceira série de resultados de 2018 do Latin NCAP,  o Programa de Avaliação de Veículos Novos para a América Latina e o Caribe. O hatch Sandero e o sedã Logan tiveram desempenho decepcionante com uma estrela para a Proteção do Ocupante Adulto e três estrelas para a Proteção do Ocupante Infantil.

A má nota aconteceu principalmente no impacto lateral. Apesar de Sandero/Logan contar com barras laterais nas portas, a falta de uma estrutura de melhor desempenho e dispositivos de absorção de energia prejudica bastante a segurança dos passageiros.

Além disso, o LatinNCAP criticou a ausência de cintos de três pontos em todos os bancos e por não ter Isofix como equipamento padrão. Esse fato surpreende levando em conta que o Sandero lançado na África, testado pelo Global NCAP, possui cintos de três pontos em todos os assentos, bem como ISOFIX como equipamento padrão. A Renault confirmou que irá melhorar o desempenho de segurança do Sandero/Logan.

Renault-Logan-Crash-Test--2018

“É uma enorme preocupação para o Latin NCAP que ainda um dos modelos mais vendidos na região, como é o Sandero/Logan, ofereça um nível de proteção tão baixo, que não possua ESC e tenha uma proteção mínima contra impactos laterais”, comentou Alejandro Furas, Secretário Geral do Latin NCAP.

Um detalhe instigante é que a dupla teve desempenho pior que o Kwid. O subcompacto é mais barato que Logan e Sandero, mas possui Isofix e quatro airbags, o que garantiu três estrelas no LatinNCAP.

O presidente da Comissão Diretiva do Latin NCAP, Ricardo Morales Rúbio, criticou os maus resultados de modelos mais acessíveis. “Os últimos resultados do Latin NCAP mostram claramente as consequências da falta de regulamentações sólidas em toda a região da América Latina e do Caribe. Os carros mais vendidos ganham, ainda, resultados decepcionantes, sendo isso inaceitável para os consumidores. Alentamos a melhorar esses modelos à brevidade, assumindo ações claras de responsabilidade corporativa que serão refletidas em vidas salvas”, disse.

Ford Ka Crash Test

Ford Ka leva nota zero em crash test do LatinNCAP

Compacto fabricado no Brasil foi reprovado no impacto lateral e apresenta segurança pior do que veículos de 20 anos atrás na Europa.

Ford Ka Crash Test

Por Thiago Ventura
Portal DomTotal

Mais um mau resultado para o consumidor brasileiro no quesito segurança veicular. O Programa de Avaliação de Veículos Novos para a América Latina e o Caribe, o LatinNCAP, revelou nessa quarta-feira que o Ford Ka recebeu zero estrela de cinco possíveis no tocante à proteção ao passageiros adultos. Já na Proteção do Ocupante Infantil, foram três estrelas.

Em 2015 o carro foi avaliado com quatro estrelas. No entanto, agora com o teste de impacto lateral e com os novos protocolos de segurança, a nova nota foi bem pior, mesmo com airbag duplo.

O Ka apresentou um desempenho pobre no teste de impacto lateral, mostrando níveis altos de lesões no peito do ocupante adulto, penetração profunda do pilar B no habitáculo e abertura da porta. O Ka não proporciona dispositivos de absorção de energia de impacto lateral em sua estrutura nem no painel interior nas portas.

Assista ao vídeo:

Levando em conta os resultados dos testes, o Ka não foi aprovado conforme a norma básica de proteção contra impactos laterais das Nações Unidas (UN95), obrigatória na Europa desde 1995. Ou seja, apesar de regular dentro das normas brasileiras, mostra-se mais inseguro que um carro europeu de 20 anos atrás.

A proteção infantil foi aceitável no teste de batida. Contudo, o modelo não oferece cintos de três pontos em todas as posições, a sinalização de ancoragens ISOFIX é deficiente e não conta com a possibilidade de desligar o airbag do passageiro na hora de instalar um Sistema de Retenção Infantil (SRI) olhando para trás, motivos adicionais para a redução da pontuação. A porta traseira direita foi aberta no teste de impacto lateral, expondo os passageiros crianças a riscos maiores.