Blog CULTURA

A reedição dos suplementos

03/09/2014 06:00:00

Por Carlos Ávila

Murilo Rubião, escritor mineiro criador do 'Suplemento Literário'.
Murilo Rubião, escritor mineiro criador do ‘Suplemento Literário’.

Nota recente na imprensa fala na reunião e reedição de números do extinto suplemento cultural “Nicolau”, de saudosa memória. O jornal, em formato tabloide, era editado pela Secretaria de Cultura do Paraná. A reedição, ainda segundo a nota, traz os 60 exemplares lançados entre 1987 e 1996, período em que o jornal circulou publicando importantes escritores de todo o Brasil e revelando, particularmente, autores paranaenses (como, por exemplo, Valêncio Xavier, com sua criativa prosa icônica). O ficcionista Wilson Bueno (1949/2010) editou o jornal numa de suas melhores fases. Numa época pré-internet, suplementos impressos como o “Nicolau” tinham grande força e presença na cultura do país.

Em Minas, é bastante conhecida a história do importante “Suplemento Literário”. Criado pelo contista Murilo Rubião (1916/1991), no âmbito da Imprensa Oficial, ele começou a circular em 1966. Entre os colaboradores, de todo o país e até do exterior, estava gente do calibre de Carlos Drummond de Andrade, Murilo Mendes, Guimarães Rosa e Haroldo de Campos. O “Suplemento” passou por períodos melhores e piores (inclusive com algumas interrupções), conforme sopravam os ventos políticos e editoriais; ainda sobrevive no impresso, mas com editoria fraca; periodicidade e distribuição precárias.

Em 2012, na comemoração dos 120 anos da Imprensa Oficial/MG, foi lançada uma bela edição fac-similar com os 18 primeiros números do “Suplemento” – sua fase inicial. Espera-se que, a exemplo do “Nicolau”, todas as suas edições sejam reunidas e relançadas também (embora já estejam disponibilizadas num site da Biblioteca da Faculdade de Letras, da UFMG, para consultas e pesquisas: http://www.letras.ufmg.br/websuplit/).

Outros suplementos, de outras partes do país, também já foram reeditados em fac-símile. É o caso do “Suplemento Cultural”, de Pernambuco, cujos números de 1999 foram todos reunidos num único volume, publicado pela Companhia Editora de Pernambuco, no ano 2000. Trata-se de um movimentado tabloide que foi editado pelo jornalista Mário Hélio, com capas/temas variados que iam de João Cabral de Melo Neto a Chico Science – o criador do manguebeat.

Outra reedição que chama a atenção é a do curioso e quase desconhecido tabloide “Tentativa” – publicado em Atibaia (SP), de abril de 1949 a fevereiro de 1951 – que teve entre seus colaboradores nomes de peso como Oswald de Andrade, Murilo Mendes, Graciliano Ramos, Otto Maria Carpeaux, Vinicius de Moraes etc. Sua reedição saiu em 2006, por meio de parceria entre a Prefeitura daquela cidade paulista e o Arquivo Público/SP.

O cenário mudou com a internet e grande parte da produção literário-cultural está hoje nos blogs, sites e revistas eletrônicas como “Cronópios”, “Sibila”, “Zunai”, “Errática”, “Modo de Usar” etc. Mas recuperar e reeditar em papel os antigos suplementos continua sendo uma atividade fundamental para a pesquisa e o estudo de nossa literatura. Daí a importância, agora, da reedição em fac-símile do “Nicolau” paranaense.

Comentários